IGREJA AVEIRENSE - Para formar e informar


Recebi a revista “Igreja Aveirense” e já li muito do que ali vem publicado. A revista é trabalho da Comissão Diocesana da Cultura e completou o Ano XII da sua edição, sob a direção de Georgino Rocha, um padre do presbitério da Diocese de Aveiro, com larga experiência no âmbito da cultura, da pastoral e da docência, para além de outras tarefas do foro sacerdotal, e não só.
Com uma tiragem de apenas 325 exemplares, a revista não chega à grande maioria dos católicos da Diocese de Aveiro, apesar do muito que diz, formando e informando, sobre os trabalhos e preocupações de âmbito diocesano, nomeadamente dos serviços, clero, arciprestados e paróquias, instituições, santuários, movimentos e obras de apostolado, mas ainda da vida consagrada, publicações, efemérides, e pessoa notável. Neste capítulo, é evocada, com sentido de oportunidade, a nossa D. Maria da Luz Rocha, falecida recentemente.
A revista, de publicação semestral, abre sempre, como desde a primeira hora, com mensagens, notas pastorais, homilias, entre outros escritos ou intervenções do bispo diocesano, D. António Moiteiro, dando assim oportunidade a que os leitores fiquem a par do que diz e faz o prelado aveirense na sua passagem pelos diversos arciprestados e paróquias.
Georgino Rocha sublinha na Apresentação que «A Porta Santa que se abre e fecha no Ano Jubilar da Misericórdia constitui um símbolo qualificado da missão da Igreja: fazer viver a comunhão com Deus e reforçar a missão que lhe está confiada de ser testemunho do amor compassivo de Jesus Cristo. Apesar da sua fragilidade, a Igreja, animada pelo Espírito Santo, mobiliza as suas energias para ser fiel». E disso dá conta a “Igreja Aveirense”, na esperança de perpetuar, no tempo possível, na vida dos crentes, marcas indeléveis do Ano Jubilar da Misericórdia. Nesse sentido, o diretor da revista frisa: “É a hora de dar espaço à imaginação a propósito da misericórdia para dar vida a muitas obras novas, fruto da graça. A Igreja precisa de narrar hoje aqueles ‘muitos outros sinais’ que Jesus realizou e que «não estão escritos», de modo que sejam expressão eloquente da fecundidade do amor de Cristo e da comunidade que vive d’Ele, exorta o Papa Francisco.”
Bom seria que todos os católicos, clérigos e leigos, com responsabilidade pastorais ou outras, tivessem acesso à revista “Igreja Aveirense”, fonte de comunhão e de partilha de saberes, experiências e vivências.

Fernando Martins

Comentários