Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2017

Um poema de Sophia para este domingo

Imagem
NAVIO NAUFRAGADO

Vinha de um mundo
Sonoro, nítido e denso.
E agora o mar o guarda no seu fundo
Silencioso e suspenso.

É um esqueleto branco o capitão,
Branco como as areias,
Tem duas conchas na mão
Tem algas em vez de veias
E uma medusa em vez de coração.

Em seu redor as grutas de mil cores
Tomam formas incertas quase ausentes
E a cor das águas toma a cor das flores
E os animais são mudos, transparentes.

E os corpos espalhados nas areias
Tremem à passagem das sereias,
As sereias leves de cabelos roxos
Que têm olhos vagos e ausentes
E verdes como os olhos de videntes.

Sophia de Mello Breyner Andresen

In “Dia do Mar”

Nota: Por sugestão do Caderno Economia do EXPRESSO

Infernos não faltam

Imagem
Crónica de Frei Bento Domingues no PÚBLICO

Fátima dá uma imagem do catolicismo português que não corresponde à reforma desencadeada pelo Papa Francisco. Falta-lhe ser o centro da nossa evangelização.

1. Pesadelos do Inferno, evidências do Purgatório e tristezas do Limbo faziam parte da paisagem religiosa da minha infância. As Alminhas do Purgatório habitavam em dois nichos na minha aldeia. Suscitavam devoção e reciprocidade: “Vós, que ides passando, lembrai-vos de nós que estamos penando.” As pessoas lembravam-se e, para tudo o que precisavam, a elas recorriam, sabendo que aliviavam as suas penas. Em favor delas não podiam fazer nada, mas, quando invocadas com promessas cumpridas, eram uma fonte de graças para todas as ocasiões. Não desempregavam Santo António ou S. Bento da Porta Aberta, mas estavam mais à mão. As esmolas que recolhiam serviam para mandar dizer missas pelas mais abandonadas. Eram Alminhas pintadas. Um dos nichos ficou muito estragado e foi pedido a um habilidoso de m…

Freitas do Amaral: Um relance sobre a história de Portugal

Imagem
Somos o país europeu com as fronteiras definidas há mais tempo

«Estou convencido que a entrega pura e simples de Olivença a Portugal não vai acontecer, mas se tivermos habilidade e engenho nós poderemos conseguir, a exemplo de outras situações, aquilo que se chama um condomínio internacional, isto é, um condomínio entre Portugal e Espanha», afirmou Freitas do Amaral na conferência que proferiu na quinta feira, 27 de abril, no salão anexo à igreja matriz da Gafanha da Nazaré. A iniciativa partiu da Universidade Sénior do Centro Social Paroquial Nossa da Nazaré, com coordenação de Disciplina História e Comunicação. Freitas do Amaral, conhecido político e catedrático de áreas ligadas ao Direito, apresentou um relance sobre a História de Portugal, partindo das fronteiras terrestres que nos separam do país vizinho, que saíram do tratado de Alcanizes, celebrado entre Portugal e Castela, em 1297, sendo rei D. Dinis. E sublinhou que «somos o país europeu com as fronteiras definidas há mais te…

Dia do Trabalhador na Senhora dos Campos

Imagem
Como reza a tradição, o Município de Ílhavo vai celebrar o 1.º de Maio, Dia do Trabalhador, na Senhora dos Campos. Trata-se de uma organização da CMI, ADCR Senhora dos Campos, Rancho Regional da Casa do Povo de Ílhavo e Junta de Freguesia de São Salvador. Do programa constam diversas iniciativas de âmbito cultural, desportivo e lúdico, de que destacamos o Festival de Folclore Primavera. Também, como diz a tradição, a nossa gente vive esta festa com alegria a rodos, não  faltando uns bons petiscos bem regados, o convívio franco,  a cultura da partilha e as festas espontâneas. É mesmo um dia para manter viva a chama da amizade.  Bom feriado para todos.

Espelho d´Água vai mostrar a nossa região

Imagem
Nova telenovela da SIC tem como cenário principal o Município de Ílhavo

A nova telenovela da SIC vai ter como cenário principal o Município de Ílhavo, como anuncia a Câmara Municipal e já foi tornado público por aquela estação televisiva. Não conheço a história, mas deve ser mais uma telenovela que prende à televisão imensa gente por Portugal inteiro, agora ainda mais, certamente, na região ilhavense e arredores. Começa na segunda feira, 1 de maio, no horário nobre. Como é que a nossa terra entrou neste mundo das telenovelas? É simples de compreender, tanto quanto julgo saber. Trata-se, obviamente, segundo informa a autarquia, de uma aposta na «promoção e valorização do património cultural, etnográfico e artístico do município, nomeadamente no que diz respeito à pesca do bacalhau».  Também já se sabe que no elenco de Espelho d'Água há atores conhecidos, em especial Mariana Pacheco, Luísa Cruz, João Ricardo, Luciana Abreu, Ricardo Carriço, João Mota, Inês Curado, Vítor Silva Costa …

Rostos da Solidão na Fábrica das Ideias

Imagem
Amanhã, 29, pelas 15h30, na Fábrica das Ideias (ex-Centro Cultural da Gafanha da Nazaré), vai abrir ao público uma exposição com tema inédito: “Rostos da Solidão”. Em nota da Câmara Municipal de Ílhavo, lê-se que esta mostra tem em consideração «o facto de o processo de envelhecimento e a solidão infelizmente se encontrarem muitas vezes associados».  O fotógrafo convidado, Ricardo Lima, registou «momentos e sentimentos de solidão no mais íntimo reduto da vida das pessoas mais velhas do Município de Ílhavo», pelo que ouso alertar o nosso povo, ílhavos e gafanhões, para uma visita atenta. Estou certo de que ali há motivos mais do que suficientes para uma reflexão que nos leve à ação. É que, se é verdade que há solidões desejadas, também as haverá forçadas.

 Fonte: CMI
Foto: CMI

O que eu penso sobre Fátima (1)

Imagem
Crónica de Anselmo Borges  no DN


Antes de entrar no tema propriamente dito, quero deixar três notas prévias, que devo ao leitor. A primeira, para dizer que, a pedido da revista internacional Concilium, escrevi, de modo mais organizado, um texto sobre Fátima, a publicar no mês de Junho. A segunda, mais importante, para esclarecer que fui ordenado padre em Fátima pelo cardeal Cerejeira e que, sempre que lá vou para fazer conferências, passo pela Capelinha das Aparições e ali rezo como tantos outros. Depois, à pergunta se vou a Fátima por causa da vinda do Papa respondo que não, porque não gosto de confusões e penso que os responsáveis da Igreja deveriam prevenir as pessoas, pois correm o risco de uma imensa desilusão, já que muitas dificilmente verão o Papa. Prestado este preâmbulo, o tema.

O Ressuscitado caminha connosco ao ritmo da vida

Imagem
Reflexão de Georgino Rocha


Jesus persiste em recorrer a mediações humanas para mostrar a novidade da sua vida de ressuscitado, após a morte. Lucas, o narrador do episódio de Emaús, apresenta-o como caminhante junto de dois discípulos que rumavam àquela povoação. Esmorecidos e frustrados. Ao cair da tarde. Ao terminar do dia. Ao chegar a noite. Símbolos expressivos da agonia da esperança que lhes ia roendo o coração. Símbolos da disposição de tantos corações surpreendidos perante o insucesso provisório das suas opções de vida. Lc 24, 13-35.
O Papa Francisco, na audiência geral do passado dia 26, reconhece-o e afirma que: “A nossa existência é uma peregrinação, temos uma alma migrante. Somos um povo de caminhantes, tendo Jesus por companheiro de viagem: «Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos». Assim quis Ele assegurar-nos de que não Se limita a esperar-nos lá no fim da nossa viagem, mas já nos acompanha em cada um dos nossos dias”. Grande certeza que nos consola.
A distância…

25 de Abril de 1974 — O Grito da Liberdade

Imagem
Ao contrário do que alguns pensam, é sempre oportuno e necessário evocar a revolução dos cravos, que permitiu, com natural heroísmo, mas também com alegrias incontidas, oferecer a liberdade aos portugueses, muitos deles sem nunca a terem sentido e experimentado. E é oportuno e necessário, porque a liberdade pode correr o risco de se perder, levada pela nossa incúria e pela voracidade de ditadores em potência, que pululam por aí.  Não falta quem vista a camisola contra o 25 de abril, contra as amplas liberdades, contra o atraso económico, contra as injustiças sociais, contra a corrupção e contra a fome que grassa em cada canto deste país “à beira mar plantado”. São protestos com razão, é certo, porque 43 anos são tempo que baste para erradicar as injustiças, mas também é verdade que na sociedade que eu respirei na meninice e na juventude o atraso económico e social era notório. Hoje, apesar de tudo, contrariando os céticos, a sociedade está muito melhor do que antes da revolução. Ante…

Rosto de misericórdia – DIÁCONO AUGUSTO SEMEDO

Imagem
Na página da Comissão Diocesana da Cultura da Diocese de Aveiro, na rubrica Rostos de Misericórdia, é apresentado um amigo que muito estimo, Diácono Augusto Semedo, pela sua ação na sociedade humana e eclesial a vários níveis. O texto é da autoria de Georgino Rocha, presbítero da Igreja aveirense, que me apraz aplaudir pela oportunidade de que se reveste.  Augusto Semedo está em fase de demorada recuperação de um AVC que sofreu. Todos os seus amigos, que muitos são, sabem que o Diácono Semedo é um homem corajoso, paciente e determinado, o que nos garante que voltará à vida normal, com destaque para a sua intervenção junto dos feridos da vida. Foi sempre essa a sua grande paixão, social e eclesial. E há de continuar a ser, porventura agora pela oração, pelo testemunho consciente e pela palavra sempre pronta para o conselho oportuno e fraterno.
Ler mais aqui

“Gafanha… Crianças de antanho e suas vivências”

Imagem
“Gafanha… Crianças de antanho e suas vivências” é o mais recente trabalho de Maria Teresa Filipe Reigota, natural da Gafanha da Nazaré e residente na Gafanha da Boavista. É uma obra que vem na sequência de “Gafanha… O que ainda vi, ouvi e recordo” (2009) e “Gafanha… retalhos do passado” (2013). Todos para memória futura, com retratos, tradições, saberes e sabores que a autora soube recolher e partilhar, despertando os nossos sentidos para a descoberta do povo que somos com as marcas indeléveis do passado, rumo ao futuro. «Este livro é uma lufada de ar fresco que nos faz recuar no tempo, um tempo que já foi e que pode voltar a ser se os pais e as mães de hoje o quiserem», afirmou Miguel Almeida, da Federação do Folclore Português, na apresentação deste trabalho da Teresa Reigota, no sábado, 22 de abril, no teatro da Vista Alegre, num ambiente emoldurado por crianças que brincaram, ao jeito de outras eras, bem ensaiadas por Cláudia Reigota, filha da autora. Miguel Almeida considerou es…

O Padre Américo

Imagem
Ontem fui ao Hospital Padre Américo, em Penafiel, para visitar um amigo ali internado há umas semanas. Confirmei que a sua saúde está a torná-lo num guerreiro na luta para voltar à vida do dia a dia. Digo guerreiro pela coragem com que enfrentou a situação difícil por que passou. De sorriso permanente, apesar decerto de algum sofrimento, senti o carinho com que os familiares, filhos e netos, o mimoseavam. A forma terna como o beijavam, as palavras doces que lhe dirigiam e a ternura com que o acariciavam estarão naturalmente a encher-lhe a alma e a reforçar-lhe o corpo para um dia destes regressar a casa. Assim espero.
À entrada do Hospital que tem o nome de Padre Américo, não pude deixar de recordar um homem que muito apreciei desde a minha juventude. Américo de Aguiar, já adulto, resolveu um dia ser padre. Alguns não acreditaram que viesse a ser o que foi: Um homem que se deu, de corpo e alma inteiros, sem preconceitos nem desânimos, aos mais pobres dos pobres. Uma vida inteira e ch…

Metamorfoses pascais do desejo (2)

Imagem
Crónica de Frei Bento Domingues no PÚBLICO 

«Ao fim desta Quaresma, da Semana Santa e da Oitava da Páscoa, há um sabor amargo: tirando o Papa, quem, no mundo católico, nas dioceses, nas paróquias, nos conventos, se levantou contra os sinais de guerra que marcam o mapa do mundo? Repetiu-se: estar com o Papa é estar com a Igreja. Isto era quando os Papas não se comoviam com as dores dos mais feridos.»
1. O filósofo Bertrand Russel não foi muito original ao destacar que os dois grandes desejos humanos são o poder e a glória. Podem realizar-se pelos caminhos da ilimitada vontade de dominação económica, política e religiosa ou pelo desenvolvimento dos próprios talentos em função da vontade de criar condições para que tenham todos iguais oportunidades. Em Portugal, a julgar pelas aparências, o grande desejo de poder e glória, de pais e filhos, é que ganhe o clube da sua paixão. Os mais devotos têm sempre os caminhos de Fátima à disposição. Se aparecer um Papa, é o segredo da glória, o desej…

