MaDonA — O avô Manel


«O avô Manel é o último sobrevivente do clã familiar. Fui visitá-lo, um dia destes, e ia rever uma pessoa que me é tão grata. O que estou a escrever será uma homenagem, a minha homenagem, em vida. É em vida que se apreciam os afagos, os mimos, o carinho. Depois...restam apenas as flores... 
Qual não foi a felicidade do avozinho, ao receber a visita de entes queridos, que lhe atenuam a solidão dos dias. Com idade avançada, prestes a completar 95 anos, as forças do avô foram minguando, trazendo consigo as maleitas próprias desta faixa etária. A força nas pernas diminuiu, e depois de várias quedas, o destino foi o recurso a uma cadeira de rodas. Foi uma inevitabilidade! A única e a possível.»

“A gratidão é a memória do coração.” 

Antístenes

O avô Manel é o último sobrevivente do clã familiar. Fui visitá-lo, um dia destes, e ia rever uma pessoa que me é tão grata. O que estou a escrever será uma homenagem, a minha homenagem, em vida. É em vida que se apreciam os afagos, os mimos, o carinho. Depois...restam apenas as flores... 
Qual não foi a felicidade do avozinho, ao receber a visita de entes queridos, que lhe atenuam a solidão dos dias. Com idade avançada, prestes a completar 95 anos, as forças do avô foram minguando, trazendo consigo as maleitas próprias desta faixa etária. A força nas pernas diminuiu, e depois de várias quedas, o destino foi o recurso a uma cadeira de rodas. Foi uma inevitabilidade! A única e a possível. 
Foi o prenúncio de um fim anunciado, já que a mobilidade é uma força que nos prende à vida e nos faz lutar por ela. O avô Manel ficava privado da sua deslocação ao jardim, onde poderia enxergar as flores que outrora cultivara, e as uvas americanas que pendiam em latada, nos longos passeios pelo quintal. 
Um véu de tristeza escurecera o seu semblante, que gradualmente se foi dissipando com a nossa presença. Foi um raio de luz a iluminar-lhe o rosto e trazer ao seu olhar, o brilho de tempos antigos. De vez em quando, os seus olhos ficavam marejados de lágrimas, quando, à memória, vinham recordações antigas, dos seus tempos de pujança. Em frente àquele rosto, agora encanecido, passou na minha tela mental, o filme do Avô Manel, em que foi o protagonista de uma grande epopeia. 
Após a sua retirada do mundo do trabalho, o avô dedicou-se, de alma e coração, à sua horta biológica, uma atração para os domingueiros que apreciavam o kitchen-garden do Sr Manuel. Aí, sentia-se nas suas sete quintas! 
“Vou semear um rego, dois regos...de ervilhas, favas, tomateiros, pimentos, cebolas, etc, etc” era uma expressão recorrente, no linguajar simples do avô Manel, com marcado acento tripeiro. 
E assim, nasciam os canteiros, rigorosamente talhados a régua e esquadro, dada a perfeição com que os desenhava. Reminiscência dos seus tempos de marceneiro em que projetava e fabricava móveis, com a perícia de um mestre. A bordejar esses canteiros de hortaliças, havia sempre renques de dálias, gladíolos, cravinas. No meio desse jardim, da casa até à linha do comboio, no fundo do quintal, estendia-se um largo passeio em cimento, ladeado por videiras. Em dossel, uma ramada de uvas americanas, que no verão nos ofereciam a sua sombrinha refrescante. Depois de maduras e vindimadas, davam o vinho americano, que antes de fermentado era aquele vinho doce tão apreciado. Era o autêntico, genuíno sumo de uva que distribuía pela família e amigos. Ainda tenho guardada, na minha retina e no olfato, a imagem das ervilhas de cheiro, que trepavam à volta dos esteios em ferro, da ramada, libertando para a atmosfera, a sua fragrância adocicada e fresca. 
Dava gosto ver o sentido estético que ele punha em tudo que fazia. Espantoso! E os produtos vegetais que saiam das suas mãos, arrancados à terra preta, fecunda, do Porto, eram de alta qualidade, hoje designados por produtos gourmet. 
Por tudo isto e outras coisas que, involuntariamente, possa ter omitido, tenho um profundo sentimento de gratidão, pelo avô Manel. 
Bem-haja, por tudo o que fez pela sua prole. 

Mª Donzília Almeida 

26 de julho de 2017 

Comentários

  1. Bem-aventurados todos os Avós "Maneis", que já partiram, ou ainda estão no Mundo dos Vivos,e seus previlegiados netos, que estão eternamente gratos, pelo seu amor,carinho,afeto.Fui um desses previlegiados, tive um avô Manel, que descanse em Paz.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário