quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Palmeiras do Oudinot



As palmeiras sempre me atraíram desde pequeno, talvez por serem raras nos meus horizontes de miúdo gafanhão, que nunca chegaram longe. Quando muito, até Aveiro e Ílhavo, na companhia dos meus pais. Havia uma que até veio dar nome a um café, o Café Palmeira. Ficava junto ao estabelecimento comercial do senhor Zé da Branca, que, além de comerciante, foi industrial das pescas e proprietário de marinhas de sal, segundo creio.
À sombra dessa palmeira ou à volta dela se juntava a malta, em especial aos domingos, sobretudo quando ele resolveu montar uma aparelhagem sonora com um altifalante de corneta, para se ouvir à distância. O pessoal mais novo ou de espírito mais gaiteiro, como então se dizia, dançava que se fartava. E a palmeira ainda lá continua.
Hoje, porém, para satisfazer este meu gosto, aqui deixo aos meus leitores palmeiras do Oudinot, perfiladas, ao jeito de quem está a proteger alguém das investidas dos ventos.

Sem comentários: