domingo, 30 de abril de 2017

Um poema de Sophia para este domingo




NAVIO NAUFRAGADO

Vinha de um mundo
Sonoro, nítido e denso.
E agora o mar o guarda no seu fundo
Silencioso e suspenso.

É um esqueleto branco o capitão,
Branco como as areias,
Tem duas conchas na mão
Tem algas em vez de veias
E uma medusa em vez de coração.

Em seu redor as grutas de mil cores
Tomam formas incertas quase ausentes
E a cor das águas toma a cor das flores
E os animais são mudos, transparentes.

E os corpos espalhados nas areias
Tremem à passagem das sereias,
As sereias leves de cabelos roxos
Que têm olhos vagos e ausentes
E verdes como os olhos de videntes.

Sophia de Mello Breyner Andresen

In “Dia do Mar”

Nota: Por sugestão do Caderno Economia do EXPRESSO

Infernos não faltam


Crónica de Frei Bento Domingues no PÚBLICO


Fátima dá uma imagem do catolicismo português que não corresponde à reforma desencadeada pelo Papa Francisco. Falta-lhe ser o centro da nossa evangelização.

1. Pesadelos do Inferno, evidências do Purgatório e tristezas do Limbo faziam parte da paisagem religiosa da minha infância. As Alminhas do Purgatório habitavam em dois nichos na minha aldeia. Suscitavam devoção e reciprocidade: “Vós, que ides passando, lembrai-vos de nós que estamos penando.” As pessoas lembravam-se e, para tudo o que precisavam, a elas recorriam, sabendo que aliviavam as suas penas. Em favor delas não podiam fazer nada, mas, quando invocadas com promessas cumpridas, eram uma fonte de graças para todas as ocasiões. Não desempregavam Santo António ou S. Bento da Porta Aberta, mas estavam mais à mão. As esmolas que recolhiam serviam para mandar dizer missas pelas mais abandonadas.
Eram Alminhas pintadas. Um dos nichos ficou muito estragado e foi pedido a um habilidoso de muitas artes, que periodicamente passava por lá, para o repintar. Perguntou: querem ver as Alminhas a irem para o céu ou a continuarem no Purgatório? É claro, a irem para o céu. Veio um Inverno rigoroso e a pintura desapareceu. O pintor não aceitou a queixa acerca da má qualidade das tintas. Tinham ido todas para o céu.
O Inferno era outra história. Por tudo e por nada, uma mãe zangada com os filhos (ou até com o gado), juntamente com um palavrão, exclamava: metes-me a alma no Inferno! Não era grave. Grave, muito grave, eram os sermões de preparação para o “confesso”: quem não confessasse, com todas as circunstâncias, os pecados mortais e morresse nessa situação, ia direitinho para o Inferno. A alma caía num lago de fogo, atiçado por uma multidão de diabos feios e maus e nunca mais de lá saía. O relógio infernal repetia “sempre, nunca”: aqui entraste, aqui ficas e daqui nunca sairás!
O Inferno era eterno, mais eterno que o infinito amor de Deus que nada podia fazer contra essa Instituição. O diabo tinha vencido o Anjo da Guarda e o próprio Deus.
Para as pessoas de bom senso, não havia lenha para tanta eternidade nem alma que aguentasse tanto fogo! Um bom caminho para a descrença: um deus que fabrica tais enormidades é inacreditável.
O Limbo, nem triste nem alegre, para onde iam as crianças que morriam sem baptismo, era o além mais povoado, não passava de um eterno aborrecimento. Bento XVI encerrou-o sem protestos.

2. Voltei a ler as Memórias da Lúcia de Jesus. O que diz acerca do Inferno não excede o que também eu ouvi em criança: “Nossa Senhora mostrou-nos um grande mar de fogo que parecia estar debaixo da terra. Mergulhados em esse fogo os demónios e as almas, como se fossem brasas transparentes e negras, ou bronzeadas com forma humana, que flutuavam no incêndio, levadas pelas chamas que delas mesmas saiam, juntamente com nuvens de fumo, caindo para todos os lados, semelhante ao cair das faúlhas em os grandes incêndios, sem peso nem equilíbrio, entre gritos e gemidos de dor e desespero que horrorizava e fazia estremecer de pavor. Os demónios distinguiam-se por formas horríveis e asquerosas de animais espantosos e desconhecidos, mas transparentes e negros.” [1] Como sugestão para um filme de terror, não está nada mal. Diz a Lúcia que a Jacinta perguntava: “Porque é que Nossa Senhora não mostra o inferno aos pecadores? […] Às vezes perguntava ainda. Que pecados são os que essa gente faz para ir para o inferno? Não sei, talvez o pecado de não ir à Missa ao Domingo, de roubar, de dizer palavras feias, rogar pragas, jurar. E só assim por uma palavra vão para o inferno? Pois! É pecado. Que lhes custava estar calados e ir à Missa? Que pena que eu tenho dos pecadores, se eu pudesse mostrar-lhes o inferno!” [2]
Passando da Terceira para a Quarta memória, há revelações curiosas. “Então Nossa Senhora disse-nos: não tenhais medo, eu não vos faço mal. De onde é vossemecê? Sou do Céu. E que é que vossemecê me quer?, lhe perguntei. Vim para vos pedir que venhais aqui seis meses seguidos, no dia 13 a esta mesma hora, depois direi quem sou e o que quero. Depois voltarei aqui uma sétima vez. E eu, também vou para o Céu? Sim, vais. E a Jacinta? Também. E o Francisco? Também, mas tem que rezar muitos terços.
“Lembrei-me então de perguntar por duas raparigas que tinham morrido há pouco, eram minhas amigas e estavam em minha casa a aprender a tecedeiras com minha Irmã mais velha. A Maria das Neves já está no Céu? Sim, está. Parece-me que devia ter uns 16 anos. E a Amélia? Estará no Purgatório até ao fim do mundo. Parece-me que devia ter 18 a 20 anos. Quereis oferecer-vos a Deus para suportar todos os sofrimentos que Ele quiser enviar-vos, em acto de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido, e de súplica pela conversão dos pecadores? Sim, queremos. Ides, pois, ter muito que sofrer, mas a graça de Deus será o vosso conforto.” [3]

3. Nossa Senhora mostrou que era uma pessoa muito organizada e pouco supersticiosa com o dia 13. Estou um bocado desapontado com a pouca originalidade das suas revelações e pedidos. Por tudo o que li, parece-me que os Pastorinhos levaram para os locais do seu pastoreio o que rezavam em família, o que aprendiam no catecismo e nas pregações. Deviam ser crianças bastante impressionáveis. A revelação mais extraordinária é, também, a mais incrível: não bastando à Amélia ter sido violada, vir de Nossa Senhora a afirmação de que ficaria no Purgatório “até ao fim do mundo”, é de mais. Isso não se faz!
A edição crítica das Memórias de Lúcia de Jesus, as investigações históricas já realizadas e em curso, vão oferecer um panorama da vida e religiosidade da freguesia de Fátima que irão atenuando os delírios acerca destes fenómenos nomeados como aparições ou como visões.
O que mais falta não é só a revisão crítica da pastoral católica da época. Muitas das suas concepções alojaram-se na história de Fátima. Desamparada, em Portugal, de uma prática crítica de reflexão teológica até ao Vaticano II, e até muito depois, Fátima dá uma imagem do catolicismo português que não corresponde à reforma desencadeada pelo Papa Francisco.
Falta-lhe ser o centro da nossa evangelização, como veremos.

[1] Lúcia de Jesus, Memórias, Edição crítica de Cristina Sobral, Fátima 2016, pp.186-187.
[2] Ib., pp. 188-189.
[3] Ib., pp.230.

sábado, 29 de abril de 2017

Freitas do Amaral: Um relance sobre a história de Portugal






Somos o país europeu com as fronteiras definidas há mais tempo

«Estou convencido que a entrega pura e simples de Olivença a Portugal não vai acontecer, mas se tivermos habilidade e engenho nós poderemos conseguir, a exemplo de outras situações, aquilo que se chama um condomínio internacional, isto é, um condomínio entre Portugal e Espanha», afirmou Freitas do Amaral na conferência que proferiu na quinta feira, 27 de abril, no salão anexo à igreja matriz da Gafanha da Nazaré. A iniciativa partiu da Universidade Sénior do Centro Social Paroquial Nossa da Nazaré, com coordenação de Disciplina História e Comunicação.
Freitas do Amaral, conhecido político e catedrático de áreas ligadas ao Direito, apresentou um relance sobre a História de Portugal, partindo das fronteiras terrestres que nos separam do país vizinho, que saíram do tratado de Alcanizes, celebrado entre Portugal e Castela, em 1297, sendo rei D. Dinis. E sublinhou que «somos o país europeu com as fronteiras definidas há mais tempo». 
Recuando séculos, o orador frisou que já os romanos haviam registado fronteiras semelhantes, com base em critérios naturais, designadamente rios e outros acidentes geográficos.
Evocou a entrada do povo nas cortes, pela primeira vez, no tempo de D. Afonso III, «um grande rei de Portugal», participando nessa assembleia «os homens bons dos concelhos». Isto prova que Portugal foi «o primeiro país europeu, e provavelmente o primeiro país do mundo, que teve o povo a participar nas cortes, o parlamento medieval». «A Inglaterra seguiu essa linha 15 anos depois e França 60 anos depois de nós». E frisou que os homens bons não estavam nas cortes a título meramente consultivo, mas deliberativo, nomeadamente em «matérias financeiras». E a título de curiosidade, informou que no nosso país nunca mais o povo deixou de participar «até vir o absolutismo, com D. Pedro II, D. João V, D. José e D. Maria. Mas voltou na Revolução Liberal e nunca mais deixou de marcar presença nas cortes», disse.
Salientou a crise de 1383–1385 e o papel do povo na escolha de um Rei que iniciou uma nova dinastia, D. João I, que não estaria na linha da sucessão, o que terá acontecido pela primeira vez na Europa. Foi uma dinastia brilhante, pois foi nela que aconteceu o período áureo da nossa história, com os descobrimentos, adiantou o orador. Aliás, o mesmo aconteceu aquando da restauração, em 1640, em que vencemos o poderoso vizinho, com quem lutámos durante 28 anos, estando o povo na linha da frente e na escolha de um rei «que não tinha direito ao trono». 
Não negando a componente comercial e científica dos descobrimentos, Freitas do Amaral salientou a importância da missão espiritual e cultural, com marcas indeléveis nas igrejas, casas, palácios e fortalezas, que perpetuam a presença dos portugueses nos quatro cantos do mundo. Valorizou, naturalmente, a nossa língua que ficou como testemunho do encontro de portugueses com povos sem conta e referiu a presença de inúmeros sacerdotes que foram arquitetos, missionários, professores e médicos em todos os quadrantes.
Freitas do Amaral, que passo a passo evocou a intervenção das populações em tantas circunstâncias, terminou a sua conferência com a escolha dos políticos que mais apreciou, desde o início da nacionalidade. D, Afonso Henriques, o fundador, e D. João II, a figura que mais admira da monarquia, «justamente por ter tido uma visão planetária» e por «tocar com as suas mãos em todas as partes do mundo». 
Da primeira república distinguiu Afonso Costa, seguindo na sua linha de pensamento Oliveira Salazar e Mário Soares. O primeiro e o último, democratas e Salazar, o ditador. Em Salazar viu um estadista no tempo da Guerra Civil de Espanha e na II Grande Guerra. De Mário Soares disse ter sido o melhor político depois do 25 de Abril, pois «ajudou a construir uma democracia estável, já com 43 anos. E se Afonso Costa perseguiu a Igreja, Mário Soares sempre teve em consideração os princípios religiosos do povo português, marca que deixou dentro do seu próprio partido. De tal modo que hoje, um governo de esquerda, apoiado por partidos de esquerda, respeita as convicções do povo. E até concedeu tolerância de ponto no dia 12 de maio para os funcionários públicos poderem participar, se o desejarem, nas cerimónias de Fátima, com o Papa Francisco. 

Fernando Martins

Dia do Trabalhador na Senhora dos Campos



Como reza a tradição, o Município de Ílhavo vai celebrar o 1.º de Maio, Dia do Trabalhador, na Senhora dos Campos. Trata-se de uma organização da CMI, ADCR Senhora dos Campos, Rancho Regional da Casa do Povo de Ílhavo e Junta de Freguesia de São Salvador. Do programa constam diversas iniciativas de âmbito cultural, desportivo e lúdico, de que destacamos o Festival de Folclore Primavera.
Também, como diz a tradição, a nossa gente vive esta festa com alegria a rodos, não  faltando uns bons petiscos bem regados, o convívio franco,  a cultura da partilha e as festas espontâneas. É mesmo um dia para manter viva a chama da amizade. 
Bom feriado para todos. 

Espelho d´Água vai mostrar a nossa região

Nova telenovela da SIC tem como cenário principal o Município de Ílhavo

Atores num cenário da nossa terra

A nova telenovela da SIC vai ter como cenário principal o Município de Ílhavo, como anuncia a Câmara Municipal e já foi tornado público por aquela estação televisiva. Não conheço a história, mas deve ser mais uma telenovela que prende à televisão imensa gente por Portugal inteiro, agora ainda mais, certamente, na região ilhavense e arredores. Começa na segunda feira, 1 de maio, no horário nobre.
Como é que a nossa terra entrou neste mundo das telenovelas? É simples de compreender, tanto quanto julgo saber. Trata-se, obviamente, segundo informa a autarquia, de uma aposta na «promoção e valorização do património cultural, etnográfico e artístico do município, nomeadamente no que diz respeito à pesca do bacalhau». 
Também já se sabe que no elenco de Espelho d'Água há atores conhecidos, em especial Mariana Pacheco, Luísa Cruz, João Ricardo, Luciana Abreu, Ricardo Carriço, João Mota, Inês Curado, Vítor Silva Costa e Mariana Mota. 

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Rostos da Solidão na Fábrica das Ideias


Amanhã, 29, pelas 15h30, na Fábrica das Ideias (ex-Centro Cultural da Gafanha da Nazaré), vai abrir ao público uma exposição com tema inédito: “Rostos da Solidão”. Em nota da Câmara Municipal de Ílhavo, lê-se que esta mostra tem em consideração «o facto de o processo de envelhecimento e a solidão infelizmente se encontrarem muitas vezes associados». 
O fotógrafo convidado, Ricardo Lima, registou «momentos e sentimentos de solidão no mais íntimo reduto da vida das pessoas mais velhas do Município de Ílhavo», pelo que ouso alertar o nosso povo, ílhavos e gafanhões, para uma visita atenta. Estou certo de que ali há motivos mais do que suficientes para uma reflexão que nos leve à ação. É que, se é verdade que há solidões desejadas, também as haverá forçadas.

 Fonte: CMI
Foto: CMI

O que eu penso sobre Fátima (1)

Crónica de Anselmo Borges  no DN



Antes de entrar no tema propriamente dito, quero deixar três notas prévias, que devo ao leitor. A primeira, para dizer que, a pedido da revista internacional Concilium, escrevi, de modo mais organizado, um texto sobre Fátima, a publicar no mês de Junho. A segunda, mais importante, para esclarecer que fui ordenado padre em Fátima pelo cardeal Cerejeira e que, sempre que lá vou para fazer conferências, passo pela Capelinha das Aparições e ali rezo como tantos outros. Depois, à pergunta se vou a Fátima por causa da vinda do Papa respondo que não, porque não gosto de confusões e penso que os responsáveis da Igreja deveriam prevenir as pessoas, pois correm o risco de uma imensa desilusão, já que muitas dificilmente verão o Papa. Prestado este preâmbulo, o tema.

