M.ª Donzília Almeida — Dia Internacional sem Sacos Plásticos


Já que há Um Dia Europeu Sem Carros, Um Dia Internacional Sem Sacos Plásticos, por que não Um Dia Nacional Sem Corrupção? Haverá algum ideólogo corajoso que leve a proposta ao parlamento?
Como sou muito sensível a questões ambientais e uma defensora acérrima da reciclagem, achei interessante haver um dia dedicado a este tema.
As práticas aqui defendidas, que para mim, são já uma rotina diária, tornam-se mais prementes, no atual contexto nacional.
Um dia, estando eu, numa loja de comércio local, reencontrei uma antiga aluna, atualmente a residir em França. Depois de calorosos cumprimentos, a conversa versou sobre questões ecológicas e o contributo do homem para a preservação do ambiente. Constatámos que ambas partilhávamos as mesmas ideias sobre a defesa de um ambiente saudável, alguma semente por mim deixada? Na despedida, ofereceu-me um saco de nylon, que guardado na carteira, leve e prático, está sempre à mão para uma compra inesperada. Além de tudo, tem uma inscrição que para mim é uma lição para a vida.
O mundo assinala hoje, o Dia Internacional Sem Sacos Plásticos, uma efeméride institucionalizada com o objetivo de alertar a sociedade para a necessidade de reduzir o consumo e utilização excessiva de objetos descartáveis.
O 3 de julho é promovido pela Fundação Privada Catalã para a Prevenção de Resíduos e Consumo Sustentável e pretende sensibilizar a população para esta problemática.
Segundo o Programa das Nações Unidas Para a Ambiente, PNUA, estima-se que um cidadão, na Europa, consome cerca de 500 sacos plásticos por ano, que acabam no lixo ao fim de meia hora de utilização ou então no meio-ambiente, criando-se vastas ilhas de lixo plástico nos oceanos (80% da poluição marinha). Como os animais confundem o plástico com alimentos, acabam por morrer pela ingestão desse material, como as tartarugas e outros anfíbios.
Os sacos de plástico são constituídos por resinas tóxicas, provenientes do petróleo, e levam cerca de 500 anos a decompor-se. Apesar da gravidade da situação, apenas 2% da população mundial recicla sacos plásticos
Nesse sentido, já foram sensibilizadas algumas lojas e  supermercados para o uso de sacos de papel, biodegradáveis. Para além do consumo de recursos, o uso excessivo e insustentável de sacos, é potenciado pela falta de valor que lhe é atribuído, pois é oferecido. Neste momento, em alguns hipermercados, já se paga pelos sacos, o que é dissuasor para o consumidor, sendo esta medida, amplamente, defendida pelos ambientalistas.
Perante este panorama desolador de incúria e irresponsabilidade, faço um apelo a toda a gente e em particular às mulheres, a quem está, maioritariamente, atribuída a tarefa das compras. Será um estímulo para a dona de casa ir ao baú, onde tem guardadas aquelas preciosas obras artesanais: crochet, bordados, patchwork, ou um simples bocado de chita...que as noivas levavam no enxoval. E reabilitar as saquinhas do pão!
Os tempos modernos apelam a um facilitismo e funcionalidade das tarefas, mas quem sofre é o ambiente. Os resultados falam por si!

M.ª Donzília Almeida

03.06.2017

Comentários