Poema de Miguel Torga: Último Natal

A Virgem Gloriosa e as Sibilas
 - Livro de Horas da Duquesa de Borgonha.
 Museu Condé, Chantilly

ÚLTIMO NATAL

Menino Jesus, que nasces
Quando eu morro,
E trazes a paz
Que não levo,
O poema que te devo
Desde que te aninhei
No entendimento,
E nunca te paguei
A contento
Da devoção
Mal entoado,
Aqui te fica mais uma vez
Aos pés,
Como um tição
Apagado,
Sem calor que os aqueça,
Com ele me desobrigo e desengano:
És divino, e eu sou humano,
Não há poesia em mim que te mereça.

Miguel Torga 



In "POESIA COMPLETA". 
Este poema foi escrito em 24 de Dezembro de 1990,

Comentários