Notas do meu diário: O mundo será aquilo que nós quisermos



1. Gosto do Natal pelo estímulo que nos dá para sermos bons. Tudo aponta nessa linha, tanto o ar que se respira como as melodias que nos envolvem, tanto  as mensagens enviadas e recebidas por parentes e amigos, tanto, ainda, para crentes como eu, pela ternura que se desprende do Menino-Deus dormindo tranquilo nas palhinhas da manjedoura, como nos ensinaram quando éramos menino como Ele. E, curiosamente, mesmo depois de desfeita a magia das prendas do Menino Jesus, a candura do presépio permanece inabalável na nossa vida, tornando-nos brandos e solidários uns com os outros. Somos meninos imensas vezes nos caminhos da nossa existência, que tão depressa se esvai. 

2. Ao darmos conta das notícias com que somos bombardeados durante as 24 horas do dia, não podemos ignorar que o mundo parece desfazer-se minuto a minuto com ódios, guerras, cataclismos, terrorismos, injustiças, fomes e perseguições atrozes. O que nos vale, e por vezes nem damos conta disso ou fingimos que somos ceguinhos, é que, com o horror, a bondade e a caridade são constantes, a verdade sobressai, a beleza tem lugar garantido, a justiça tem quem a defenda, a solidariedade e a paz têm quem as promova. E a terra, afinal, continua a girar em torno do sol há milhões e milhões de anos. O otimismo tem realmente razão de ser.

3. Celebrado o Natal, também festa da família, temos à porta o novo ano, alimentado pela esperança que brilha em cada um de nós. Esquecidas as agruras de 2016, agruras porventura provocadas pelas nossas inaptidões, pessimismos ou indiferenças, há que enfrentar 2017 com votos do nosso maior envolvimento naquilo que a todos diz respeito. Quer queiramos quer não, o mundo será aquilo que nós quisermos. Só que, frequentemente, deixamos que outros se antecipem aos nossos sonhos e projetos, tornando agrestes os trilhos de desejadas caminhadas, impedindo-nos assim de pensar e de agir em conformidade com a nossa vontade.

Bom Ano Novo para todos.

Fernando Martins

Comentários