Morreu Mário Soares

 Sem ele, 
tudo seria diferente em Portugal 
depois do 25 de Abril


A notícia que encheu hoje a comunicação social, nacional e um pouco por todo o mundo, informa que morreu Mário Soares, a quem os portugueses muito devem. Político determinado, corajoso e consciente da importância de um socialismo de rosto humano e democrático, faleceu hoje, aos 92 anos, depois de uma vida plena de ideais de justiça social, no respeito absoluto pelos direitos humanos e pela liberdade. Era um homem culto, amante da vida e sempre pronto para a luta em defesa de uma democracia pluralista.
Diz o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa que Mário Soares «conheceu a glória e o revés, os amores e os desamores de cada instante», referindo, ainda, que «há imagens únicas que ninguém esquecerá», como «a presença corajosa ao lado de Humberto Delgado, a resistência a partir do exílio, a chegada a Santa Apolónia, o discurso na Fonte Luminosa, a disponibilidade para servir como primeiro-ministro em duas crises financeiras, a tenacidade na primeira volta das presidenciais de 1986, as presidências abertas e a alegria no diálogo com as gentes da cultura». E eu acrescento: com o povo em quem se revia
Os meus pêsames a todos os democratas que foram e são capazes de reconhecer a importância da sua intervenção social e política, antes e depois do 25 de Abril. Sem ele, tudo seria diferente em Portugal.

Comentários