D. António Francisco dos Santos — Um bispo próximo e acolhedor


Hoje de manhã, fui dolorosamente surpreendido pela notícia da partida de D. António Francisco dos Santos, Bispo do Porto, para o regaço maternal de Deus. Apesar da fé que nos anima e nos leva a crer que tudo será melhor no coração do Senhor da Vida, que acolhe todos os homens de boa vontade, porque «perdoa sempre; perdoa tudo!», no dizer do Papa Francisco, reconhecemos, humanamente, que a dor momentânea da separação nos deixa tristes. 
Evoquei então o dia 8 de dezembro de 2006, Festa da Imaculada Conceição, Padroeira de Portugal e Mãe da Igreja, que me marcou para o resto dos meus dias. No cortejo de entrada na Sé de Aveiro, para a cerimónia solene da tomada de posse de D. António Francisco dos Santos, como bispo residencial da Igreja Aveirense, sofri um enfarte. Conduzido ao hospital, ali fiquei nos cuidados intensivos. No dia seguinte, pela manhã, antes dos meus familiares chegarem, abri os olhos ainda cansados para fixar dois visitantes: D. António Francisco e D. António Marcelino. Terão sido informados da minha situação pelo meu querido amigo e capelão do Hospital, Padre João Gonçalves. No domingo seguinte, D. António Francisco celebrou a Eucaristia no Hospital para os doentes e voltou a passar pelos cuidados intensivos para saber do meu estado. Dirigiu-me palavras de estímulo, palavras que vieram de um coração bondoso, que jamais esquecerei. 
Tempos depois, visitei-o na Casa Episcopal, para lhe agradecer a gentileza do gesto e das palavras que me dirigiu no Hospital de Aveiro. Sem pressas, sem nunca olhar para o relógio, falámos, trocámos impressões sobre Aveiro e sua região. Fiquei com a certeza de que a nossa Diocese, que teve tão grandes Bispos, cada um com o seu estilo, tinha agora um Bispo muito próximo e acolhedor. 
Dias depois, soube da saudação que dirigiu à Diocese, na qual garantiu que todos teriam lugar no seu coração de Bispo. «Que ninguém se sinta sozinho, esquecido, excluído ou à margem do meu desvelo de servir, independentemente da sua condição social, convicção de fé, cor ou cultura.», disse.  E na tomada de posse adiantou: «Somos uma diocese nova, recém-restaurada. Mas o caminho percorrido é grande e belo, com etapas marcantes de dois Sínodos diocesanos a cujos dinamismos me vinculo. É meu dever assumi-los. É meu desejo continuá-los. Há vidas doadas a Deus, à Igreja e ao Seu Povo, que hoje e sempre devemos recordar, agradecer e merecer.»
Num olhar atento, percebe-se que D. António Francisco foi, essencialmente, um Bispo com uma capacidade rara para ouvir, sem pressas. Atento ao mundo e à diocese, no seu espaço de intervenção pessoal, direta e próxima, D. António Francisco privilegiou a pessoa, com todos os seus problemas e anseios, mas ainda com as suas limitações e dificuldades.
Pessoalmente, não posso deixar de registar a sua serenidade, a sua humildade no contacto com todos, a sua fé esclarecida e atuante, o seu desejo de inovar e a procura das melhores soluções para implantar e dinamizar o Reino de Deus entre nós.

Fernando Martins

Comentários