A coragem de Fernando Pessoa

Imagem
Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo, e posso evitar que ela vá à falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma.
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida. Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um “não”. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.
Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo…

JESUS ESTÁ VIVO NO MEIO DE NÓS

Imagem
Reflexão semanal de Georgino Rocha

Jesus ressuscitado realiza várias iniciativas para desvendar aos discípulos, e por eles, a toda a humanidade, a novidade do seu ser e do seu agir. Encontros pessoais e comunitários, marchas e refeições, diálogos e provações. Presenças surpreendentes, ausências súbitas e apresentação das cicatrizes da paixão. Hoje, o relato do Evangelho oferece-nos uma “amostra” de algumas destas iniciativas que realçam a sua divina misericórdia. (Jo 20, 19-31). A desolação dos discípulos contrasta fortemente com a coragem de Jesus ressuscitado. Eles, amedrontados, estão refugiados em casa trancada, a temerem o que lhes podia acontecer na sequência da condenação do seu Mestre. Este, destemido, apresenta-se no meio deles, sereno e ousado, e saúda-os amigavelmente, desejando-lhes a paz. O contraste não pode ser mais radical e provocador. A atitude de Jesus surpreende-os completamente e deixa-os expectantes. Eles ainda não o haviam reconhecido. Que carga de medo inibidor…

IGREJA AVEIRENSE - Para formar e informar

Imagem
Recebi a revista “Igreja Aveirense” e já li muito do que ali vem publicado. A revista é trabalho da Comissão Diocesana da Cultura e completou o Ano XII da sua edição, sob a direção de Georgino Rocha, um padre do presbitério da Diocese de Aveiro, com larga experiência no âmbito da cultura, da pastoral e da docência, para além de outras tarefas do foro sacerdotal, e não só. Com uma tiragem de apenas 325 exemplares, a revista não chega à grande maioria dos católicos da Diocese de Aveiro, apesar do muito que diz, formando e informando, sobre os trabalhos e preocupações de âmbito diocesano, nomeadamente dos serviços, clero, arciprestados e paróquias, instituições, santuários, movimentos e obras de apostolado, mas ainda da vida consagrada, publicações, efemérides, e pessoa notável. Neste capítulo, é evocada, com sentido de oportunidade, a nossa D. Maria da Luz Rocha, falecida recentemente. A revista, de publicação semestral, abre sempre, como desde a primeira hora, com mensagens, notas pas…

A revolução de Francisco: irreversível?

Imagem
Crónica de Anselmo Borges no Diário de Notícias

1 A propósito do meu livro sobre o Papa Francisco: Francisco: Desafios à Igreja e ao Mundo, que acaba de ser publicado, e a partir de debates provocados por ele, muitos me têm feito a pergunta em epígrafe: será a revolução de Francisco irreversível?
2 Antes de mais, em que consiste esta revolução? Diria que ela tem várias vertentes, distinguindo concretamente duas: uma mais imediatamente para dentro da Igreja e outra para fora, embora seja perfeitamente pertinente perguntar se ainda faz sentido este "dentro" e o "fora".
3 A revolução da Igreja dentro dela própria é, acima e antes de tudo, a conversão, isto é, tentar fazer que os católicos, a começar pelos cardeais, bispos, padres, se convertam ao Evangelho de Jesus. De facto, o fascínio deste Papa vem daí: do facto de ele se comportar como Jesus enquanto revelação do Deus que é Pai e Mãe e cujo nome é Misericórdia. Ele vive uma vida simples, humilde, abraça e beija as…

JUVENTUDE: Um estado de alma

Imagem
«A juventude não é um período da vida, mas um estado de alma, um efeito da vontade, uma qualidade da imaginação, uma intensidade emotiva, uma vitória da coragem sobre o amor da comodidade. Ninguém se torna velho por ter vivido um certo número de anos, mas porque se abandonou o próprio ideal. Os anos traçam sulcos no corpo e enrugam a pele, a renúncia ao ideal marca-os na alma.» Em muitos casos está, relegado para um qualquer canto, o álbum ou a caixa de fotografias. Percorrer as mais amareladas pelo tempo cria uma sensação de melancolia: os rostos perfeitos, frescos, sorridentes do passado deram lugar à impiedosa verdade do espelho em que esses mesmos rostos se refletem hoje.»
Card. Gianfranco Ravasi
Presidente do Conselho Pontifício da Cultura
Ler mais aqui 

