A festa do Menino Jesus anima a nossa comunidade


Cortejo dos Reis — 12 de janeiro 


O nosso Menino Jesus


A festa do Menino Jesus vai realizar-se na nossa paróquia no dia 12 de janeiro, um pouco depois do que era habitual, por razões compreensíveis, que se prendem com a programação da unidade pastoral constituída pelas paróquias das Gafanhas da Nazaré, Encarnação e Carmo. Este ano, por isso, os cortejos foram agendados para os dias 5 de Janeiro (Encarnação), 12 (Nazaré) e 19 (Carmo).
Seja em que dia for, porém, a festa do Cortejo dos Reis, que tem por tema de fundo o nascimento do nosso Salvador, é sempre uma bela expressão da religiosidade do nosso povo, alicerçada no espírito comunitário que desde o início da ocupação dunar tem perdurado.
O Menino Jesus, pela candura que irradia, merece bem este cortejo e tudo quanto o envolve, nomeadamente, os autos que lhe estão associados, os cânticos natalinos, a alegria vivenciada por todos os participantes e as prendas que são, indubitavelmente, uma expressão de amor e de carinho. 
O Cortejo dos Reis apresenta-se, este ano, com uma inovação, já que a partida, com o anúncio do Anjo de que nasceu o Salvador, não será em Remelha mas na Igreja da Cale da Vila, que tem por patrono São Pedro, pelas 8.30 horas. Tudo o mais continuará como dantes. Os preparativos já começaram, com a organização dos mais diversos grupos que hão de apresentar-se com os seus carros enfeitados, carregados de presentes, e com o ensaio de músicas e cantares para animar o povo. E para além dos grupos, não faltarão os jovens de todas as idades que, vestidos à moda antiga, marcarão uma presença significativa, ou não merecesse o Menino tudo isto e muito mais.




Há quem pense que a festa é espontânea, o que não é verdade. Previamente, foi constituída comissão de logística, que tem por missão diligenciar e organizar o que diz respeito ao cortejo. Essa comissão é constituída por Margarida Vilarinho, Gilberto Vilarinho, António Marques, Paulo Martinho, Jorge Rocha e Manuel Garrelhas. Entre outras tarefas, tem de montar e desmontar cenários, cuidar da aparelhagem sonora, orientar os grupos participantes e fazer cumprir os horários, para que tudo decorra com ordem e dignidade.
Os Conselhos Económico e Pastoral, que ocupam posições de dinamização, de mãos dadas com o nosso prior, Padre Francisco Melo, e seus colaboradores mais próximos, Padres César e Pedro José, e diácono Hélder Ruivo, contribuirão, com gestos e palavras de estímulo, para que os autos mantenham o nível a que nos habituaram e os cânticos saiam afinados e bem timbrados. Os autos serão ensaiados pelo Manuel Alberto, tarefa que desempenha há muitos anos, e os cânticos terão como primeiro responsável o Paulo Bola.
Depois da cerimónia do Beijar do Menino, ao som de cânticos que vêm, alguns, dos tempos dos nossos avós, com os Reis Magos e os seus séquitos a ocuparem o primeiro lugar na fila que será grande, realizar-se-á o leilão dos presentes, no salão Mãe do Redentor, sob o comando dos experientes leiloeiros Manuel Alberto e Manuel Sardo.

Comentários