O milagre dos picarotos





Com a visita a São Miguel, Açores, este nosso paraíso no meio do oceano tem sido motivo de várias conversas sobre as paisagens únicas que tão tardiamente tivemos oportunidade de conhecer. Eu e a Lita regressámos com os Açores no coração, apesar do pouco que pudemos usufruir. E logo imaginámos que haveríamos de voltar um dia para pôr pé noutras ilhas de belezas semelhantes que sempre atraíram turistas e viajantes que não se cansam de cantar loas a tais maravilhas. Esta nossa viagem em junho ficou a dever-se ao nosso filho João Paulo que lecionou em três ilhas: São Jorge, Terceira e São Miguel.
Depois de nós seguiu-se o nosso filho Pedro que, em agosto,  estacionou em São Miguel e passou pela Terceira. E  de tal modo gostou que neste abril voltou para conhecer mais ilhas: S. Jorge, Faial e Pico. Obviamente, regressou encantado. E quem sabe se não programará um outro périplo para ficar a conhecer o arquipélago que anda nas bocas do mundo à conta das suas verdejantes ou inóspitas paisagens de lava morta, onde o horroroso-belo nos enche a alma e nos leva a viajar ou a sonhar com milénios do passado. 
O suplemento Fugas do PÚBLICO ofereceu aos seus leitores, ontem, um texto de Pedro Garcias, intitulado Elogio do vinho, que nos transporta até ao Pico, para deleite de quem gosta dos Açores. Logo a abrir diz: «Quem gosta de vinhos e de vinhas tem que ir ao Pico.» Eu gostaria de ir, é verdade, mas as minhas pernas, cansadas e gastas, não me autorizam. Mas nem por isso deixo de recomendar a leitura desse desafio de Pedro Garcias. Não sou invejoso…nunca fui.

Fernando Martins

Nota: As fotos são de Pedro Martins

Comentários