O Ressuscitado caminha connosco ao ritmo da vida

Reflexão de Georgino Rocha



Jesus persiste em recorrer a mediações humanas para mostrar a novidade da sua vida de ressuscitado, após a morte. Lucas, o narrador do episódio de Emaús, apresenta-o como caminhante junto de dois discípulos que rumavam àquela povoação. Esmorecidos e frustrados. Ao cair da tarde. Ao terminar do dia. Ao chegar a noite. Símbolos expressivos da agonia da esperança que lhes ia roendo o coração. Símbolos da disposição de tantos corações surpreendidos perante o insucesso provisório das suas opções de vida. Lc 24, 13-35.

O Papa Francisco, na audiência geral do passado dia 26, reconhece-o e afirma que: “A nossa existência é uma peregrinação, temos uma alma migrante. Somos um povo de caminhantes, tendo Jesus por companheiro de viagem: «Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos». Assim quis Ele assegurar-nos de que não Se limita a esperar-nos lá no fim da nossa viagem, mas já nos acompanha em cada um dos nossos dias”. Grande certeza que nos consola.

A distância geográfica de Jerusalém a Emaús é relativamente curta, mas simboliza um itinerário enorme de iniciação que, normalmente, os candidatos à vida cristã e inserção eclesial estão chamados a percorrer. Outrora, os discípulos eram Cléofas (que significa celebração) e o seu inominado companheiro (talvez para sermos nós a dar-lhe nome). Regressam à aldeia, após o fracasso das suas expectativas provocado pelo desfecho trágico da vida do seu mestre, Jesus de Nazaré. Dão largas a este estado de espírito, lamentam o sucedido e “sonham” retomar um passado que não volta. Alimentam e ampliam a amargura da frustração, “curtida” em conversas e atitudes. Sem horizontes de futuro onde brilhe qualquer “semáforo” de esperança. Amarrados a um presente marcado pelas chagas ainda em ferida viva e sangrante, carregam as gratas recordações de um tempo feliz e vivem à procura de sentido para a etapa que se avizinha.

O diálogo com o desconhecido, que se faz companheiro, mostra a dolorosa situação em que se encontram e a novidade de rumores incríveis que começavam a surgir. Constitui uma excelente amostra do sentir de tantos contemporâneos, uma boa referência para lançar pontes de contacto e iniciar uma viagem comum, com o ritmo cadenciado dos passos de cada um e com a franqueza do coração aberto de todos. Agora somos nós os peregrinos de Emaús.

O novo companheiro escuta, com delicada atenção, a resposta à pergunta que lhes fizera. E após uma breve censura, toma a palavra e faz--lhes a explicação do sucedido, situando-o no contexto das Escrituras. À medida que fala, o coração dos caminhantes vibra com novos ritmos que surgem progressivamente: coração sem esperança e incapaz de ver as luzes que começam a despontar; coração acolhedor do estranho que se faz companheiro e dialoga, sem reservas; coração aberto à intervenção de Jesus que narra tudo o que nas Escrituras lhe diz respeito; coração transformado que deseja permanecer com o desconhecido a quem oferece hospedagem e convida para uma refeição; coração agradecido que reconhece a nova forma de presença de Jesus nos sinais do pão e do vinho (eucaristia); coração entusiasmado no amor e pressionado pela novidade da experiência feita que quer contar aos discípulos; coração enternecido que recebe a alegre notícia dada pela comunidade reunida: “O Senhor ressuscitou e apareceu a Simão”.

O Santo Padre na mensagem para a 54ª semana de Oração pelas Vocações, que hoje começa, faz-se eco desta novidade e diz-nos: “Amados irmãos e irmãs, é possível ainda hoje voltar a encontrar o ardor do anúncio e propor, sobretudo aos jovens, o seguimento de Cristo. Face à generalizada sensação duma fé cansada ou reduzida a meros «deveres a cumprir», os nossos jovens têm o desejo de descobrir o fascínio sempre atual da figura de Jesus, de deixar-se interpelar e provocar pelas suas palavras e gestos e, enfim, sonhar – graças a Ele – com uma vida plenamente humana, feliz de gastar-se no amor”.

O Ressuscitado vive connosco e marca o ritmo que o coração humano deseja e procura assumir. Felizmente!

terça-feira, 25 de abril de 2017

25 de Abril de 1974 — O Grito da Liberdade

Salgueiro Maia na linha da frente da liberdade
 Ao contrário do que alguns pensam, é sempre oportuno e necessário evocar a revolução dos cravos, que permitiu, com natural heroísmo, mas também com alegrias incontidas, oferecer a liberdade aos portugueses, muitos deles sem nunca a terem sentido e experimentado. E é oportuno e necessário, porque a liberdade pode correr o risco de se perder, levada pela nossa incúria e pela voracidade de ditadores em potência, que pululam por aí. 
Não falta quem vista a camisola contra o 25 de abril, contra as amplas liberdades, contra o atraso económico, contra as injustiças sociais, contra a corrupção e contra a fome que grassa em cada canto deste país “à beira mar plantado”. São protestos com razão, é certo, porque 43 anos são tempo que baste para erradicar as injustiças, mas também é verdade que na sociedade que eu respirei na meninice e na juventude o atraso económico e social era notório. Hoje, apesar de tudo, contrariando os céticos, a sociedade está muito melhor do que antes da revolução.
Antes do grito da liberdade, o analfabetismo tolhia os horizontes do nosso povo, obrigando-o a fugir, pela calada da noite, para sobreviver longe desta Pátria que muito pouco lhe dava. Muitos portugueses desapareciam a salto, calcorreando caminhos nunca vistos, serras e montes inóspitos, traídos muitas vezes por passadores desumanos, deixando para trás a família à espera de pão. E instalavam-se clandestinamente em bairros de lata nos subúrbios de Paris. Anos depois, as casas novas das Gafanhas e de outras terras portugueses ostentavam sinais evidentes das cores e formas que os impressionaram à chegada a França.
A guerra colonial, incompreensível já no mundo civilizado de então, massacrou sonhos e vidas de muitos compatriotas. A cegueira de uns tantos políticos da época anterior ao 25 de Abril espezinhou quem se opôs à utópica bandeira do proclamado Império Português idealizado por lunáticos do chamado Estado Novo. Com o 25 de Abril, finalmente, Portugal descobriu que o mundo não se confinava aos curtos horizontes que bloqueavam os olhos do entendimento do povo luso. De olhos abertos, soube e pôde gritar bem alto… Viva a Liberdade! Viva o 25 de Abril!

Fernando Martins

Rosto de misericórdia – DIÁCONO AUGUSTO SEMEDO



Na página da Comissão Diocesana da Cultura da Diocese de Aveiro, na rubrica Rostos de Misericórdia, é apresentado um amigo que muito estimo, Diácono Augusto Semedo, pela sua ação na sociedade humana e eclesial a vários níveis. O texto é da autoria de Georgino Rocha, presbítero da Igreja aveirense, que me apraz aplaudir pela oportunidade de que se reveste. 
Augusto Semedo está em fase de demorada recuperação de um AVC que sofreu. Todos os seus amigos, que muitos são, sabem que o Diácono Semedo é um homem corajoso, paciente e determinado, o que nos garante que voltará à vida normal, com destaque para a sua intervenção junto dos feridos da vida. Foi sempre essa a sua grande paixão, social e eclesial. E há de continuar a ser, porventura agora pela oração, pelo testemunho consciente e pela palavra sempre pronta para o conselho oportuno e fraterno.

