Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2016

O segredo de Francisco: tempo para o ócio silente

Imagem
Crónica de Anselmo Borges no Diário de Notícias


Deixo aqui os meus melhores votos para o novo ano, desejando a todos saúde, paz, realizações felicitantes e também o que me parece de suprema urgência: ao longo do ano todo, algum tempo para o ócio silente.
Uma das características da nossa época, que causa estragos sem fim, é a agitação geral e frenética, consumista, que tudo devora. O nosso tempo não tem lugar para o ócio, aquele ócio de que fala a scholê grega. Vivemos, como dizia o grande bispo do Porto D. António Ferreira Gomes, na "agitação paralisante e na paralisia agitante", isto é, não vivemos verdadeiramente. Porque o autenticamente humano está recalcado. Vivemos na dispersão agitada e agitante, sem encontro autêntico connosco e, portanto, também com os outros e com o essencial da vida. A net contribui frequentemente para fazer aumentar esta agitação alienada e alienante, e até estupidificante, pois todos podem agora, escondidos no anonimato cobarde, pronunciar-se sobr…

ROGAI POR NÓS, SANTA MARIA, MÃE DE DEUS

Imagem
Reflexão de Georgino Rocha

Dia Mundial da Paz
Esta invocação à Santa Mãe de Deus abre a segunda parte da Avé Maria, oração decorrente do diálogo do Anjo Gabriel com ela aquando da anunciação. Nasce e flui como resposta do povo cristão perante a contemplação das maravilhas enunciadas na primeira parte: Maria, a cheia de graça, convidada a alegrar-se, que fica surpreendida e preocupada com a mensagem recebida, que é escolhida para ser a Mãe de Jesus, o filho do Altíssimo, que quer saber o como de tudo isso que contrasta com a sua opção de noivado com José, que confia na verdade narrada, que se disponibiliza para ser a obediente serva e assumir tão grandioso projecto. Maria, a reconhecida por Isabel como Mãe do Senhor, a bendita entre as mulheres que gera no seu ventre um fruto precioso, Jesus. “Rogai por nós, Santa Mãe de Deus” reza, na Salve Rainha, a fé do povo cristão em súplica confiante ao sentir as aflições da vida e os males do mundo, ao fazer a experiência da fragilidade humana e…

Natal é quando um homem quiser!

Imagem
Uma reflexão  de Vítor Amorim

O dia de celebração do Natal está prestes a terminar. Será que nos arriscamos a que o Natal também deixe de ser sentido, vivido e transmitido até ao próximo mês de Dezembro de 2017? Creio que não! Esta questão não faz, aliás, nenhum sentido. No entanto, não esqueço que o Natal do Deus incarnado; o Natal do Deus connosco para todo o sempre, para que sejamos homens e mulheres de corpo e alma inteira, contraria a lógica do poder, da vaidade, da mentira. O Natal é um constante apelo aos valores e testemunho da humildade, da misericórdia e da comunhão. Julgo não estar enganado se disser que o Natal só é verdadeiramente entendido por aqueles e aquelas que estão libertos para caminharam, sem condições, na direcção das periferias humanas, onde, pela indiferença de uns ou pelas atitudes incompreensíveis de outros, subsiste a dor, a indiferença e a marginalização dos mais frágeis e vulneráveis da sociedade. Nesta noite de Natal, peço ao Menino do Presépio que me aj…

Notas do meu diário: O mundo será aquilo que nós quisermos

Imagem
1. Gosto do Natal pelo estímulo que nos dá para sermos bons. Tudo aponta nessa linha, tanto o ar que se respira como as melodias que nos envolvem, tanto  as mensagens enviadas e recebidas por parentes e amigos, tanto, ainda, para crentes como eu, pela ternura que se desprende do Menino-Deus dormindo tranquilo nas palhinhas da manjedoura, como nos ensinaram quando éramos menino como Ele. E, curiosamente, mesmo depois de desfeita a magia das prendas do Menino Jesus, a candura do presépio permanece inabalável na nossa vida, tornando-nos brandos e solidários uns com os outros. Somos meninos imensas vezes nos caminhos da nossa existência, que tão depressa se esvai. 
2. Ao darmos conta das notícias com que somos bombardeados durante as 24 horas do dia, não podemos ignorar que o mundo parece desfazer-se minuto a minuto com ódios, guerras, cataclismos, terrorismos, injustiças, fomes e perseguições atrozes. O que nos vale, e por vezes nem damos conta disso ou fingimos que somos ceguinhos, é q…

