Papa Francisco celebra o seu 80.º aniversário


O Papa Francisco celebra hoje o seu 80.º aniversário, mantendo a agenda de encontros e demais trabalhos. Celebra o seu aniversário sem interromper o seu múnus papal, dando-nos o exemplo preclaro de entrega absoluta à missão que aceitou já na velhice. Sublinho isto porque vejo e sinto que na idade dele muitos de nós ousam sonhar com o fazer nada, fugindo da vida ativa por preguiça mental ou física, mas também por comodismo inglório. O Papa não é desses. O Papa revolucionou a Igreja, garantindo que, a partir dele, haverá, espero eu, uma outra Igreja, capaz de estar no mundo, de dialogar com todos, independentemente das suas convicções religiosas, políticas, sociais ou artísticas. 

Não estávamos habituados a esta forma de ver o Papa a misturar-se com o povo, a comprar óculos numa loja como um cidadão normal. A telefonar a pessoas e instituições, a visitar inesperadamente os desprotegidos da sorte, a olhar para os sem-abrigo com preocupação, a dar entrevistas com a maior tranquilidade deste mundo, a denunciar injustiças, a promover encontros para diálogos francos, a dizer que tem vergonha de ver a indiferença com que a comunidade internacional olha de soslaio para os refugiados, a dinamizar diplomacias entre nações desavindas. A ralhar com os carreiristas da cúria vaticana. A sugerir aos mesmos e a todos uma vida alicerçada no amor, na alegria, na partilha. Não quer condenar ninguém, porque a Igreja tem de ser mãe acolhedora. 

Podia continuar a enaltecer este Papa que me cativou desde o princípio. Porém, ainda digo: Foi pagar a conta da sua estada em Roma no conclave que o elegeu Papa, foi de autocarro com os demais cardeais, recusou os aposentos que lhe destinaram e continuou a viver na casa de Santa Marta, onde celebra a Eucaristia, falando ao mundo de forma que todos o entendam. Dizem que renunciará em breve. Mas fica o seu exemplo. A Igreja depois dele será diferente da que todos conhecemos até à sua eleição. Que Deus o abençoe e o preserve enquanto ele estiver lúcido e atuante.

Fernando Martins

Comentários