Pastorinhos vão ser canonizados em Fátima no dia 13 de maio

Imagem
«O Papa Francisco anunciou hoje no Vaticano que vai presidir à canonização de Francisco e Jacinta Marto em Fátima, no dia 13 de maio, anunciou o Santuário português, em comunicado enviado à Agência ECCLESIA. Os dois pastorinhos de Fátima tornam-se assim nos mais jovens santos não-mártires da história da Igreja Católica. A decisão sobre o local e data da canonização foi tomada hoje num Consistório Público, reunião formal de cardeais, realizada no Palácio Apostólico do Vaticano.»
Ler mais aqui 

Gafanha da Nazaré — Cidade há 16 anos

Imagem
Com as redes de águas pluviais e residuais na Chave, em fase de arranque, numa parceria entre a CMI e a AdRA (Águas da Região de Aveiro. SA), que importam em 660 mil euros, mais IVA, a Gafanha da Nazaré vai ser a primeira freguesia do concelho de Ílhavo com saneamento a 100 por cento, afiançou Fernando Caçoilo, presidente da Câmara, nas celebrações do 16.º aniversário da elevação a cidade da nossa terra. Esta realidade foi corroborada por Manuel Fernandes Thomaz, presidente do conselho de administração da AdRA, presente na sessão, que teve lugar no Casa da Música, presentemente em obras de conclusão.  Fernandes Thomaz adiantou que esta obra coloca a Gafanha da Nazaré numa posição bastante invejável, mesmo «em termos nacionais». Entretanto, valorizou a importância do saneamento, como «essencial para a qualidade de vida das populações». O presidente da AdRA garantiu que as pessoas e as famílias «anseiam pela rede», mas depois das obras concluídas «resistem a fazer as ligações», sendo c…

“ÍLHAVO, Terra Milenar” - Monografia do Município

Imagem
A história de um povo nunca está totalmente escrita 

«O peso deste livro é sinónimo claro do peso do nosso município, da grandeza do nosso município», afirmou Fernando Caçoilo, presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, no lançamento da obra “ÍLHAVO, Terra Milenar”, na segunda-feira de Páscoa, 17 de abril, feriado municipal. A sessão decorreu na Casa da Cultura, antecedendo o concerto pela Banda Sinfónica da Guarda Nacional Republicana. O autarca ilhavense sublinhou que «este livro é marca que fica para além das “modernices” da era digital». Agradeceu a quantos nele colaboraram, «com um abraço do tamanho do nosso farol», e referiu que este «é um excelente projeto que ficará para a história». «Não há dinheiro que o pague!», disse.
Paulo Costa, vereador do pelouro da Cultura da CMI e Diretor Executivo do projeto que culminou com a edição da obra de 600 páginas, afirmou que “ÍLHAVO, Terra Milenar” se assumiu como «uma motivação, um espaço de encontro e discussão para todos aqueles que tiv…

Ílhavo celebrou o seu feriado municipal

Imagem
Segunda-feira de Páscoa é dia de feriado municipal, com distinções atribuídas a personalidade e instituições relevantes no contexto concelhio. Será, porventura, o momento mais expressivo, porque qualquer sociedade precisa de exemplos a seguir no dia a dia. Mas também é importante que os autarcas e partidos com assento na Assembleia Municipal sublinhem o que de bom foi feito durante o ano, abrindo ainda portas a novos horizontes para um concelho em crescimento. A abrir a sessão, um jovem executante protagonizou um bom momento musical. Ana Maria Lopes e Valdemar Aveiro receberam medalhas de Mérito Cultural em Prata e a Vasco Lagarto foi atribuída a Medalha do Concelho em Vermeil. Os Centros Sociais Paroquiais de Nossa Senhora da Nazaré e da Gafanha da Encarnação receberam Medalhas do Concelho em Vermeil. Para o Grupo de Teatro Ribalta foi a Medalha de Mérito Cultural em Prata, pelos 25 anos de atividade, e para ao Novo Estrela da Gafanha da Encarnação (NEGE) foi a Medalha de Vermeil, p…

