D. ANTÓNIO MOITEIRO, NOVO BISPO DE AVEIRO

D. António recebe os cumprimentos
 de um amigo 

URGE CRIAR ESPAÇOS DE FRATERNIDADE

Ao som do cântico de entrada e com uma calorosa salva de palma, D. António Manuel Moiteiro Ramos, novo Bispo de Aveiro, entrou hoje, 14 de setembro, pelas 16 horas, solenemente, na Sé da Igreja aveirense, repleta de fiéis e a transbordar para o largo fronteiro e para o salão D. João Evangelista Lima Vidal. Na eucaristia de apresentação ao povo de Deus que está nesta diocese de ria, mar e montanha, a que presidiu, o novo Bispo de Aveiro sentiu o calor humano de bispos, presbíteros, diáconos, consagrados e leigos, que quiseram associar-se a uma nova caminhada, bem apoiada em alicerces construídos ao longo da história da Igreja de Aveiro. Marcaram presença autoridades civis, militares e académicas.
D. António, até há pouco Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Braga, foi nomeado pelo Papa Francisco, em 4 de julho de 2014, para substituir D. António Francisco que em abril passou a ser Bispo do Porto.
À homilia, D. António Moiteiro apontou desafios que hão de envolver-nos a todos, rumo a um mundo mais fraterno, porque mais cristão Nessa linha, importa criar espaços de fraternidade, onde venham a ser concretizadas as palavras de Jesus. Sublinhou a importância de todos sermos discípulos missionários, enquanto recomendou às famílias que «não se fechem em si mesmas, mas que se abram à vida como dom que vem de Deus».
D. António, 58 anos, natural da Aldeia de João Pires, concelho de Penamacor, Distrito de Castelo Branco e Diocese da Guarda, apelou à solidariedade para com os mais carentes, referindo que «somos chamados a ser instrumentos de Deus ao serviço da libertação e promoção dos mais pobres, porque a falta de solidariedade nas suas necessidades influi diretamente sobre a nossa relação com o Pai bom que ouve o clamor dos seus filhos». 
O Bispo de Aveiro adiantou que um sonho da Igreja, «que deve ser de toda a comunidade», assenta no direito de todos terem acesso à educação, aos cuidados de saúde e ao trabalho, já que é no trabalho que o ser humano exprime e engrandece a dignidade da sua vida.

Comentários