A restaurada Diocese de Aveiro faz hoje 78 anos

 Os Bispos da Restaurada Diocese de Aveiro

D. João Evangelista 

D. Domingos da Apresentação 

D. Manuel de Almeida Trindade

D. António Marcelino

D. António Francisco
D. António Moiteiro 
A Diocese de Aveiro foi criada pelo papa Clemente XIV a 12-04-1774, a pedido do monarca D. José I, abrangendo uma área destacada do território da Diocese de Coimbra; em 24-03-1775 deu-se execução ao documento pontifício. A catedral foi instalada na igreja da Misericórdia e, mais tarde, em 1830, na igreja que fora do extinto Recolhimento de S. Bernardino. Posteriormente, foi extinta pelo papa Leão XIII em 30-09-1881, executada em 04-09-1882. 
Pela bula Omnium Ecclesiarum, de 24-08-1938, o papa Pio XI restaurou-a, dando-lhe novos limites, com oitenta e duas freguesias de dez concelhos, desmembrados das Dioceses de Coimbra (Águeda, Anadia, Aveiro, Ílhavo, Oliveira do Bairro e Vagos), do Porto (Albergaria-a-Velha, Estarreja e Murtosa) e de Viseu (Sever do Vouga); foi então elevada a catedral a secular igreja do extinto Convento de S. Domingos e matriz da Paróquia de Nossa Senhora da Glória. A sentença executória da restauração deu-se em 11-12-1938.
Curiosamente, eu, Manuel Fernando da Rocha Martins, que nasci em 24 de novembro de 1938, Diocese de Coimbra, fui batizado no dia 25 de dezembro do mesmo ano, já na Diocese de Aveiro.
Nesta data comemorativa dos 78 anos, a Diocese de Aveiro merece os meus e nossos parabéns, na pessoa do seu Bispo atual, D. António Moiteiro.
Permitam-me que recorde os Bispos da restaurada Diocese de Aveiro, que tive o privilégio de conhecer. Falei com todos, exceto com D. João Evangelista. Mas participei no seu funeral, que foi grandiosos, na minha ótica.
Ao evocá-los, a minha memória diz-me que todos foram importantíssimos para a Igreja Aveirense, cada um a seu modo: D. João, bispo prático, sereno e poeta em muito do que dizia e escrevia. Levou a cabo o Primeiro Sínodo Dicesano, o sínodo da unidade. As paróquias vieram de três dioceses;  D. Domingos, o bispo do fervor pastoral. Queria chegar a tudo e a todos quanto antes; D. Manuel, um homem bom, sensível, e um bispo de grande cultura teológica e do concílio Vaticano II; D. António Marcelino, com todo o seu entusiasmo, criou estruturas pastorais abertas ao futuro, nomeadamente, o Congresso dos Leigos e o Sínodo Diocesano para enfrentar os desafios de tempos novos; D. António Francisco, um bispo próximo que nos abriu portas de bondade, de atenção aos outros e de grande dinamismo no diálogo constante com que soube sensibilizar-nos para a ação; D. António Moiteiro, o bispo dos nossos dias e para nós, atento ao que importa fazer e ao que o cerca, sem descurar a atenção aos mais sofredores. 

Fernando Martins 

Fonte: Diocese de Aveiro

Comentários