À DESCOBERTA DE MANGUALDE

Crónica de Maria Donzília Almeida


A vida é o que fazemos dela. 
As viagens são os viajantes. 
O que vemos não é o que vemos, 
senão o que somos.”

Fernando Pessoa

Nelas - Enoturismo 


Lápide
Altar
Igreja - Escadório

Igreja - Pirâmides

Igreja Senhora do Castelo






“À descoberta de Portugal” e “Por terras de Portugal” são dois livros alinhados na estante, muitas vezes consultados, para organizar roteiros e conhecer o património local. No século passado. Com o avanço da tecnologia, a literatura de viagens ficou relegada para secundaríssimo plano e a internet assumiu esse papel. É fácil, é barato e está sempre ao nosso alcance. Aí se colhe a informação necessária, se fazem os itinerários, e é possível saber-se de antemão, o que se vai ver e o que se vai saborear.
Quanto ao alojamento, não há sombra de dúvidas – Hotel? Trivago!
Com a curiosidade, a disponibilidade e a sede de cultura/conhecimento, lá foi um minigrupo de “jovenseniores” à descoberta de Mangualde. Pertencente ao Distrito de Viseu, região Centro e sub-região do Dão-Lafões, recebeu em 1102, o foral do Conde D. Henrique.
Do seu património, salientam-se alguns monumentos: a Anta da Cunha Baixa um monumento funerário em granito, a Capela da Senhora de Cervães, o Castro do Bom Sucesso, a Citânia da Raposeira, a Fonte da Ricardina que herdou o nome de uma rapariga, filha de um pretenso abade, que proíbe os amores da jovem, em cartas trocadas com Bernardo Moniz, numa fonte ali situada. Serviria de mote, a Camilo Castelo Branco para escrever o seu "Retrato de Ricardina"; a Igreja da Misericórdia de Mangualde, a Igreja Matriz de S. Julião, o Palácio dos Condes de Anadia obra dos fidalgos Pais do Amaral que a partir do séc. XVIII se tornam a família de relevo. É Simão Pais do Amaral quem ultima a parte arquitetónica da mansão; o Real Mosteiro de Santa Maria de Maceira Dão, o Pelourinho de Abrunhosa-a-Velha, o Pelourinho de Chãs de Tavares, etc.
Para ganharmos energia e absorvermos este banho de cultura e história, tivemos, ao jantar de 6º feira, um suculento repasto no restaurante Valério, uma referência local, cujas paredes estão revestidas por fotos de famosos que por ali passaram. A de Maria José Valério ostenta a sua madeixa verde, como imagem de marca. Também tirámos a foto da praxe com o Sr Valério para se juntar às demais. Em terras em que a Nobreza teve forte expressão, senti-me como peixe na água. (!?)
Apesar do vasto património, por limitação de tempo, a nossa atenção concentrou-se apenas em alguns pontos. O primeiro, em que nos detivemos, foi a capelinha de Santa Maria do Castelo, que deu o nome ao hotel, ali próximo. Erigida no começo do séc. XV, evoca a batalha travada em Trancoso entre soldados de Portugal e de Castela. De linhas simples, nela ressalta a altíssima torre, elevada a prumo sobre a fachada. O interior mostra uma elegante capela-mor com um retábulo de sabor neoclássico. Recebeu nos finais do século XIX, a honrosa visita dos reis D. Luís e a rainha Maria Pia e do rei D. Carlos com a ilustre rainha D.ª Amélia.
Esta minha atração pela monarquia, num misto de fantasia e realidade, assenta em fundamentos históricos. Segundo rezam as crónicas, através de relatos orais, há indícios que a avó materna seria filha da fidalguia que um dia, veio à sua procura, numa caleche, puxada a cavalos. A menina que tinha passado pelo Mosteiro de Jesus, não quis aparecer ao presumível pai biológico. A sua origem, provavelmente nobre, perdeu-se na bruma dos tempos, numa sociedade hipócrita que camuflava os desmandos da Nobreza. Dessa avó, herdei o sobrenome …de Jesus.
Passadas estas elucubrações, a nossa digressão prosseguiu por terras beirãs.
A próxima paragem foi em Fornos de Algodres, onde almoçamos com um espetáculo delicioso: o vai vem das andorinhas que nidificaram a todo o comprimento do beiral de um prédio ali em frente. Até a refeição se tornou mais gostosa. Aí visitámos, no edifício do turismo, uma exposição da Confraria da Urtiga. Uma planta amaldiçoada por tanta gente foi reabilitada e apresentada como uma fonte de nutrientes, que rivaliza com muitos produtos hortícolas.
Já no regresso, visitámos um empreendimento de Enoturismo, em Nelas, onde só os grandes apreciadores e conhecedores do precioso néctar, fazem paragem obrigatória. Os carros de alta cilindrada, ali estacionados, são reveladores! 
Em pleno coração do Dão, o enoturista tem a possibilidade de visitar as vinhas, a adega e realizar uma prova de vinhos. 
Como não somos dados a esses eflúvios etílicos, ficámo-nos pela visita ao local e degustámos um café quente.
Outros espaços, outras visitas ficarão para a próxima escapadela. Este país tem encanto em qualquer recanto apesar de dizerem que a beleza está nos olhos de quem vê!

06.06.2017

Comentários