Adeste Fideles por Andrea Bocelli

Imagem

NATAL OU PÁSCOA?

Imagem
Crónica de Frei Bento Domingues  no PÚBLICO


1. O dia 25 de Dezembro não celebra o aniversário histórico do nascimento de Jesus de Nazaré. A Igreja de Roma fixou esta data como réplica pastoral à festa solar pagã do Natalis Invicti, festa de inverno no hemisfério norte. Foi uma bela astúcia. Procurava destronar a heliolatria, o culto do sol, pela celebração do nascimento de Jesus Cristo, o verdadeiro Sol Invencível, a luz da justiça e da graça. Se o Natal é decisão romana, a Epifania, a 6 de Janeiro, é de origem oriental: celebram ambas a mesma realidade, a manifestação do Deus humanado. A linguagem das Escrituras e da Liturgia não caiu do Céu. Para fazer entender a novidade cristã foram transpostas, muitas vezes, imagens e festas pagãs para o universo católico. Onde hoje alguns podem julgar que houve uma paganização do Cristianismo, outros vêem, nesse esforço, a sua cristianização. A este propósito, as descrições que Epifânio de Salamina[i] fez da festa pagã, de tipo solar, ajudam-nos…

ALEGRAI-VOS. HOJE NASCEU O SALVADOR

Imagem
Reflexão de Georgino Rocha



O convite à alegria ecoa no descampado de Belém onde pastores vivem e guardam os rebanhos. (Lc 2, 1-14). É noite que envolve também o seu coração. O povoado fica a uns três km, agravando o desconforto emocional. Apenas o apoio mútuo lhes serve de amparo e consolação. São marginais `que sobrevivem em precárias condições. São trabalhadores por conta de outrem sem qualquer protecção legal. São “nómadas” considerados violentos e ladrões, socialmente perigosos e ameaçadores. Gente a evitar e a manter à-distância.
No céu de Belém, faz-se ouvir uma voz estranha que se vai aproximando. Sentem muito medo. Ficam pasmados com o convite que lhes é dirigido: “Não temais, porque vos anuncio uma grande alegria para todo o povo: nasceu-vos hoje, na cidade de David, um Salvador, que é Cristo Senhor”. E para os demover, o Anjo indica-lhes um sinal de reconhecimento: o Menino recém-nascido, envolto em panos e deitado numa manjedoura. O grande medo cede lugar a uma enorme paz, …

Natal. Traduções da Bíblia

Imagem
Crónica de Anselmo Borges  no Diário de Notícias


«Estou convencido 
de que o desconhecimento da Bíblia  e a proibição da sua leitura  foram uma das causas 
do atraso cultural de Portugal.»
1 "A Bíblia é o poema colectivo mais longo criado até agora pela humanidade. Nele se espelham as várias batalhas que os homens engendram na sua demanda pelo amor absoluto. Não admira que a literatura ocidental nele tenha encontrado os seus modelos de narração amorosa mais fortes e que os seus mitos continuem a servir de moldura para o pensamento em torno da liberdade e da paz" (Lídia Jorge).
Ernst Bloch, marxista heterodoxo e ateu religioso, ainda na antiga República Democrática Alemã, dizia nas suas aulas, para escândalo do governo comunista, que os nazis, ao recusarem a Bíblia, já "não puderam compreender a cultura alemã". De facto, sem a Bíblia, não podemos compreender os cânticos de Natal, da Páscoa, costumes populares..., não conseguimos entender o gótico, a Idade Média, Dante, Re…

Quem ouve, hoje, a voz dos anjos no silêncio da noite?

