1.º de Maio



Celebra-se hoje o 1.º de Maio, dia do trabalhador. Há festas por todo o país. Para quem gostar de história ou para quem é curioso, temos à mão, na Net e em muita e diversificada literatura, a mais completa informação sobre esta efeméride, apenas celebrada, com dignidade, nos países democráticos. Nas ditaduras da direita ou esquerda, os trabalhadores livres não têm direito a qualquer tipo de celebração. Em Portugal, só foi possível comemorar o 1.º de Maio depois do 25 de Abril de 1974. Tenho para mim que essa primeira festa que envolveu em todo o país centenas de milhares de trabalhadores, direi mesmo milhões, esteve na génesis das transformações democráticas que ocorreram em Portugal. A liberdade, com essa movimentação de massas que explodiu em euforia, passou a ter a legitimidade da nova vida coletiva por que todos ansiávamos.
Uma saudação para todos os trabalhadores que hoje manifestam a sua alegria pelas conquistas alcançadas, graças à pujança da sua unidade. Apesar da crise a vários níveis que estamos a viver, cuja análise não cabe aqui, permitam-me que sublinhe que a democracia nasceu de um querer determinado pela força do povo e está para durar. Com ela, temos nos nossos votos a chave do futuro de todos nós. 

Fernando Martins



Comentários