O SONHO

Crónica  de Maria Donzília Almeida



I have a dream” frase lapidar, atribuída a Martin Luther King, foi proferida no dia 28 de Agosto de 1963, na áurea década de 60 em que eu estava no dealbar da minha juventude. Iniciava o discurso que haveria de marcar a história americana, quando não a história universal, no qual falava da necessidade de união e coexistência pacífica entre negros e brancos nos EUA.
Tendo como palco os degraus do Lincoln Memorial em Washington D.C. integrando a Marcha de Washington pelo emprego e pela liberdade, foi um momento decisivo na história do Movimento Americano pelos Direitos Civis.
O orador teve um desfecho trágico, mas o poder do seu sonho galvanizou uma plateia de mais de duzentas mil pessoas que apoiava a causa.
Sendo um dos motores da atividade humana, tal como Gedeão disse, “O sonho comanda a vida!”


Toda a gente acalenta sonhos e vai lutando para a realização dos mesmos. É bom sonhar, pois dizem alguns entendidos que o homem só envelhece quando os sonhos dão lugar aos lamentos.
Faz parte intrínseca da condição humana, sonhar... e é muito salutar.
Neste contexto do sonho, também eu alimentei, ao longo dos tempos, um pequeno... grande sonho, dependendo da perspetiva.
Segundo Fernando Pessoa “O Homem é do tamanho do seu sonho!” logo perante a lógica pessoana, está aí justificada a minha pequena estatura.
Possuir um esquilo como animal de estimação foi crescendo como intenção, acabando por se tornar um sonho, avolumando-se, com o passar do tempo. Parece que os meus gostos/sonhos se materializam em criaturas de reduzidas dimensões, tal como na súbita aparição do patinho real, há duas semanas.
Nos Estados Unidos, um país pioneiro em muita coisa, o squirrel (cuja sonoridade é muito semelhante à nossa palavra esquilo) já é considerado animal de estimação. Com temperamento social e pacífico, limpo e sem produzir mau cheiro, seria uma ótima ideia para embelezar o meu bosque.
Dado o meu gosto por esta espécie de roedor, fiquei a saber que os seus dentes incisivos precisam ser desgastados, pois crescem continuamente. Galhos ou cascas de árvores ajudam no controle, distraem o animal e são abundantes no bosque.
Muito vivaz, o esquilo não pára quieto. Gosta de fazer ninhos com qualquer material que encontra pela frente, diverte-se com brinquedos e sobe e desce rampas, quando ao seu alcance, no seu habitat. De dia ou à noite, tem como hábito alternar períodos de vigília com descanso. A expectativa de vida do bichinho é de apenas três anos, com possibilidade de atingir, no máximo, quatro anos, o que muito me entristece.
Por esse mundo fora, deliciei-me a observar espécies de esquilos, nos parques londrinos, a fazerem as delícias dos transeuntes. Apreciadores de sementes, era vê-los de pé, nas patinhas posteriores, a descascar com perícia os amendoins que lhes atiravam e que eles devoravam num ápice.
Na Índia, proliferam nos parques naturais e correm à nossa frente, esgueirando-se por entre arbustos e plantas como se fizessem fintas aos turistas. Com uma cauda farfalhuda para um corpinho minúsculo são uma prenda com que a natureza nos afaga.
Conhecendo a divina Providência estes meus gostos e agora que os dias estão a crescer e a hora mudou, contemplou-me com a dádiva de um casalinho de esquilos castanhos de cauda listrada... que irão fazer as delícias do meu olhar... e de tantas criancinhas!
 Já noutros tempos, estacionavam os seus velocípedes para a contemplação das cabrinhas anãs, especialmente na altura em que as crias de palmo e meio começavam a cabriolar, graciosamente, pelo bosque.


01.04.2014

Comentários