POSTAL ILUSTRADO — IGREJA MATRIZ ASSEADA E LUMINOSA


As igrejas querem-se atraentes e desafiantes, bonitas e luminosas. Atraentes pelas artes que ostentam e desafiantes pela inspiração, no sentido do divino, com que nos brindam. Bonitas pelas decorações que nos despertam, com a ajuda preciosa da natureza, para a beleza interior de cada um de nós, e luminosas, tornando mais nítida a Luz de Cristo, que é o nosso Salvador. No fundo, as igrejas, todas elas, querem-se asseadas, limpas, arrumadas e airosas, porque só assim conseguem ser convidativas e estimulantes para o encontro connosco próprios e com Deus.
Quando entramos numa igreja fria, escura, desconfortável, nua, tristonha e agreste sentimo-nos desolados e até incomodados. Só nos apetece fugir e, cá fora, olhar para o sol e para a natureza, na esperança de reencontrarmos a vida cheia de luz a que todos aspiramos.
Nas cerimónias, todas elas carregadas de arte e de símbolos, de desafios e propostas de vida em Jesus Cristo, desde os textos sagrados aos cânticos escolhidos, passando pelos paramentos e demais alfaias litúrgicas, há muito que apreciar e admirar, porque, se é verdade que a beleza vem de Deus, também é lógico admitir que a beleza nos aproxima do divino. E nessa linha, é justo aceitar que os arranjos florais, quando feitos com arte e bom gosto, nos enchem a alma, deixando-nos deslumbrados e muito felizes, mas também com mais ânimo para enfrentarmos os desafios do dia a dia. 

Fernando Martins

Comentários