Ler mais aqui

segunda-feira, 24 de abril de 2017

“Gafanha… Crianças de antanho e suas vivências”

Autógrafos para crianças que colaboraram na festa
A mesa convidados da autora

Crianças bem ensaiadas pela Cláudia 

Autógrafo para Domingos Cardoso

“Gafanha… Crianças de antanho e suas vivências” é o mais recente trabalho de Maria Teresa Filipe Reigota, natural da Gafanha da Nazaré e residente na Gafanha da Boavista. É uma obra que vem na sequência de “Gafanha… O que ainda vi, ouvi e recordo” (2009) e “Gafanha… retalhos do passado” (2013). Todos para memória futura, com retratos, tradições, saberes e sabores que a autora soube recolher e partilhar, despertando os nossos sentidos para a descoberta do povo que somos com as marcas indeléveis do passado, rumo ao futuro.
«Este livro é uma lufada de ar fresco que nos faz recuar no tempo, um tempo que já foi e que pode voltar a ser se os pais e as mães de hoje o quiserem», afirmou Miguel Almeida, da Federação do Folclore Português, na apresentação deste trabalho da Teresa Reigota, no sábado, 22 de abril, no teatro da Vista Alegre, num ambiente emoldurado por crianças que brincaram, ao jeito de outras eras, bem ensaiadas por Cláudia Reigota, filha da autora.
Miguel Almeida considerou esta obra «um autêntico manual da criança», mas ainda um «convite a uma viagem no tempo cujo caminho é de sentido único» tendo em conta «paragens obrigatórias em alegres apeadeiros de lugares e sítios onde os versos saltar, inventar, escutar, correr, adivinhar, esconder, jogar, tocar, cantar e dançar são entremeados por risos alegres e cristalinos». 
Paulo Costa, vereador do pelouro da cultura da Câmara Municipal de Ílhavo, agradeceu à Cláudia, aos alunos e seus pais, a oferta a todos os presentes de jogos e brincadeiras do passado, «divertindo-nos também a nós». Adiantou que, «se há coisa que é comum às crianças do mundo inteiro,  é o brincar; algo de que o ser humano precisa». Felicitou, por isso, Teresa Reigota  pelo seu empenho na área da cultura.
João Campolargo, presidente da Junta de Freguesia de São Salvador, disse que não há palavras que possam medir o tamanho das expressões que a autora apresenta nos seus livros, agradecendo o contributo que a Teresa Reigota tem dado no âmbito do Rancho Regional da Casa do Povo de Ílhavo, de que foi fundadora com seu marido, João Fernando Reigota. 
Em Nota da Autora, a investigadora, professora do agora Ensino Básico durante bons anos, garantiu que as crianças dos nossos dias «quase nem têm tempo de o ser». E frisou: «usam o computador, vão para a escolinha já de telemóvel na bolsa, jogam playstation entre outras dádivas do progresso.»
Lembrou o passado que não volta, confessando que sente «saudades da pureza e da simplicidade» da sua meninice feliz, «quando corria, pulava e chapinhava nas poças da rua, formadas pela água da chuva — as “labacheiras”, palavra usada pelo povo». 
Teresa Reigota dedicou este trabalho aos seus filhos, Cláudia e Joel, «gafanhões de gema e que amam de verdade a Gafanha, seu torrão natal». E informou que o produto da venda do livro reverterá para o Rancho Regional, afinal «um outro filho».
Dos três capítulos destacamos a localização das suas pesquisas e recolhas, as crianças desde o nascimento, canções de embalar, dias festivos, tarefas familiares e escolares, o que vestiam e comiam, mas ainda como se divertiam e brincavam.
“Gafanha… Crianças de antanho e suas vivências” vem enriquecido com um CD que reproduz cantares e modinhas de há décadas. Trata-se, realmente, de um livro que é uma viagem retrospetiva para os mais velhos, mas muito útil também para os mais novos ficarem a conhecer os alicerces da sociedade atual. 

Fernando Martins

domingo, 23 de abril de 2017

O Padre Américo


Ontem fui ao Hospital Padre Américo, em Penafiel, para visitar um amigo ali internado há umas semanas. Confirmei que a sua saúde está a torná-lo num guerreiro na luta para voltar à vida do dia a dia. Digo guerreiro pela coragem com que enfrentou a situação difícil por que passou. De sorriso permanente, apesar decerto de algum sofrimento, senti o carinho com que os familiares, filhos e netos, o mimoseavam. A forma terna como o beijavam, as palavras doces que lhe dirigiam e a ternura com que o acariciavam estarão naturalmente a encher-lhe a alma e a reforçar-lhe o corpo para um dia destes regressar a casa. Assim espero.

À entrada do Hospital que tem o nome de Padre Américo, não pude deixar de recordar um homem que muito apreciei desde a minha juventude. Américo de Aguiar, já adulto, resolveu um dia ser padre. Alguns não acreditaram que viesse a ser o que foi: Um homem que se deu, de corpo e alma inteiros, sem preconceitos nem desânimos, aos mais pobres dos pobres. Uma vida inteira e cheia de amor. A Casa do Gaiato acolheu os rapazes da rua, mas o Padre Américo não se ficou por aí. Olhou à volta e viu homens e mulheres com doenças incuráveis e sem quem deles tratasse. Mas ele não lhes virou as costas. 

A sua passagem por este nosso mundo tão belo, mas também com tanto sofrimento e amarguras, deixou marcas de amor para partilhar. Não haverá amor sem partilha. E o processo do conhecimento canónico para a sua beatificação, aberto em 1986, estará perdido em alguma gaveta da Cúria Romana. Se este homem não merece as honras dos altares… quem as merecerá? 

Fernando Martins 

Metamorfoses pascais do desejo (2)

Crónica de Frei Bento Domingues no PÚBLICO 


«Ao fim desta Quaresma, da Semana Santa e da Oitava da Páscoa, há um sabor amargo: tirando o Papa, quem, no mundo católico, nas dioceses, nas paróquias, nos conventos, se levantou contra os sinais de guerra que marcam o mapa do mundo?
Repetiu-se: estar com o Papa é estar com a Igreja. Isto era quando os Papas não se comoviam com as dores dos mais feridos.»

1. O filósofo Bertrand Russel não foi muito original ao destacar que os dois grandes desejos humanos são o poder e a glória. Podem realizar-se pelos caminhos da ilimitada vontade de dominação económica, política e religiosa ou pelo desenvolvimento dos próprios talentos em função da vontade de criar condições para que tenham todos iguais oportunidades.
Em Portugal, a julgar pelas aparências, o grande desejo de poder e glória, de pais e filhos, é que ganhe o clube da sua paixão. Os mais devotos têm sempre os caminhos de Fátima à disposição. Se aparecer um Papa, é o segredo da glória, o desejo consumado.
Em meados do séc. VI a.C., nasceu um príncipe desencantado, Siddharta Gautama, mais conhecido por Buda, o iluminado, e viu-se confrontado com a pulsão avassaladora do desejo. No célebre discurso pronunciado em Benares, nas margens do rio Ganges, teria sentenciado que a terceira “nobre verdade”, para acabar com a dor omnipresente, era indispensável abolir o desejo e os seus laços. Vale a pena perguntar: será o desejo uma doença ou uma bênção?
O mundo do desejo, da fantasia, do afecto, é de tal forma essencial ao psiquismo humano que todas as outras faculdades é dele que recebem a sua energia. Nasce de uma falta estrutural no ser humano, não como uma maldição, mas como um infindo desassossego. Para Espinosa, a essência do ser humano é o desejo. Segundo Aristóteles, os desejos que não dependem da fisiologia, mas da razão, são ilimitados; os seres humanos desejam o infinito. S. Tomás de Aquino descobriu, nessa sede insaciável, o desejo natural de ver a Deus que não pode ser defraudado [1].
Não há notícias de que Buda tenha influenciado o Nazareno, embora este também tenha mudado de rumo depois de uma divina iluminação. Já foram descobertas afinidades entre certas passagens dos evangelhos e algumas propostas da sabedoria budista, mas não são da mesma extracção. Jesus não era pela abolição do desejo, mas pela sua intensificação e metamorfose, isto é, pela sua conversão. O seu desejo mais ardente era colocar-se ao serviço do desejo libertador de Deus, alegria do mundo. Era vontade humana e divina de alteração radical da nossa sociedade.
Os Evangelhos sinópticos mostram, no entanto, que ele teve de lutar contra tentações diabólicas infiltradas nos caminhos do advento e da configuração da era messiânica. Se era realmente o Messias, tinha de o provar. Mediante acontecimentos espectaculares, transformações económicas, políticas e religiosas radicais, teria o mundo a seus pés.
Jesus conhecia os desejos, os modelos, os grupos e os movimentos messiânicos que agitavam o povo a que pertencia e que, sem um poder absoluto, era impossível realizar os seus projectos. Percebeu também que, por esse caminho, tinha de renunciar à alma da sua alma: à experiência do Deus do puro amor e ao projecto de passar os marginalizados dos diversos poderes para o coração da sociedade [2].

