Castelo de Pombal — Se puder, não deixe de visitar

O meu fascínio pelos Castelos 
À chegada
O meu fascínio pelos castelos vem desde a meninice.  Talvez por influência do meu professor primário, Manuel Joaquim Ribau, que recordo com muito afeto.  A história sempre me levou a sonhar e a refletir sobre o nosso passado como povo que soube criar o sentido de nação, embora tardiamente, e de estado. Que fique claro: nos idos de D. Afonso Henriques não havia uma coisa nem outra. Ele era o Senhor e isso bastava para fazer brotar raízes que germinassem. Deixemos isso para os historiadores, que esses é que sabem disto. E fui então nestas férias até Pombal. 
A história, com lendas à mistura, pode ser lida na Net. Abençoada Net que nos abre tantas portas para o conhecimento. Contudo, não nos podemos fiar numa só fonte. 

No interior, com duas cisternas atrás de nós
O Castelo de Pombal vem do século XII, por iniciativa de Gualdim Pais, o Mestre da Ordem do Templo, que chegou a integrar as Cruzadas organizadas pelos Papas para a libertação e defesa da Terra Santa. Foi ampliado por D. Sancho I e muito depois por D, Manuel I, com a construção de melhorias significativas. 
Na hora da saída
Uns minutos para ganhar forças
Naqueles tempos, como hoje, as beneficiações ou alterações surgiam com as necessidades. E assim se foi aguentando. Com a 3.ª invasão francesa, em 1811, foi devastado pelas tropas napoleónicas, sendo recuperado e construído em 1940, em pleno Estado Novo, numa campanha pela qual Salazar quereria enaltecer o sentido pátrio. Não sei se apenas por isso se por razões culturais. De qualquer forma, os nossos castelos, tanto quanto vou percebendo fazem parte hoje dos itinerários turísticos de portugueses e estrangeiros. 

Outro ângulo do Castelo
E mais um ângulo
Na visita que registei em imagens, pude assistir a um filme de uns 13 minutos, em 3D, que conta a história atribulada do castelo, um pouco de cada época, está bem de ver. Quem lá for não deixe de ver o filme, que gentilmente é lembrado pela simpática funcionária do turismo local.

Sala de repouso no bar
Há um bar muito acolhedor onde saboreei o café da manhã. A sala do bar dá para uma esplanada donde se avista um panorama da região circundante. No piso superior há uma outra sala para descanso, com cómodos que permitem um retemperar de energias, já que a subida, pelo lado do cemitério é um pouco custosa. Difícil mesmo é a subida a partir da zona antiga da cidade. Dei umas  passadas, mas logo uma senhora jovem me alertou: «Não tente, que eu só subi isso uma vez e jurei para nunca mais.» Foi o que fiz. 

Comentários