Faleceu o meu amigo Plínio Ribau Teixeira

Plínio Ribau Teixeira
Inesperadamente, como acontece com todas as mortes, faleceu o meu amigo Plínio Ribau Teixeira, 76 anos, que conheci desde a infância, quando nos intervalos da escola brincávamos, imensas vezes, na eira dos seus pais. Filho de Manuel Teixeira, o Tio Elviro, e de Madalena Ribau, Tia Madalena Ruça, era membro de uma família numerosa, muito conceituada na terra. Irmão do Manuel, do Ângelo, do Diamantino, do Josué e da Maria de Fátima, viu partir para Deus, para além dos seus pais, os seus irmãos Ângelo e Josué. Ambos, tal como ele, ainda longe da velhice.
Curvo-me perante a sua memória, dirigindo a toda a família, para mim muito querida, palavras de esperança e de certezas de que a vida continuará no seio maternal de Deus. «… porque nos criastes para Vós e o nosso coração vive inquieto enquanto não repousa em Vós», no dizer sábio de Santo Agostinho. Isto nos consola e há de consolar de forma especial a família do meu amigo Plínio.
Da sua juventude, permitam-me que evoque o trabalho que o envolveu desde cedo. Na agricultura ao lado do pai, depois durante bom tempo na marinha de que Tio Elviro, seu saudoso pai, era marnoto, avançou a seguir com ânsia para mudar de vida. Estudou, tendo eu acompanhado a sua vontade de vencer, orientando-o em estudos de contabilidade. Havia de singrar, porque o Plínio queria realmente vencer. Como de facto venceu.
Casou com a Fátima, tendo-me convidado para o casamento a que fui, com gosto, com minha esposa. Emigrou e da Venezuela trouxe um filho, o Juan Carlos, que foi meu aluno. A seguir nasceu o Paulo Jorge, também meu aluno. E assim se foram cruzando as nossas vidas. De vez em quando lá nos encontrávamos e o Plínio nunca se me mostrou triste, nem preocupado, nem doente. Sempre de sorriso nos lábios, com uma ou outra recordação de tempos idos, de que ríamos a bom rir.
Em casa do avô, Manuel Ribau Novo, o homem que foi a alma da construção da nossa Igreja Matriz, mesmo ao lado da casa paterna, os domingos eram passados à volta da música. O Manuel com o seu violino era o maestro, o Ângelo com a viola, o Plínio com o banjo ou bandolim e o Diamantino com a guitarra. A Maria passava leve como uma pena, olhava, ria-se, e seguia. E o Josué alheio às melodias musicais. Mais tarde, este mesmo, o Josué, apaixonou-se pela teoria musical e pelo colecionismo de instrumentos. 
Em pouco tempo três Ribaus nos deixaram. Mas deles guardo, na gaveta sagrada das minhas memórias, histórias sem fim que dão cor à minha existência. 
O seu funeral realizar-se-á amanhã, 3.ª feira, 5 de julho, às 11 horas, para o cemitério da Gafanha da Nazaré.

Fernando Martins 

Comentários