No Advento e Natal havia sempre os encontros da família

Irmã Eliane Maria 
Em tempo de férias 
as famílias se ampliam 

Nasci na cidade de Frederico Westphalen, no interior do Rio Grande do Sul, Brasil. Vale dizer que no Brasil, nesta altura do ano, estamos no início do verão, é tempo de férias grandes. Quem está mais longe vem passar as festas de final de ano com a família. E por estar numa comunidade pequena, onde todos se conhecem, as famílias se ampliam.
Para o tempo de Advento e Natal, tínhamos sempre os chamados “encontros de família”, que eram encontros propostos pela Diocese com temas específicos e que visavam reunir as famílias. Para nós, crianças, eram motivo de alegria, porque podíamos nos encontrar e brincar mais um pouco, contar o que íamos ganhar no Natal e muito mais. O presente ao Menino Jesus era sempre consoante aquilo que a mãe achava que no momento era preciso: roupas, calçados ou um brinquedo. A surpresa era sempre os doces que acompanhavam o presente, que, sem a gente compreender, ao regressar da missa lá estavam sobre a cama ou junto da árvore de Natal.
Em minha família, era um tempo de mais trabalho, uma vez que já estávamos em férias e podíamos ajudar mais em casa e na lavoura, pois meus pais são agricultores. Em casa, a mãe começava com a “famosa limpeza de Natal”, e logo a seguir preparava os deliciosos doces de Natal — torta de bolachas, cuca (pão doce típico da culinária italiana), cajuzinhos (doce feito de amendoim torrado e leite condensado) e, claro, não podia faltar a galinha recheada e a carne fresca para o churrasco do dia de Natal. Para acompanhar, um delicioso e quente chimarrão (bebida típica do sul do Brasil) e para as crianças um guaraná e por fim um gelado de sobremesa.
Deste tempo, também fazia parte o preparar a árvore de Natal e o Presépio na Igreja de nossa comunidade, o que era sempre uma diversão e alegria.
A missa de Natal geralmente era a da comunidade vizinha, onde encontrávamos os avós paternos e muitos dos tios e primos. Rezávamos junto do presépio e já nos alegrávamos por poder estar todos juntos no dia de Natal na casa da “nona”(avó no dialeto italiano). As festas de Natal e final de ano eram sempre um dia de encontro, ora com os tios e primos da parte do pai, ora com os da parte da mãe. Na casa dos avós sempre podíamos comer doces à vontade e ouvir os mais velhos contar histórias do seu tempo de criança. Isto sempre nos fascinava. 

Irmã Eliane Maria Batalin
Comunidade de Schoenstatt da Gafanha da Nazaré 
(mantivemos no texto a ortografia 
e sintaxe do Português do Brasil)

Nota: Texto publicado no "Timoneiro"

Comentários

  1. Irmã Eliane: Eu tinha um irmão entretanto já falecido, que também era gaucho, "natural" por adoção, da cidade de Pelotas, do Rio Grande do Sul!!!...

    Um Feliz e Santo Natal, para todas as Irmãs de Schoenstatt da Gafanha da Nazaré

    ResponderEliminar

Enviar um comentário