António Guterres garante que não é milagreiro

"É útil dizer que não há milagres 
e tenho a certeza de que não sou milagreiro"


«"Sei que a forma como o processo de eleição decorreu gerou muitas expectativas. Acho que é útil dizer que não há milagres e tenho a certeza de que não sou milagreiro", disse o português.
"A única forma de atingir os nossos objetivos é trabalhar juntos, como equipa, e ganhar o direito de servir os valores globais consagrados na Carta, que são os valores da ONU e os valores que unem a humanidade", acrescentou.
O antigo primeiro-ministro português, que entrou em funções no primeiro dia do ano, falava a várias dezenas de funcionários que o aguardavam no momento em que entrou na sede da ONU em Nova Iorque.
"Não devemos ter ilusões, estamos a enfrentar tempos muito desafiantes", começou por dizer, lembrando o ataque terrorista na noite de passagem de ano em Istambul que vitimou 39 pessoas.»

Ler mais no DN

NOTA: À natural euforia dos portugueses pela eleição de António Guterres para o alto cargo de Secretário Geral da ONU, passámos à realidade. Oficialmente, Guterres entrou hoje em funções e a partir de agora só contarão os resultados concretos de negociações que levarão, ou não, ao fim dos conflitos dolorosos das guerras e terrorismos.
Eu  acredito que António Guterres tentará tudo para que haja paz, justiça social e diálogo entre nações e povos nas mais diversas latitudes. Mal seria que não acreditasse. Mas não deixo de reconhecer que o novo Secretário Geral das Nações Unidas vai encontrar muitos ódios e raivas recalcados, guerras intermináveis, terrorismos ignóbeis, crimes hediondos. E a paz, tão desejada por tantos,  talvez continue uma miragem terrível. Que Deus e homens bons o ajudem nesta hora difícil.

Comentários