2. As tentações supunham que conheciam bem a Deus, os apetites do coração humano e o projecto do Nazareno. Vencida a tentação, ficou o aviso: quando alguém invocar a Deus para O negar ou para O louvar, é indispensável perguntar: qual é a experiência pessoal, existencial, donde nasce essa negação, exaltação ou indiferença religiosa? Fora do contexto cultural, político e religioso que provoca essas atitudes, não podemos saber o que está a comandar o uso da palavra Deus.
Na teologia de S. Tomás de Aquino, muito marcado pela teologia negativa do Pseudo-Areopagita, Deus só pode ser conhecido como infinitamente Desconhecido. A tentação permanente das religiões é a criação de deuses à imagem dos nossos desejos distorcidos para legitimar sociedades enlouquecidas pelas lutas da dominação económica, política e religiosa.
Como vimos, Jesus disse radicalmente não às tentações messiânicas que o assaltaram, mas levou muito tempo a compreender a prontidão dos discípulos em abandonar tudo para o seguirem. O Evangelho segundo S. Marcos mostrou, com insistência, que Jesus os chamou para uma missão e o que eles desejavam era que o Nazareno tomasse mesmo o Poder e o resto era só conversa. Por isso, a discussão entre eles girava sempre em torno da futura distribuição dos cargos políticos. Um dia a tensão explodiu: os irmãos, Tiago e João, perderam o pudor e foram reclamar os dois primeiros lugares, o que indignou os outros dez.
Perante essa situação, Jesus resolveu pôr tudo em pratos limpos: sabeis que aqueles que vemos governar as nações as dominam e os seus grandes as tiranizam. Entre vós não deverá ser assim: ao contrário, aquele dentre vós que desejar ser grande, seja o vosso servidor e aquele que quiser ser o primeiro dentre vós, seja o servo de todos. Pois o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida pela libertação de todos [3].

3. O texto de S. Marcos deixou claro como devem ser as relações de poder na Igreja. Só dessa forma ela se pode tornar uma instância crítica dos poderes de dominação na sociedade.
O que o Papa Francisco está a fazer na Cúria romana, com tantas resistências, é puro Evangelho. Já em 1969, o Cardeal Suenes denunciava o sistema que aprisiona o Papa e o torna cúmplice e solidário daquilo que ele não quer, tenha ou não a sua assinatura. É preciso conseguir libertar o Papa do sistema do qual há queixas há vários séculos, sem resultado. Porque, como Suenes frisou, ainda que os Papas mudem, a Cúria permanece.
O poema do bispo Casaldáliga gritou: 

“Larga a cúria, Pedro,
desmantela o sinédrio e a muralha.
Ordena que se mudem
todas as filactérias impecáveis
em palavras vibrantes de vida.”

Ao fim desta Quaresma, da Semana Santa e da Oitava da Páscoa, há um sabor amargo: tirando o Papa, quem, no mundo católico, nas dioceses, nas paróquias, nos conventos, se levantou contra os sinais de guerra que marcam o mapa do mundo?
Repetiu-se: estar com o Papa é estar com a Igreja. Isto era quando os Papas não se comoviam com as dores dos mais feridos.

Frei Bento Domingues no PÚBLICO 

[1] José Antonio Marina, Las arquitecturas del deseo, Anagrama, Barcelona, 2007; Juan Guillermo Droguett, Desejo de Deus. Diálogo entre psicanálise e fé, Vozes, Petrópolis, 2000, pp. 13 e 139; Cipriano Franco Pacheco, O desejo natural da visão de Deus. Expressão de abertura humana ao transcendente, Romae, 2001; Teresa Messias, O desejo e a sua transformação no seguimento de Jesus. Uma leitura dos escritos de Sebastião Moore, Paulus, 2017.
[2] Cf. Lc 4, 1-13; Mt 4,1-11; Mc 1,12-13
[3] Mc 10, 35-45

sábado, 22 de abril de 2017

A coragem de Fernando Pessoa



Posso ter defeitos, viver ansioso
e ficar irritado algumas vezes
mas não esqueço de que minha vida
é a maior empresa do mundo,
e posso evitar que ela vá à falência.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver
apesar de todos os desafios, incompreensões
e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas
e se tornar um autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si,
mas ser capaz de encontrar um oásis
no recôndito da sua alma.

É agradecer a Deus a cada manhã
pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo
dos próprios sentimentos.
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um “não”.
É ter segurança para receber
uma crítica, mesmo que injusta.

Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo…

sexta-feira, 21 de abril de 2017

JESUS ESTÁ VIVO NO MEIO DE NÓS

Reflexão semanal de Georgino Rocha


Jesus ressuscitado realiza várias iniciativas para desvendar aos discípulos, e por eles, a toda a humanidade, a novidade do seu ser e do seu agir. Encontros pessoais e comunitários, marchas e refeições, diálogos e provações. Presenças surpreendentes, ausências súbitas e apresentação das cicatrizes da paixão. Hoje, o relato do Evangelho oferece-nos uma “amostra” de algumas destas iniciativas que realçam a sua divina misericórdia. (Jo 20, 19-31).
A desolação dos discípulos contrasta fortemente com a coragem de Jesus ressuscitado. Eles, amedrontados, estão refugiados em casa trancada, a temerem o que lhes podia acontecer na sequência da condenação do seu Mestre. Este, destemido, apresenta-se no meio deles, sereno e ousado, e saúda-os amigavelmente, desejando-lhes a paz. O contraste não pode ser mais radical e provocador. A atitude de Jesus surpreende-os completamente e deixa-os expectantes. Eles ainda não o haviam reconhecido. Que carga de medo inibidor! Que urgência da “purificação” do coração e da mente para iniciar o caminho da fé no ressuscitado! Que importância atribuída à jovem comunidade reunida em assembleia neste “arranque” decisivo!

