Júlio Cirino — Ilha Terceira – Carnaval

Melodia
Músicos
Pandeiros
Dança Pandeiro 

O Carnaval ocupa um lugar de destaque nas festividades da ilha Terceira. O “bailinho”, designação popular para uma representação teatral acompanhada por música, é o principal entretenimento no Entrudo. “As chamadas ‘Danças de Carnaval’, às quais assistem milhares de terceirenses, são o maior encontro de teatro popular em língua portuguesa que se faz em todo o mundo.” 
Os membros de cada “bailinho” criam o enredo, a música e a coreografia da peça. O traje também é da sua autoria. Estes grupos podem representar uma paróquia, uma casa do povo, uma sociedade filarmónica, uma instituição de solidariedade ou até um partido político. 
Existem várias categorias de danças e “bailinhos”. As “danças de espada”, as “danças de pandeiro” e os “bailinhos” masculinos, femininos ou mistos. 
O “bailinho” começa com uma cantiga acompanhada por tocadores de cordas e de instrumentos de sopro. Segue-se uma peça teatral sobre um tema escolhido e tudo termina com mais uma cantiga. Cada espectáculo tem a duração aproximada a 40 minutos. 
As Sociedades Filarmónicas, as Casas do Povo ou as Juntas de Freguesia, a abarrotar de gente entre o sábado gordo e a madrugada de quarta-feira de cinzas, são visitadas por mais de 60 “bailinhos” que apresentam os temas mais variados. Cada grupo, entre actores, músicos, dançarinos, autores, ensaiadores e costureiras conta com uns 50 elementos. Isto é, na ilha movimentam-se mais de 3.000 pessoas que, no palco, vão trazer alegria a quem assiste! 
Ninguém paga para assistir a estes espectáculos. Porém, os salões, para angariar fundos, possuem bares onde se podem comer bifanas, frango, chouriça e linguiça fritos, coscorões, arroz doce, filhoses, etc., que constituem a gastronomia própria da época. O vinho e a cerveja acompanham tais petiscos. 

Obs.: É pena que, como noutros assuntos, os ecos do Carnaval na Terceira não cheguem ao Continente. Dando o meu contributo para contrariar tal situação, convido-vos a assistir, pela internet, a dois “bailinhos” que retratam o que por aqui se passa no Carnaval. 
A quem estiver interessado, recomendo “Um Congresso da 3.ª idade - Bailinho do Posto Santo - Carnaval de 2015.” (por se ver melhor, aconselho a que abram a segunda janela da página). 
Através desta peça, de cariz humorístico, podemos ver certa rivalidade que existe entre a Terceira e S. Miguel por os micaelenses “terem a mania” que são da capital dos Açores. 
Está também aqui retratada a fama que os terceirenses têm de estar quase sempre em festa e por isso pouco trabalharem. No arquipélago até costuma dizer-se: “nos Açores há oito ilhas e um parque de diversões (a Terceira)”. 
Vão notar diferenças de sotaque, algo exageradas, entre a ilha Terceira, a de S. Miguel e de S. Jorge. Quem não estiver por dentro da realidade açoriana, poderá não compreender algumas “bocas regionais”, mas no fim ficará mais enriquecido pelo espectáculo a que acabou de assistir, para além de ficar a saber o que é um “bailinho”. 
O segundo tema que recomendo é o “Bailinho do Grupo de Amigos do Carnaval SFP dos Biscoitos – A vida de S. Norberto”. 
Aqui é retratada a vida de um solteirão chamado Norberto, pessoa simples que tem de tomar conta dos pais já idosos e doentes. Cansado da vida que levara, durante 27 anos, foi estudar para padre… 
A pronúncia utilizada nesta peça corresponde a algumas zonas da ilha. Realço que os excelentes actores provêm das mais variadas camadas sociais, podendo ser professores, carpinteiros, pedreiros, agricultores ou ter qualquer outra profissão. 

Todos os espectáculos que por cá se fazem são interpretados por amadores, mas que ensaiam como profissionais para não se saírem mal nos espectáculos em que vão participar.

Comentários