Natal é quando um homem quiser!

Uma reflexão  de Vítor Amorim


O dia de celebração do Natal está prestes a terminar. Será que nos arriscamos a que o Natal também deixe de ser sentido, vivido e transmitido até ao próximo mês de Dezembro de 2017? Creio que não! Esta questão não faz, aliás, nenhum sentido.
No entanto, não esqueço que o Natal do Deus incarnado; o Natal do Deus connosco para todo o sempre, para que sejamos homens e mulheres de corpo e alma inteira, contraria a lógica do poder, da vaidade, da mentira.
O Natal é um constante apelo aos valores e testemunho da humildade, da misericórdia e da comunhão.
Julgo não estar enganado se disser que o Natal só é verdadeiramente entendido por aqueles e aquelas que estão libertos para caminharam, sem condições, na direcção das periferias humanas, onde, pela indiferença de uns ou pelas atitudes incompreensíveis de outros, subsiste a dor, a indiferença e a marginalização dos mais frágeis e vulneráveis da sociedade.
Nesta noite de Natal, peço ao Menino do Presépio que me ajude e ensine a ser, a partir já de amanhã, dia 26 de Dezembro, anúncio da Boa Nova, através dos gestos e dos comportamentos diários.
Se o Natal, no dizer do poeta, é quando um homem quiser, então, que este desejo se transforme num Natal de todos os dias.

Comentários