IGREJA AVEIRENSE - Para formar e informar


Recebi a revista “Igreja Aveirense” e já li muito do que ali vem publicado. A revista é trabalho da Comissão Diocesana da Cultura e completou o Ano XII da sua edição, sob a direção de Georgino Rocha, um padre do presbitério da Diocese de Aveiro, com larga experiência no âmbito da cultura, da pastoral e da docência, para além de outras tarefas do foro sacerdotal, e não só.
Com uma tiragem de apenas 325 exemplares, a revista não chega à grande maioria dos católicos da Diocese de Aveiro, apesar do muito que diz, formando e informando, sobre os trabalhos e preocupações de âmbito diocesano, nomeadamente dos serviços, clero, arciprestados e paróquias, instituições, santuários, movimentos e obras de apostolado, mas ainda da vida consagrada, publicações, efemérides, e pessoa notável. Neste capítulo, é evocada, com sentido de oportunidade, a nossa D. Maria da Luz Rocha, falecida recentemente.
A revista, de publicação semestral, abre sempre, como desde a primeira hora, com mensagens, notas pastorais, homilias, entre outros escritos ou intervenções do bispo diocesano, D. António Moiteiro, dando assim oportunidade a que os leitores fiquem a par do que diz e faz o prelado aveirense na sua passagem pelos diversos arciprestados e paróquias.
Georgino Rocha sublinha na Apresentação que «A Porta Santa que se abre e fecha no Ano Jubilar da Misericórdia constitui um símbolo qualificado da missão da Igreja: fazer viver a comunhão com Deus e reforçar a missão que lhe está confiada de ser testemunho do amor compassivo de Jesus Cristo. Apesar da sua fragilidade, a Igreja, animada pelo Espírito Santo, mobiliza as suas energias para ser fiel». E disso dá conta a “Igreja Aveirense”, na esperança de perpetuar, no tempo possível, na vida dos crentes, marcas indeléveis do Ano Jubilar da Misericórdia. Nesse sentido, o diretor da revista frisa: “É a hora de dar espaço à imaginação a propósito da misericórdia para dar vida a muitas obras novas, fruto da graça. A Igreja precisa de narrar hoje aqueles ‘muitos outros sinais’ que Jesus realizou e que «não estão escritos», de modo que sejam expressão eloquente da fecundidade do amor de Cristo e da comunidade que vive d’Ele, exorta o Papa Francisco.”
Bom seria que todos os católicos, clérigos e leigos, com responsabilidade pastorais ou outras, tivessem acesso à revista “Igreja Aveirense”, fonte de comunhão e de partilha de saberes, experiências e vivências.

Fernando Martins

A revolução de Francisco: irreversível?

Crónica de Anselmo Borges no Diário de Notícias


1 A propósito do meu livro sobre o Papa Francisco: Francisco: Desafios à Igreja e ao Mundo, que acaba de ser publicado, e a partir de debates provocados por ele, muitos me têm feito a pergunta em epígrafe: será a revolução de Francisco irreversível?

2 Antes de mais, em que consiste esta revolução? Diria que ela tem várias vertentes, distinguindo concretamente duas: uma mais imediatamente para dentro da Igreja e outra para fora, embora seja perfeitamente pertinente perguntar se ainda faz sentido este "dentro" e o "fora".

3 A revolução da Igreja dentro dela própria é, acima e antes de tudo, a conversão, isto é, tentar fazer que os católicos, a começar pelos cardeais, bispos, padres, se convertam ao Evangelho de Jesus. De facto, o fascínio deste Papa vem daí: do facto de ele se comportar como Jesus enquanto revelação do Deus que é Pai e Mãe e cujo nome é Misericórdia. Ele vive uma vida simples, humilde, abraça e beija as pessoas, manifesta-lhes afecto e ternura, a começar pelos mais pobres, frágeis, abandonados, humilhados e ofendidos... Por palavras e obras.
Sendo a Igreja uma imensa instituição, evidentemente que tem de haver uma revolução nas estruturas. Aí está a reforma da Cúria, tolerância zero para a pedofilia, transparência no Banco do Vaticano, onde são intoleráveis a presença de máfias, corrupção, desvios.
No plano do governo, impõe-se o respeito pelos direitos humanos também no seio da Igreja, concretamente, respeito pela liberdade de pensamento e expressão; Francisco não condenou teólogos. Não se pode continuar num centralismo romano, com o objectivo da romanização da Igreja. Francisco tem posto em marcha a sinodalidade, isto é, um processo que conduza a Igreja à participação de todos, incluindo leigos e leigas, em todos os níveis da vida eclesial: nas paróquias, nas dioceses, na Igreja universal. Se a Igreja "somos todos", como repete Francisco, o poder tem de ser participado por todos, sem esquecer os diferentes carismas. Por outro lado, se a Igreja é uma instituição global, não pode propugnar a uniformidade, tem de haver inculturação, isto é, há a necessidade de atender às várias culturas no modo de viver o Evangelho, nos diferentes planos: teológico, moral, pastoral, celebrativo-litúrgico, organizacional. Uma Igreja em rede, a cuja unidade na caridade preside o Papa.
Atenção especial vai merecer a necessidade de as comunidades poderem celebrar a Eucaristia. Aqui, é inevitável o fim da lei do celibato obrigatório, começando pela ordenação de homens casados. Esse processo está aliás a caminho. Numa entrevista recente a Die Zeit, Francisco declarou que a falta de vocações é "um problema enorme e como tal a Igreja tem de resolvê-lo". Mais recentemente, o cardeal Walter Kasper disse que é preciso agir: "A discussão é urgentíssima. O Papa pensa que esta discussão vale a pena; vê-a com bons olhos. Os episcopados podem aproximar-se do Papa e fazer-lhe a correspondente petição. O Papa responderá positivamente. Agora depende das conferências episcopais." E não pode haver discriminação para as mulheres; como disse o secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin, nada impede que o seu sucessor seja uma mulher.
Exigência maior é a continuação do impulso para o diálogo ecuménico entre as Igrejas cristãs e o diálogo inter-religioso. Mais um exemplo de Francisco: apesar dos ataques bárbaros e infames contra os cristãos coptas no Egipto, no Domingo de Ramos, ele segue para o Cairo nos dias 28 e 29 deste mês, acompanhado por Bartolomeu I, patriarca ortodoxo de Constantinopla, numa visita assente no "espírito de tolerância e diálogo", activando esse diálogo no encontro com o Papa dos coptas e com o grande imã da universidade islâmica do Cairo Al-Azhar. Francisco sabe que o número dos cristãos e dos muçulmanos juntos é superior a mais de metade da humanidade.

4 Muito recentemente, uma das pessoas em quem Francisco mais confia, o jesuíta Antonio Spadaro, lembrava que "o Papa Francisco é um grande líder, talvez o líder moral do mundo". É, de facto, um líder político-moral planetário - está em curso o estudo da possibilidade de uma visita a Moscovo e sobretudo a Pequim -, que tem uma palavra essencial a dizer em problemas decisivos de humanidade e para a humanidade: questões da paz (e aí estão as suas intervenções positivas na relação entre Israel e a Palestina, Cuba e os Estados Unidos, Colômbia, Venezuela; irá em breve ao Sudão do Sul, juntamente com o arcebispo anglicano de Cantuária...), questões de justiça social num mundo globalizado (o centro da economia tem de ser a pessoa humana e não o deus Dinheiro), questões de ecologia (a Laudato Sí fará história), questões de bioética também no que se refere a problemas novos colocados pela ciência e a tecnologia, por exemplo, pelas NBIC (nanotecnologias, biotecnologias, inteligência artificial, ciências cognitivas e do cérebro em geral)...

5 A. Spadaro também lembrava que "há oposições que se tornam raivosas, dão-se conta de que Francisco está a falar a sério". Francisco também confessou ao padre Adolfo Nicolás, superior dos jesuítas até há pouco tempo: "Criticam-me porque não falo suficientemente como Pontífice e porque não actuo como um rei". Daí, a pergunta: que marca deixará o seu pontificado?
Penso que é praticamente impossível voltar atrás em relação concretamente ao estilo que imprimiu: a simplicidade, uma Igreja "em saída", participativa, sinodal, mais pastoral, centrada no Evangelho e não no Direito Canónico. Reverter o processo seria desastroso para a Igreja e para o mundo. De qualquer modo, Francisco também confessou a Adolfo Nicolás: "Peço ao Bom Deus que me leve quando as mudanças forem irreversíveis."

