Universalismo Cristão (II)

Crónica de Frei Bento Domingues 



1.Têm razão os teólogos que se empenham em sublinhar que o cristianismo não é, fundamentalmente, uma religião do Livro, como dizem que são, por exemplo, o judaísmo e o islão. É, na sua essência, a graça do seguimento de Jesus Cristo como caminho, verdade e vida, fonte de sentido, de beleza e responsabilidade pelos mais abandonados. Para interpretar esse acontecimento profético, os cristãos recorreram, desde o princípio, à chamada “biblioteca do Antigo Testamento”. A partir dela, criaram outra que narra e interpreta a inesgotável beleza de Jesus Cristo. Chama-se o Novo Testamento, a grande escrita da inovação da vida.
O chamado “Novo Testamento”, com dois mil anos em cima, não estará também ele já muito velho e ultrapassado? Vamos por partes.
Por essa e outras razões, vou manter o título do texto do domingo passado — Domingo da Epifania, dos Reis Magos — clausura do ciclo litúrgico do Natal. O cristianismo é, de raiz, universal. Pode ser traído.
Seguindo um género literário identificável, S. Mateus construiu, com velhos materiais, a narrativa da viagem destas enigmáticas figuras, mostrando que já não era em Jerusalém que se podia encontrar a salvação. O Messias, sem poder, sem pompa e sem forças armadas, nasceu para todos, na periferia. Essa significação universal era dada ainda no espaço religioso judaico. Não referi o grande salto teológico de S. Paulo da Carta aos Efésios, recolhida na segunda leitura da mesma celebração universalista: “Os gentios recebem a mesma graça que os judeus, pertencem ao mesmo corpo e participam da mesma promessa, em Cristo Jesus, por meio do Evangelho.”
Não será essa uma questão já ultrapassada? Talvez sim e talvez não. Não passo adiante sem voltar mais atrás. As narrativas notáveis de S. Lucas, em dois volumes, de cristologia e eclesiologia, oferecem referências históricas e geográficas ao processo de universalização do cristianismo que importa destacar e talvez nos possam ajudar no presente.
S. Mateus partiu de Abraão para falar da origem de Jesus Cristo. S. Lucas, ao recuar a genealogia de Jesus até Adão, sublinhava que Ele assumiu o passado de toda a humanidade. Ampliou essa convicção nos Actos dos Apóstolos. Jesus, o judeu, não assumiu apenas o passado, mas também o presente e o futuro da humanização cósmica e divina da História. A coligação de Herodes e Pôncio Pilatos, com as nações gentias e os povos de Israel contra Jesus, não só não o derrotou, como até provocou uma ideia perigosa, que alguns julgam, erradamente, totalitária: “Não há outro nome dado aos seres humanos pelo qual possam ser salvos.” [i].

2. É com essa arrojada convicção que S. Lucas, no contexto da terceira geração do movimento cristão, perante um mundo duplamente hostil, escreve uma engenhosa apologia da Igreja que julgava capaz de integrar a unidade e a diversidade, Pedro e Paulo, a comunidade cristã de Jerusalém, as comunidades helenistas e as de origem gentia. Mais ainda, num mundo social e politicamente adverso, a sua apologia procura mostrar que o movimento cristão não era uma superstição, como alguns diziam, mas uma religião respeitável, capaz de integrar e superar tudo o que havia de bom no judaísmo e no paganismo.
Para o exegeta Senén Vidal [ii], Lucas arredonda a história. Existem indicações de que o movimento cristão não começou apenas em Jerusalém, mas em diversos lugares da Palestina e noutras regiões vizinhas, alcançando rapidamente as grandes cidades da bacia do Mediterrâneo. Seja como for, uma das razões da dispersão dos cristãos da corrente mais aberta ao mundo gentio foi, sem dúvida, a hostilidade encontrada entre os judeus da Palestina.
Importa, no entanto, não simplificar um fenómeno complexo dos começos do cristianismo. Não se devem confundir as atitudes dos cristãos jerusalemitanos, a que Paulo chama falsos irmãos, com as dos dirigentes da comunidade e nem a de Pedro era igual à de Tiago e seus seguidores [iii]. Não se pode esquecer que existiam tensões e conflitos, inclusivamente nas próprias comunidades paulinas. Além disso, os cristãos das tradições utilizadas pelo IV Evangelho (S. João) não encaixam em nenhuma das correntes já referidas.


3. A memória desse passado — naquele tempo — é insubstituível. Mas poderemos viver apenas na interpretação dessa memória? 
Precisamos de elaborar novas narrativas para as experiências novas da fé cristã! Não bastam os habituais boletins das paróquias e os chamados “Encontros de Formação”, nem os discursos teóricos sobre a Teologia Narrativa. Que processos concretos importa desencadear, nas paróquias e nos movimentos, desde a infância e em todas as idades, seja em que mundo for, para criar um clima cultural que ajude a fomentar, em todas as formas de linguagem simbólica, estilos novos para a expressão da fé?
Não se pode exigir a todos os catequistas, a todos os pregadores, padres e bispos, que tenham as atitudes, as palavras, os gestos, o humor e a misericórdia do Papa Francisco. Mas não é obrigatório servir-se da liturgia para ser aborrecido.


P.S.: Mário Soares declarava-se republicano, laico, socialista e agnóstico. Confessava que não tinha recebido a graça da fé. Não se cansava de dizer que o seu pai foi sempre um fervoroso católico. Cultivou amizade por alguns cardeais, bispos, padres e frades. A sua grande admiração pelo Papa Francisco levava-o a lamentar não ver, em Portugal, mais seguidores.


[i] Cf. Act 4,12-31.
[ii] Hechos de los Apóstoles y Orígenes Cristianos, Sal Terrae, Santander 2015, pp. 167-169.
[iii] Gal, 2,1-14

Comentários