"Das visões dos pastorinhos à visão cristã"

Imagem
«Tema "delicado e melindroso" lhe chamou diversas vezes o primeiro estudioso dos factos ocorridos em Fátima, o Cónego Formigão. As visões da Cova da Iria são assunto secundário e periférico na dimensão da fé cristã e simultaneamente importante na intensificação e dinamismo da vida espiritual de tantos católicos. Escrever sobre tal matéria corre riscos de gerar irritação em olhares fundamentalistas ou insatisfação em críticos radicais. Isso não me amedronta.»
São estas palavras que abrem a introdução do livro "Fátima - Das visões dos pastorinhos à visão cristã", de Carlos A. Moreira Azevedo, recentemente publicado pela editora A Esfera dos Livros, obra que apresenta «uma releitura crítica sobre o fenómeno das visões ocorridas na Cova da Iria há 100 anos, partindo da situação sociocultural de Portugal e da Europa e da realidade familiar e psicológica das personalidades envolvidas», assinala a sinopse.
Nota: Para uma leitura oportuna e decerto muito interessante. Li aqu…

Páscoa de 2017... E a tradição cumpriu-se

Imagem
Páscoa de 2017. Páscoa da Ressurreição de Jesus Cristo. Páscoa de vida nova para a civilização do amor. Páscoa de renascimento para um homem renovado. Páscoa da alegria alicerçada na Boa Nova. Páscoa para a libertação do homem escravizado por valores sem sentido. Páscoa para glória de Deus! Como manda a tradição, o anúncio da alegria da ressurreição de Jesus Cristo chegou à nossa casa às 9h30. Uma saudação fraterna, um cântico, uma oração, votos de feliz e santa Páscoa. E a marcha continua… Apenas eu e a Lita pudemos estar presentes. Os filhos e netos, com as suas vidas, estiveram apenas nos nossos corações. Sempre presentes, afinal.
Votos de santa Páscoa para todos os nossos amigos.

Lita e Fernando

Metamorfoses pascais do desejo (1)

Imagem
«Um Deus que não é a alegria da vida não é Deus. É um ídolo criado para justificar a dominação económica, política e religiosa.»

1. Os textos do Novo Testamento (NT) não foram encomendados ou ditados, corrigidos por Jesus Cristo. Surgiram em comunidades cristãs, depois da sua morte, para mostrar que o processo que O vitimou não podia ser arquivado. A coligação das autoridades romanas e judaicas, ao contrário das aparências, sob a capa de um julgamento, de facto, tinha decretado o assassinato de um inocente em nome de Deus e do Império [1]. Os autores do NT, ao reabrirem o processo, não pretendiam rever uma questão jurídica do passado, mas testemunhar que estavam completamente enganados os que julgavam que o Nazareno e as suas propostas tinham uma pedra em cima, para sempre. Estava em curso, até ao fim dos tempos, a passagem agitada para uma nova era. Era difícil o caminho da realização da esperança. Mesmo depois da ressurreição, até os discípulos mais chegados, continuavam a alimentar…

ALELUIA DE HANDEL

Imagem

FELIZES OS PACÍFICOS

Imagem
felizes

felizes os pacíficos, que suspendem a violência
e reparam as redes de logradas fainas
(ai a guerra, mãe da pobreza e irmã da morte)

felizes os que aos olhos do mundo
passam por inútil carga social ou rendimento zero
e que escondidamente participam da alegria
que aligeira a vida
(ai aqueles que a sede de poder afoga)

felizes os pobres de alguma pobreza boa
felizes os que lavam as feridas e vivem com os cegos
honrando neles o fundo de humanidade
que lhes é comum

felizes os que nas situações-limite
decidem da singularidade do fazer, da urgência
felizes os que, excluídos, despojados de qualquer imagem
no documento mortal pregado na cruz
inscrevem os seus corpos

felizes os que, intacta, guardam a sensibilidade
à injustiça, apegados só à força da Palavra que cura

felizes os que não pactuam com os anjos
escuros da morte total
nem desculpam os «erros humanos»
das nossas sociedades sem olhos
(ai os que no inferno climatizado sobrevivem
ai o terror mole do dia a dia sobre os ombros)

felizes os que, à imagem de D…