Anselmo Borges, 

quinta-feira, 20 de abril de 2017

JUVENTUDE: Um estado de alma



«A juventude não é um período da vida, mas um estado de alma, um efeito da vontade, uma qualidade da imaginação, uma intensidade emotiva, uma vitória da coragem sobre o amor da comodidade.
Ninguém se torna velho por ter vivido um certo número de anos, mas porque se abandonou o próprio ideal. Os anos traçam sulcos no corpo e enrugam a pele, a renúncia ao ideal marca-os na alma.»
Em muitos casos está, relegado para um qualquer canto, o álbum ou a caixa de fotografias. Percorrer as mais amareladas pelo tempo cria uma sensação de melancolia: os rostos perfeitos, frescos, sorridentes do passado deram lugar à impiedosa verdade do espelho em que esses mesmos rostos se refletem hoje.»

Card. Gianfranco Ravasi
Presidente do Conselho Pontifício da Cultura

Ler mais aqui 

Pastorinhos vão ser canonizados em Fátima no dia 13 de maio


«O Papa Francisco anunciou hoje no Vaticano que vai presidir à canonização de Francisco e Jacinta Marto em Fátima, no dia 13 de maio, anunciou o Santuário português, em comunicado enviado à Agência ECCLESIA.
Os dois pastorinhos de Fátima tornam-se assim nos mais jovens santos não-mártires da história da Igreja Católica.
A decisão sobre o local e data da canonização foi tomada hoje num Consistório Público, reunião formal de cardeais, realizada no Palácio Apostólico do Vaticano.»

Ler mais aqui 

Gafanha da Nazaré — Cidade há 16 anos

Fernando Caçoilo, Carlos Rocha e Fernandes Thomaz



Edifício em obras de conclusão

Com as redes de águas pluviais e residuais na Chave, em fase de arranque, numa parceria entre a CMI e a AdRA (Águas da Região de Aveiro. SA), que importam em 660 mil euros, mais IVA, a Gafanha da Nazaré vai ser a primeira freguesia do concelho de Ílhavo com saneamento a 100 por cento, afiançou Fernando Caçoilo, presidente da Câmara, nas celebrações do 16.º aniversário da elevação a cidade da nossa terra. Esta realidade foi corroborada por Manuel Fernandes Thomaz, presidente do conselho de administração da AdRA, presente na sessão, que teve lugar no Casa da Música, presentemente em obras de conclusão. 
Fernandes Thomaz adiantou que esta obra coloca a Gafanha da Nazaré numa posição bastante invejável, mesmo «em termos nacionais». Entretanto, valorizou a importância do saneamento, como «essencial para a qualidade de vida das populações».
O presidente da AdRA garantiu que as pessoas e as famílias «anseiam pela rede», mas depois das obras concluídas «resistem a fazer as ligações», sendo certo que «a ligação à rede de água e saneamento não tem custos». E disse que estas ligações «são um ato de civilidade, de saúde pública», pois as fossas séticas, ao drenarem para espaços adjacentes, «passam a poluir os terrenos que são dos vizinhos».
Reconheceu que as obras relacionadas com as redes «têm grandes impactos na vida das pessoas, com estradas esburacadas, trânsitos desviados e comércios afetados», sendo um mal, «mas no fundo será um bem no futuro». Daí que sejam fundamentais os esclarecimentos às populações por parte da Junta de Freguesia e dos empreiteiros, já habituados a estes incómodos. 
Sobre a Casa da Música, destinada ao Grupo Etnográfico, Filarmónica Gafanhense e Escola de Música, Fernando Caçoilo afirmou que «as salas estão, em termos acústicos, bem trabalhadas». Este é um investimento da ordem dos 650 mil euros, a cargo da autarquia, «sem qualquer tipo de apoios». E prometeu que em finais de maio será o tempo da inauguração.
O presidente da Câmara falou da impossibilidade de alargar a atual Av. José Estêvão, «que já foi noutros tempos uma grande avenida», frisando que a via será beneficiada muito em breve. E ao referir-se à Praia da Barra, parte integrante da Gafanha da Nazaré, salientou que vai ser aberto concurso no próximo mês, para uma nova rotunda no acesso às praias. As obras decorrerão entre o verão de 2017 e o verão de 2018. 

Fernando Martins

quarta-feira, 19 de abril de 2017

“ÍLHAVO, Terra Milenar” - Monografia do Município







Paulo Costa com Fernando Caçoilo

Saul Gomes com Fernando Caçoilo

A história de um povo 
nunca está totalmente escrita 

«O peso deste livro é sinónimo claro do peso do nosso município, da grandeza do nosso município», afirmou Fernando Caçoilo, presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, no lançamento da obra “ÍLHAVO, Terra Milenar”, na segunda-feira de Páscoa, 17 de abril, feriado municipal. A sessão decorreu na Casa da Cultura, antecedendo o concerto pela Banda Sinfónica da Guarda Nacional Republicana.
O autarca ilhavense sublinhou que «este livro é marca que fica para além das “modernices” da era digital». Agradeceu a quantos nele colaboraram, «com um abraço do tamanho do nosso farol», e referiu que este «é um excelente projeto que ficará para a história». «Não há dinheiro que o pague!», disse.

Paulo Costa, vereador do pelouro da Cultura da CMI e Diretor Executivo do projeto que culminou com a edição da obra de 600 páginas, afirmou que “ÍLHAVO, Terra Milenar” se assumiu como «uma motivação, um espaço de encontro e discussão para todos aqueles que tivessem gosto pela história de Ílhavo». E adiantou que a obra nasceu com «uma investigação profunda, sistemática, consistente, alargada, abrangente, não condicionada por ideias preconcebidas» sobre as origens de ílhavo e sobre o seu desenvolvimento ao longo dos séculos.
Este trabalho «foi construído por várias mãos, com o objetivo de ir mais atrás dos quase  mil anos da história documentada de Ílhavo», tendo sido realizado durante três anos, com a envolvência do CDI (Centro de Documentação de Ílhavo) e do CieMar (Centro de Investigação e Empreendedorismo do Mar), a quem agradeceu o bom contributo de todos os que nele se envolveram. Paulo Costa frisou que esta obra «é um marco da nossa história recente», garantindo que ficámos a saber mais de «onde viemos e da razão do que somos hoje». Ainda considerou que haverá agora bons motivos «para nos juntarmos, para discutirmos e para nos conhecermos, para continuarmos a procurar e a investigar, na certeza de que a história de um povo nunca está totalmente escrita».

Saul Gomes, Coordenador Científico do livro “ÍLHAVO, Terra Milenar”, afirmou que a obra se apresenta com o objetivo de nos levar a «compreender melhor a nossa identidade, o nosso passado e a nossa história», mas ainda a conhecer «o contributo de Ílhavo para a história de Portugal». Trata-se de uma monografia «muito plural do ponto de vista dos registos, das escritas, das sensibilidades dos que foram convidados a colaborar nesta composição».
Saul Gomes garantiu que «Ílhavo cresceu quando se fez ao mar». «Não podemos projetar o presente de Ílhavo no passado; é uma das coisas que esta monografia nos ensina», disse. E questionou-se: «Como é que há mil anos atrás um pequeno núcleo de lavradores, gente da terra, onde se encontravam alguns migrantes da península ibérica e de outras paragens, se fez ao mar e foi acrescentando território no contexto da construção do reino e depois do império português?» 
O Coordenador Científico frisou também que, no século XIX, muito do futuro deste município esteve «na transferência de territórios para Ílhavo; esse território foi-lhe acrescentado em função do mérito e do desenvolvimento que os ílhavos dessa época conseguiram».

“ÍLHAVO, Terra Milenar” apresenta-se em edição cuidada, capa dura, papel couché, formato A4, profusamente ilustrada, com cronologia, bibliografia e fontes arquivísticas. Os seus quatro capítulos contemplam o espaço e as gentes, a história, o património e elementos para a história de Ílhavo. A abertura tem registos de Fernando Caçoilo, presidente da CMI, Paulo Costa, vereador do Pelouro da Cultura, e Saul Gomes, coordenador científico do projeto.

