ROSA COVA: A ESCOLA É UM PILAR ESSENCIAL PARA A FORMAÇÃO DAS PESSOAS

Rosa Cova, casada com Armando Cravo, mãe de três filhos, avó, educadora de infância aposentada, está desde há muito disponível para colaborar com a comunidade paroquial de Nossa Senhora da Nazaré. Como educadora de infância, trabalhou em diversas instituições, desde a creche da Fábrica da Vista Alegre até ao Ensino Público, passando pela Obra da Providência e Jardim Escola da Vera Cruz. Assume que a sua profissão surgiu da vocação que sentiu pelo trabalho de educadora e foi nesta função que mais se realizou, lembrando com saudade a «ternura das crianças» associada ao gosto que experienciou nas diversas fases do crescimento de cada uma delas, em permanente contacto com as suas famílias, com a formação integral de todas por pano de fundo.
«A escola é um pilar essencial para o desenvolvimento harmonioso de todas as pessoas», afirmou Rosa Cova, durante a conversa que mantivemos em jeito de entrevista para o Timoneiro, de que ela é leitora assídua. E dessa fase da sua vida sublinha a alegria que sente quando descobre que «há crianças que guardam gratas recordações dos tempos em que conviveram no jardim de infância», chegando mesmo a convidá-la para momentos festivos das suas vidas.
Rosa Cova é uma servidora da comunidade paroquial, porque pode e porque assim se sente bem. O sentido de partilha está patente na sua vida, fazendo questão de salientar que seu marido, Armando Cravo, lhe dá todo o apoio. Daí o seu envolvimento em várias tarefas. Um dia, iniciou-se como leitora, em substituição de seu filho Jorge, e logo aí passou a integrar o corpo de leitores da comissão do lugar do Bebedouro, na qual ainda hoje se encontra. Contudo, nas festas marcantes da nossa comunidade é responsável pela organização e distribuição dos leitores, em cuja preparação vai colaborando com sentido pedagógico. 
Elogia as suas prestações, sem descurar uma ou outra dica no sentido de a todos estimular, já que a leitura dos textos sagrados e a postura dos leitores devem ser adequadas ao momento da celebração. A este propósito, a nossa entrevistada afirma que os leitores participam, naturalmente, em reuniões de formação, de base diocesana ou arciprestal, mas reconhece que para cada Eucaristia necessitam de treinar as leituras, como necessitam de conhecer bem os textos bíblicos e, ainda, precisam de modelar a voz em função do microfone, sem descurarem o modo como se vestem. 
Rosa Cova gosta de organizar o cortejo litúrgico porque sabe que a ordem fica bem em todo o lado, muito mais na Igreja. E disse: «Dou indicações para que tudo decorra com serenidade e muita dignidade; aconselho a melhor forma de se apresentarem, de se vestirem e de estarem no ambão; vou sugerindo, de modo informal, o que deve ser feito, com simpatia, com amizade; e no fim da cerimónia gosto de sublinhar o que fizeram bem.»
A nossa entrevistada frisou que, como membro da comissão do lugar do Bebedouro, dedica algum do seu tempo à ornamentação do templo, integrada numa equipa de senhoras com o mesmo gosto de enfeitar. As flores são fornecidas pelas pessoas da equipa, mas também é certo que, diversas vezes, têm de as comprar. E tem confirmado que há o prazer de colaborar «com carinho, bom gosto, mas sem sentido de competição; havendo uma natural vontade de fazerem o melhor possível». 
Como paroquiana, sente-se comprometida em participar em tudo o que julga poder ser útil. Nos almoços comunitários para angariação de fundos destinados às muitas despesas de uma paróquia como a nossa, Rosa Cova não gosta de ficar sentada a saborear o almoço, preferindo, quando é convidada, trabalhar na cozinha ou no que for necessário. 
Outra tarefa, de grande importância para o culto, mas não só, é o tratamento, limpeza e asseio das toalhas dos altares e dos paramentos, alguns dos quais precisam de limpeza especial, a seco, por serem peças bordadas e de tecidos trabalhados com arte. Do Santuário de Schoenstatt recebe o que diz respeito ao Padre Carlos Alberto. E tudo faz sem custos para a paróquia. 

Fernando Martins

NOTA: Entrevista publicada no jornal "Timoneiro"

Comentários