Uma honra jamais esperada


XVII Capítulo da Confraria 
Gastronómica do Bacalhau

Se há surpresas na vida, o convite para participar no XVII Capítulo da Confraria Gastronómica do Bacalhau de Ílhavo, ontem, sábado,  foi uma delas. E a surpresa maior, inimaginável para mim, modesto cidadão que assim me considero neste mundo de confrarias e equivalentes, reside no facto de ter sido entronizado como Confrade de Honra. Tanta gentileza de amigos confrades sensibilizou-me, e lá fui para a festa, que o foi realmente a vários níveis. Um discurso do Grão-mestre bem concebido a abrir com arte, graça e realismo, que só lamento não o ter gravado, o convívio fraterno de diversas confrarias, todas apostadas em defender algo de típico das suas gastronomias, a Patanisca de Honra para estimular os apetites, a investidura de três Confrades de Honra, a D. Ana Maria Lopes, o Senhor João Nunes Cavaz e eu próprio, no belíssimo cenário da Faina Maior do Museu Marítimo de Ílhavo, a visita ao Aquário dos Bacalhaus, a serenata cheia de sentimento, decerto de quem alimentou saudades nos bancos de pesca ou no mar revolto, e a saída para o almoço no Hotel de Ílhavo ficaram como retrato colorido para memória futura. 

Grão-mestre, João Nunes, Ana Maria Lopes e Fernando Martins
A mesa do XVII Capítulo respeitou rigorosamente a tradição, tanto quanto sei, com entradas diversas, tudo com o fiel amigo a dar sabor e realismo que dignificaram a nossa confraria, não faltando as carinhas fritas, línguas fritas com açorda, feijoada de samos, bolos de bacalhau, ovas, pataniscas, chora (porquê chora? Qual a origem ou razão deste nome para designar uma sopa pobre?) e o já famoso bacalhau à confraria do saudoso cozinheiro Silva, que bem conhecemos da televisão.
Vinhos a condizer, que ali marcaram presença entendidos no assunto, prova de azeite, e sobremesas tão variadas e desafiantes que me obrigaram a fugir. A consciência diabética avisou-me para não tentar. 
Contemplei serenamente a alegria esfusiante de uns, as palavras certas e estimulantes de muitos amigos e conhecidos, o saber receber e estar com os convidados, a partilha de saberes e de vivências em capítulos semelhantes nas mais variegadas regiões do país e de estrangeiro. Percebi facilmente quanto pesam estas experiências na formação das pessoas com gosto pelas tradições gastronómicas das nossas terras que urge preservar, não vá dar-se o caso do fast food invadir e adulterar os gostos das nossas matrizes.

Olhei para os ilhavenses e gafanhões 

Olhei para os ilhavenses e gafanhões ali bem representados e de repente ocorreu-me um texto do saudoso D. João Evangelista de Lima Vidal, um insigne aveirense e primeiro bispo da restaurada Diocese de Aveiro, que aconteceu em 11 de dezembro de 1938. Um texto poético escrito em 8 de novembro de 1952.

Diz D. João:

«Eu nasci em Aveiro, ao que suponho na proa de alguma bateira. Fui batizado à mesma hora nas águas da nossa Ria. Abriram-se-me os ouvidos ao som cadencioso dos remos no mar, ao pio estrídulo das famintas gaivotas, ao praguedo inocente dos pescadores.
(…) 
Nós, os de Aveiro, somos feitos, dos pés à cabeça, de Ria, de barcos, de remos, de redes, de velas, de montinhos de sal e areia, até de naufrágios. Se nos abrissem o peito, encontrariam lá dentro um barquinho à vela, ou então uma boia ou uma fateixa, ou então a Senhora dos Navegantes.»

Eu, porém, ao fixar os confrades da CGB, para tentar entrar na alma de cada um, divisei  claramente, dentro do peito de todos, não já os montinhos de sal, mas, garantidamente, um lugre à vela, um bote e um bacalhauzinho a tentar livra-se do anzol.
Obrigado a todos os que me proporcionaram este encontro.

Fernando Martins

Comentários