Natal — Tudo se fazia para manter a tradição familiar

Do Natal da minha infância 

Maria de Lourdes Almeida


Do Natal da minha infância, na década de 1950, retenho o espaço físico, a alegria e os cheiros. Tudo era mágico! O Natal era passado e vivido a três: eu, a minha mãe e o meu pai (a minha irmã nasceu 14 anos mais tarde). Vivíamos em Lisboa e a restante família estava em Leiria. Na altura, ir a Leiria significava cerca de 5 horas de camioneta para cada lado e o horário de trabalho na véspera de Natal era igual ao dos restantes dias. 
Ao chegar do trabalho, no dia 24, a minha mãe, ainda que com a ajuda do meu pai que sempre colaborou nas lides domésticas (um homem muito vanguardista para a época), começava os preparativos para as iguarias natalícias: cozer a abóbora para as filhós que precisavam de tempo para levedar, fazer o arroz doce, preparar as rabanadas e a salada de fruta. Quando os doces estavam prontos e o cheiro dos fritos pairava por toda a casa, preparava-se o bacalhau com batatas e couve (comprava-se a que vinha de Trás-os-Montes por ser mais tenra e saborosa). 
Não me recordo se esperávamos pela meia-noite para cear, mas creio que não deveria fugir muito a essa hora. Após o repasto era hora de limpar a cozinha. Tudo tinha de ficar escrupulosamente limpo, não fosse o Menino Jesus sujar-se ao descer pela chaminé. Enquanto a minha mãe se ocupava desta tarefa de limpeza o meu pai sentava-se a engraxar os sapatos. Então, o Menino Jesus não ia deixar os presentes em cima de sapatos mal limpos. Chegava a hora de ir para a cama. Que sufoco! E o Menino Jesus não se iria esquecer da nossa casa? Ter-me-ia portado suficientemente bem para merecer os presentes?
Apesar da luta para não fechar os olhos e de perguntar milhentas vezes aos meus pais se o Menino já teria vindo, o sono acabaria por ser mais forte e vencer. Na manhã do dia 25…. Corrida até à cozinha. Ah! Alegria! O Menino Jesus não se tinha esquecido da nossa casa. E havia presentes para cada um de nós (embora fosse mais generoso para comigo; afinal, era uma criança! E tinha sempre, pelo menos, um brinquedo). Após estes momentos de deslumbramento era necessário agradecer e festejar com a comunidade religiosa o nascimento do Menino. Era hora de ir à Missa. E também era preciso ir mostrar a fatiota. 
O Natal era um dia demasiado importante para que não se estreasse roupa nova. Depois havia o almoço. O peru tinha já ficado temperado de véspera. Era só pô-lo no forno e fazer o acompanhamento. A sobremesa, essa estava pronta da véspera e a barriga até já começava a acusar tantos fritos, mas as filhós eram tão boas! E na mesa também havia o bolo rei, as broas castelar, os figos e o miolo de noz. Tudo se fazia para que, apesar da distância, se mantivesse a tradição familiar.

Maria de Lourdes Almeida

Natural de Lisboa mas com raízes familiares em Azoia, Leiria. 
Durante vários anos coordenou a catequese paroquia

Nota: Texto publicado no "Timoneiro"

Comentários