“Gafanha… Crianças de antanho e suas vivências”

Autógrafos para crianças que colaboraram na festa
A mesa convidados da autora

Crianças bem ensaiadas pela Cláudia 

Autógrafo para Domingos Cardoso

“Gafanha… Crianças de antanho e suas vivências” é o mais recente trabalho de Maria Teresa Filipe Reigota, natural da Gafanha da Nazaré e residente na Gafanha da Boavista. É uma obra que vem na sequência de “Gafanha… O que ainda vi, ouvi e recordo” (2009) e “Gafanha… retalhos do passado” (2013). Todos para memória futura, com retratos, tradições, saberes e sabores que a autora soube recolher e partilhar, despertando os nossos sentidos para a descoberta do povo que somos com as marcas indeléveis do passado, rumo ao futuro.
«Este livro é uma lufada de ar fresco que nos faz recuar no tempo, um tempo que já foi e que pode voltar a ser se os pais e as mães de hoje o quiserem», afirmou Miguel Almeida, da Federação do Folclore Português, na apresentação deste trabalho da Teresa Reigota, no sábado, 22 de abril, no teatro da Vista Alegre, num ambiente emoldurado por crianças que brincaram, ao jeito de outras eras, bem ensaiadas por Cláudia Reigota, filha da autora.
Miguel Almeida considerou esta obra «um autêntico manual da criança», mas ainda um «convite a uma viagem no tempo cujo caminho é de sentido único» tendo em conta «paragens obrigatórias em alegres apeadeiros de lugares e sítios onde os versos saltar, inventar, escutar, correr, adivinhar, esconder, jogar, tocar, cantar e dançar são entremeados por risos alegres e cristalinos». 
Paulo Costa, vereador do pelouro da cultura da Câmara Municipal de Ílhavo, agradeceu à Cláudia, aos alunos e seus pais, a oferta a todos os presentes de jogos e brincadeiras do passado, «divertindo-nos também a nós». Adiantou que, «se há coisa que é comum às crianças do mundo inteiro,  é o brincar; algo de que o ser humano precisa». Felicitou, por isso, Teresa Reigota  pelo seu empenho na área da cultura.
João Campolargo, presidente da Junta de Freguesia de São Salvador, disse que não há palavras que possam medir o tamanho das expressões que a autora apresenta nos seus livros, agradecendo o contributo que a Teresa Reigota tem dado no âmbito do Rancho Regional da Casa do Povo de Ílhavo, de que foi fundadora com seu marido, João Fernando Reigota. 
Em Nota da Autora, a investigadora, professora do agora Ensino Básico durante bons anos, garantiu que as crianças dos nossos dias «quase nem têm tempo de o ser». E frisou: «usam o computador, vão para a escolinha já de telemóvel na bolsa, jogam playstation entre outras dádivas do progresso.»
Lembrou o passado que não volta, confessando que sente «saudades da pureza e da simplicidade» da sua meninice feliz, «quando corria, pulava e chapinhava nas poças da rua, formadas pela água da chuva — as “labacheiras”, palavra usada pelo povo». 
Teresa Reigota dedicou este trabalho aos seus filhos, Cláudia e Joel, «gafanhões de gema e que amam de verdade a Gafanha, seu torrão natal». E informou que o produto da venda do livro reverterá para o Rancho Regional, afinal «um outro filho».
Dos três capítulos destacamos a localização das suas pesquisas e recolhas, as crianças desde o nascimento, canções de embalar, dias festivos, tarefas familiares e escolares, o que vestiam e comiam, mas ainda como se divertiam e brincavam.
“Gafanha… Crianças de antanho e suas vivências” vem enriquecido com um CD que reproduz cantares e modinhas de há décadas. Trata-se, realmente, de um livro que é uma viagem retrospetiva para os mais velhos, mas muito útil também para os mais novos ficarem a conhecer os alicerces da sociedade atual. 

Fernando Martins

Comentários