CASA DA MÚSICA DA GAFANHA DA NAZARÉ ABERTA A NOVOS DESAFIOS

Autoridades e associações 
Assinatura do protocolo



Filarmónica Gafanhense

Futuros músicos da banda

Grupo Etnográfico no desfile

Grupo Etnográfico na atuação
No domingo, 18 de junho, foi inaugurada na Gafanha da Nazaré a Casa da Música, apesar da tragédia dos fogos florestais que chocou o nosso país. Um minuto de silêncio e a bênção das pessoas que hão de utilizar esta casa da cultura pelo nosso Bispo, D. António Moiteiro, seguidos de um Pai Nosso pelas vítimas e famílias da tragédia de Pedrógão Grande, antecederam as intervenções do autarca ilhavense e dos representantes das associações que passam a usufruir da Casa da Música. «Estamos a inaugurar algo que há muito tempo ambicionávamos», disse o Presidente da Câmara Municipal de Ílhavo (CMI), Fernando Caçoilo. Trata-se de um edifício amplo e moderno destinado a três associações: a Cooperativa de Consumo Gafanhense, a Filarmónica Gafanhense e o Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré (GEGN). 
Fernando Caçoilo agradeceu a disponibilidade e abertura dos parceiros que passam agora a ter instalações condignas para o desenvolvimento das suas atividades, mas recordou que a autarquia teve de resolver problemas complexos antes de transformar um edifício «mau e degradado» nesta estrutura que possui condições ideais para fins culturais, nomeadamente, musicais e etnográficos.
«No fundo — lembrou o autarca —, o que a câmara fez foi um investimento municipal [da ordem dos 650 mil euros], muito ao encontro da política que temos feito, porque nós temos de perceber que não vivemos num país rico; temos que recuperar aquilo que temos; transformámos uma coisa que estava mal numa coisa boa, que é uma mais-valia para os cidadãos». 
O presidente da CMI afiançou que «um projeto autárquico é sempre um projeto inacabado», frisando que se «constrói para todos e com toda a comunidade». Agradeceu aos que projetaram e executaram as obras, referindo a importância de os novos utilizadores dignificarem a Gafanha Nazaré e o nosso município.
Alfredo Ferreira da Silva, fundador e presidente do Grupo Etnográfico, agradeceu à autarquia a recuperação do edifício e declarou que «hoje é um dia feliz para o grupo, que tanto tempo esperou, mas o dia chegou». Contudo, não ficou pelos agradecimentos, pois aproveitou a ocasião para referir alguns dados históricos da instituição a que preside, nomeadamente, que o Etnográfico nasceu no palco do salão paroquial da Gafanha da Nazaré, que foi, «durante muitos anos, oficina de trabalho».
O presidente Ferreira da Silva disse que «esta data fica na história do Grupo Etnográfico», o qual passa a ter «um lugar com dignidade para desenvolver todas as suas atividades e para criar outras, se assim o entender». 
Paulo Miranda, presidente da direção da Filarmónica Gafanhense, salientou que a Banda é «a instituição mais antiga do Município de Ílhavo e herdeira do trabalho incansável de muitos ilhavenses e gafanhonazarenos», desejando «continuar a crescer, dinamizando este novo espaço no ensino da música». 
Lembrou que a Banda Filarmónica «se alimenta do esforço dos seus dirigentes», procurando no dia a dia «atrair gente jovem que garanta o seu futuro, cada vez mais risonho e atuante ao nível cultural». E acrescentou: «Também é verdade que o empenho de todos, população, sócios, autarcas e outras entidades estatais e privadas, é fundamental e urgente.»
Ainda garantiu que a nova sede vai contribuir para que a Filarmónica Gafanhense «ocupe um lugar de destaque no panorama musical, regional e nacional». 

Fernando Martins

Comentários