O Padre Américo


Ontem fui ao Hospital Padre Américo, em Penafiel, para visitar um amigo ali internado há umas semanas. Confirmei que a sua saúde está a torná-lo num guerreiro na luta para voltar à vida do dia a dia. Digo guerreiro pela coragem com que enfrentou a situação difícil por que passou. De sorriso permanente, apesar decerto de algum sofrimento, senti o carinho com que os familiares, filhos e netos, o mimoseavam. A forma terna como o beijavam, as palavras doces que lhe dirigiam e a ternura com que o acariciavam estarão naturalmente a encher-lhe a alma e a reforçar-lhe o corpo para um dia destes regressar a casa. Assim espero.

À entrada do Hospital que tem o nome de Padre Américo, não pude deixar de recordar um homem que muito apreciei desde a minha juventude. Américo de Aguiar, já adulto, resolveu um dia ser padre. Alguns não acreditaram que viesse a ser o que foi: Um homem que se deu, de corpo e alma inteiros, sem preconceitos nem desânimos, aos mais pobres dos pobres. Uma vida inteira e cheia de amor. A Casa do Gaiato acolheu os rapazes da rua, mas o Padre Américo não se ficou por aí. Olhou à volta e viu homens e mulheres com doenças incuráveis e sem quem deles tratasse. Mas ele não lhes virou as costas. 

A sua passagem por este nosso mundo tão belo, mas também com tanto sofrimento e amarguras, deixou marcas de amor para partilhar. Não haverá amor sem partilha. E o processo do conhecimento canónico para a sua beatificação, aberto em 1986, estará perdido em alguma gaveta da Cúria Romana. Se este homem não merece as honras dos altares… quem as merecerá? 

Fernando Martins 

Comentários