Postal Ilustrado — Cemitério da Gafanha da Nazaré

Um lugar de memórias e de fé


O Cemitério da Gafanha da Nazaré, inicialmente designado por Cemitério Paroquial, foi benzido no dia 25 de julho de 1921, provavelmente pelo então primeiro prior, Padre João Ferreira Sardo. 
Não sendo um daqueles cemitérios que atraem turistas, por túmulos e capelas com arte, nem por ali estarem sepultadas figuras gradas da política, das ciências e da cultura, a verdade é que naquele espaço de fé e memórias repousam os restos mortais de muitos dos nossos antepassados entre outros de pessoas que assumiram a nossa terra como sua. Antes da inauguração, os que faleciam na Gafanha da Nazaré eram sepultados no cemitério de S. Salvador, Ílhavo.
Depois da bênção, foi sucessivamente aumentado em 28 de dezembro de 1933 e em abril de 1939. No ano anterior, a Câmara de Ílhavo pagou 1150 escudos pela planta do cemitério, provavelmente para legalizar diversas alterações entretanto feitas, conforme se lê nos arquivos da CMI.
Com a construção do Cemitério Paroquial, terminaram os sacrifícios do nosso povo que acompanhava os seus entes queridos falecidos até Ílhavo, por acessos difíceis e morosos de percorrer.
Graças ao desenvolvimento demográfico da nossa terra, as ampliações e melhoramentos sucederam-se e a Capela das Almas foi dada por concluída em 30 de Dezembro de 1933.
Entretanto, foi edificado o jazigo dos Priores da Gafanha da Nazaré e a Capela Mortuária, construída pela Câmara de Ílhavo, junto à igreja matriz. A Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré administra o cemitério e a referida capela.
Quando entramos no cemitério, ao olhar com alguma atenção, deparamos com referência históricas dignas de nota. Identificamos nomes de pessoas que nos foram queridas, que exerceram cargos de relevo, pobres e ricos. Há sinais de amor e de abandono, declarações de ternura e de fé. Rostos que nos marcaram pelo bem que nos fizeram. E a oração sentida brota naturalmente nos nossos corações.

Fernando Martins

Comentários