Fernando Martins

terça-feira, 18 de abril de 2017

Ílhavo celebrou o seu feriado municipal

Presidente da CMI
Jovem executante protagonizou um bom momento musical

Presidente da Câmara com os homenageados 
Vereadores da CMI
Segunda-feira de Páscoa é dia de feriado municipal, com distinções atribuídas a personalidade e instituições relevantes no contexto concelhio. Será, porventura, o momento mais expressivo, porque qualquer sociedade precisa de exemplos a seguir no dia a dia. Mas também é importante que os autarcas e partidos com assento na Assembleia Municipal sublinhem o que de bom foi feito durante o ano, abrindo ainda portas a novos horizontes para um concelho em crescimento.
A abrir a sessão, um jovem executante protagonizou um bom momento musical.
Ana Maria Lopes e Valdemar Aveiro receberam medalhas de Mérito Cultural em Prata e a Vasco Lagarto foi atribuída a Medalha do Concelho em Vermeil.
Os Centros Sociais Paroquiais de Nossa Senhora da Nazaré e da Gafanha da Encarnação receberam Medalhas do Concelho em Vermeil. Para o Grupo de Teatro Ribalta foi a Medalha de Mérito Cultural em Prata, pelos 25 anos de atividade, e para ao Novo Estrela da Gafanha da Encarnação (NEGE) foi a Medalha de Vermeil, pelos 40 anos de atividade. O funcionário municipal aposentado Álvaro Jorge Rocha recebeu a Medalha de Dedicação em Prata, enquanto as funcionárias aposentadas Maria de Lurdes Santos Cardoso e Maria Luísa Pinheiro foram contempladas com a Medalha de Dedicação em Vermeil.
Durante  a cerimónia, que contou com bastante participação dos munícipes, pudemos apreciar o mural frontal de autoria do artista ilhavense António Neves. Com motivos alusivos ao município, de âmbito marítimo, turístico, cultural e empresarial, assentes num azul marchetado, o painel enriquece sobremaneira o salão nobre dos Paços do Concelho. 

"Das visões dos pastorinhos à visão cristã"



«Tema "delicado e melindroso" lhe chamou diversas vezes o primeiro estudioso dos factos ocorridos em Fátima, o Cónego Formigão. As visões da Cova da Iria são assunto secundário e periférico na dimensão da fé cristã e simultaneamente importante na intensificação e dinamismo da vida espiritual de tantos católicos. Escrever sobre tal matéria corre riscos de gerar irritação em olhares fundamentalistas ou insatisfação em críticos radicais. Isso não me amedronta.»

São estas palavras que abrem a introdução do livro "Fátima - Das visões dos pastorinhos à visão cristã", de Carlos A. Moreira Azevedo, recentemente publicado pela editora A Esfera dos Livros, obra que apresenta «uma releitura crítica sobre o fenómeno das visões ocorridas na Cova da Iria há 100 anos, partindo da situação sociocultural de Portugal e da Europa e da realidade familiar e psicológica das personalidades envolvidas», assinala a sinopse.

Nota: Para uma leitura oportuna e decerto muito interessante. Li aqui 

domingo, 16 de abril de 2017

Páscoa de 2017... E a tradição cumpriu-se


A Lita beija a Cruz

O grupo que nos visitou

A mesa de acolhimento

Dona Conceição, nossa vizinha, não faltou, mesmo sem a sua viola... E a vida continua


Páscoa de 2017. Páscoa da Ressurreição de Jesus Cristo. Páscoa de vida nova para a civilização do amor. Páscoa de renascimento para um homem renovado. Páscoa da alegria alicerçada na Boa Nova. Páscoa para a libertação do homem escravizado por valores sem sentido. Páscoa para glória de Deus!
Como manda a tradição, o anúncio da alegria da ressurreição de Jesus Cristo chegou à nossa casa às 9h30. Uma saudação fraterna, um cântico, uma oração, votos de feliz e santa Páscoa. E a marcha continua…
Apenas eu e a Lita pudemos estar presentes. Os filhos e netos, com as suas vidas, estiveram apenas nos nossos corações. Sempre presentes, afinal.

Votos de santa Páscoa para todos os nossos amigos.

Lita e Fernando

Metamorfoses pascais do desejo (1)


«Um Deus que não é a alegria da vida não é Deus. É um ídolo criado para justificar a dominação económica, política e religiosa.»


1. Os textos do Novo Testamento (NT) não foram encomendados ou ditados, corrigidos por Jesus Cristo. Surgiram em comunidades cristãs, depois da sua morte, para mostrar que o processo que O vitimou não podia ser arquivado. A coligação das autoridades romanas e judaicas, ao contrário das aparências, sob a capa de um julgamento, de facto, tinha decretado o assassinato de um inocente em nome de Deus e do Império [1].
Os autores do NT, ao reabrirem o processo, não pretendiam rever uma questão jurídica do passado, mas testemunhar que estavam completamente enganados os que julgavam que o Nazareno e as suas propostas tinham uma pedra em cima, para sempre. Estava em curso, até ao fim dos tempos, a passagem agitada para uma nova era.
Era difícil o caminho da realização da esperança. Mesmo depois da ressurreição, até os discípulos mais chegados, continuavam a alimentar concepções messiânicas que Jesus tinha expressamente rejeitado durante a sua vida terrestre. O autor dos Actos dos Apóstolos começa a sua obra narrando esse distorcido desejo pré-pascal: “Estando reunidos, perguntaram-lhe: ‘Senhor, é agora que vais restaurar a realeza em Israel?’”[2] 
Jesus não lhes reconheceu competência sobre essa questão. Precisavam de outra lucidez e de outra energia para enfrentar os novos tempos: “Recebereis uma força quando o Espírito Santo tiver chegado sobre vós e sereis minhas testemunhas em Jerusalém e em toda a Judeia e Samaria, até ao fim da terra.” [3] Os Actos dos Apóstolos desenharam um cenário espantoso desse acontecimento: “De repente, veio do céu um ruído semelhante a um vendaval, ficaram cheios do Espírito Santo, soltou-se-lhes a palavra e cada um os ouvia na sua língua materna.”

ALELUIA DE HANDEL

sábado, 15 de abril de 2017

FELIZES OS PACÍFICOS


felizes

felizes os pacíficos, que suspendem a violência
e reparam as redes de logradas fainas
(ai a guerra, mãe da pobreza e irmã da morte)

felizes os que aos olhos do mundo
passam por inútil carga social ou rendimento zero
e que escondidamente participam da alegria
que aligeira a vida
(ai aqueles que a sede de poder afoga)

felizes os pobres de alguma pobreza boa
felizes os que lavam as feridas e vivem com os cegos
honrando neles o fundo de humanidade
que lhes é comum

felizes os que nas situações-limite
decidem da singularidade do fazer, da urgência
felizes os que, excluídos, despojados de qualquer imagem
no documento mortal pregado na cruz
inscrevem os seus corpos

felizes os que, intacta, guardam a sensibilidade
à injustiça, apegados só à força da Palavra que cura

felizes os que não pactuam com os anjos
escuros da morte total
nem desculpam os «erros humanos»
das nossas sociedades sem olhos
(ai os que no inferno climatizado sobrevivem
ai o terror mole do dia a dia sobre os ombros)

felizes os que, à imagem de Deus, perdoam
alargando o coração às dimensões de um mundo abençoado


José Augusto Mourão
In "O nome e a forma", ed. Pedra Angular

Li aqui 

destaque

Vigário-Geral — Os projetos da Igreja são de todos nós

Dia do Diácono celebrado em Soza  com a participação de algumas esposas Diácono Permanente Carlos Nunes coordenou a reunião Aspe...