DIA MUNDIAL DO YOGA

Crónica de Maria Donzília Almeida 

                                        

"O fraco nunca perdoa. 
O perdão é a característica do forte" 

Mahatma Gandhi 


Quando viaja pelo oriente, qualquer ocidental se deixa, facilmente, impregnar pelo misticismo da civilização hindu. Um país mágico onde se sente a presença de mestres espirituais como Mahatma Gandhi e Krishnamurti, onde a atmosfera rescende a especiarias, onde a vista se deslumbra com o colorido dos saris, onde o culto religioso abrange formas tão diversificadas, como o hinduísmo, budismo e islamismo, deixa a sua marca no visitante mais distraído. 
A minha atração pela prática do yoga surgiu na idade imortalizada por Balzac, em “A Mulher de Trinta Anos”, mas foi na idade madura, de passagem pela Índia, que a sedução foi total. 
A palavra yoga deriva do sânscrito e é um conceito que se refere às tradicionais disciplinas físicas e mentais originárias da Índia. A palavra está associada às práticas meditativas tanto do budismo como do hinduísmo. Neste, o conceito refere-se a uma das seis escolas (āstika) ortodoxas da filosofia hindu e à sua meta rumo ao que esta escola determina como suas práticas. Fora da Índia, o termo yoga costuma ser associado tipicamente ao hata-ioga e suas asanas (posturas) ou como uma forma de exercício. 
O yoga é uma filosofia de vida ancestral que remonta a cerca de cinco mil anos e é considerada, hoje, também, como uma ciência e  como uma medicina alternativa e de prevenção. 
Na sociedade ocidental, o yoga tem, fundamentalmente, a finalidade de revitalizar o corpo físico, melhorar a concentração e  apaziguar a mente atribulada, através da redução dos níveis de stress. 
Trata-se de uma prática dinâmica, profunda, agradável e desafiante que une o nosso corpo físico, os sentidos, a consciência e a mente num único ser, levando cada um de nós a um crescente bem estar, auto conhecimento e felicidade. 
As aulas de yoga são baseadas na permanência em posturas (asanas), conciliadas com técnicas respiratórias (pranayamas), com técnicas de relaxamento (Yoganidrá), de limpeza e purificação (krias), de canalização de energia (bandhas) e de vocalizações (mantras) que ajudam no processo de concentração e descongestionamento energético do corpo e da mente. Todas estas práticas específicas do yoga conjugadas, durante as aulas, proporcionam um desbloqueio energético dos músculos e da coluna vertebral. Há um processo de flexibilização, de força e de compressão das nossas glândulas endócrinas, do nosso sistema nervoso central e dos nossos órgãos internos. Tudo isto influencia positivamente o funcionamento dos nossos sistemas fisiológicos (respiratório, circulatório, digestivo, nervoso, endócrino, reprodutor, muscular e esquelético). 
Numa sessão de prática, é possível sentir benefícios no bem estar geral. Após um mês já podemos sentir a veracidade desde grande empreendimento e, com três meses, os benefícios gerais começam a manifestar-se de maneira muito intensa e clara. Mas é depois de um ano que obteremos as conquistas mais duradouras! 
Os frutos desta prática milenar não se limitam apenas ao corpo, ao emocional e à mente, mas também de um modo muito acentuado nas realizações pessoais e profissionais. A tão necessária prosperidade recebe um forte aliado, assim como a harmonia e a satisfação existencial. 
Na minha opinião, além da prevenção na saúde, estes últimos pontos são os que mais satisfação me trazem bem como a milhares de vidas em todo o planeta. Fazer chegar o yoga aos alunos da melhor maneira possível é, acima de tudo, estudar todos os métodos, respeitá-los e ensiná-los, de forma humilde, com devoção à prática, com discernimento e amor. Compreender o que é mais importante para cada aluno a cada instante, é a meu ver o que um professor de yoga procura trabalhar. 
Fazendo um paralelismo, consideramos um bom médico aquele que para além de saber ouvir e observar o doente, se esforça por continuar a aprender, a atualizar-se e a respeitar terapêuticas alternativas, utilizando a experiência e o conhecimento do mundo inteiro em benefício da prevenção e da cura das maleitas da humanidade. 
É isso que espero, na minha prática semanal, desta terapia e desta filosofia de vida e recomendo vivamente, a quem quiser atingir aquele estado, de bem-estar, harmonia…o Nirvana para os orientais. 

Comentários