Imagem
Mensagem do Bispo do Porto: Com Maria e José sonhar a alegria do Natal

1. Como sonhar a alegria do Natal nas ruas manchadas pelo sangue derramado em Paris, Nice, Ancara ou Berlim? Como construir presépios nas ruínas de Alepo, donde fugiram os cristãos? Que presente de Natal oferecer ao menino que chora convulsivamente porque o seu pai está preso, ao ouvir cantar os parabéns, no dia do seu aniversário, pelos companheiros e educadoras daquele Centro Social de um bairro pobre da cidade? Vinte séculos depois, o mundo continua a fechar as portas das albergarias da cidade diante da vida que nasce e incomoda e frente a famílias de refugiados, sem teto, sem terra e sem trabalho. Os poderosos do mundo parecem continuar distraídos de tudo isto, ocupados com outras coisas, enredados nos seus negócios ou absorvidos pela ambição desmedida do seu domínio. Quem ouve, hoje, a voz dos anjos no silêncio da noite? Quem se apressa a acorrer à gruta de Belém? Quem se deixa iluminar pela estrela que nos con…

Nascerás esta noite em Alepo

Imagem
Um poema de Senos da Fonseca 
para este tempo




Nascerás
Esta noite em Alepo.
Não terás Reis, nem Magos.
E de mirra terás o odor dos
Mortos.
Verás homens ferozes
Matando outros homens
Sem perceberes porquê.
Verás meninos empunhando armas
Matando outros meninos.
Apesar de Ti
O mundo está pior.
Nesta noite chorarei…
Chorarei sobre as consciências
Adormecidas.
Chorarei sobre os que ainda
Acreditam
Na inocência.
Esta noite não quero mais natal
Nesta noite morreu meu sonho
O de acreditar que o Homem
Se queria igual.


Senos da Fonseca

Natal 2016

NATAL, ÉS TU

Imagem
NATAL, ÉS TU

"O Natal és tu, quando decides nascer de novo em cada dia e deixar Deus entrar na tua alma.
A árvore de Natal és tu, quando resistes vigoroso aos ventos e dificuldades da vida.
Os enfeites de Natal és tu, quando as tuas virtudes são cores que enfeitam a tua vida.
O sino de Natal és tu, quando chamas, congregas e procuras unir.
És também luz de Natal, quando com a tua vida iluminas o caminho dos outros
com a bondade, a paciência, a alegria e a generosidade.
Os anjos de Natal és tu, quando cantas ao mundo uma mensagem de paz, justiça e amor...
Os cânticos de Natal és tu, quando conquistas a harmonia dentro de ti.
Os presentes de Natal és tu, quando és um verdadeiro amigo e irmão de todos os seres humanos.
Os desejos do Natal és tu, quando perdoas e restabeleces a paz, mesmo sofrendo.
A consoada és tu, quando sacias com pão e esperança o pobre que te é próximo.
Tu és a noite de Natal, quando, humilde e consciente, recebes no silêncio da noite o Salvador do mundo, sem ruído nem gra…

José Tolentino Mendonça em entrevista ao PÚBLICO

Imagem
"Muitas pessoas estão a dar  uma segunda oportunidade à Igreja"



É um dos grandes pensadores do Portugal contemporâneo e do lugar do catolicismo no mundo. Em entrevista ao PÚBLICO e à Rádio Renascença, José Tolentino Mendonça fala do Natal, do amor, da poesia e do papel do Papa Francisco na reinvenção do papel da Igreja.


José Tolentino Mendonça não tem dúvidas: o Papa Francisco trouxe à Igreja Católica uma vitalidade que se julgava perdida e a prova disso são as muitas pessoas que se reconciliaram com a fé cristã. “Está a acontecer um pouco por todo o lado e como sinal, ao mesmo tempo, de uma cultura que volta a ter disponibilidade para ouvir aquilo quer julgava que já não queria ouvir mais.” A poucos dias do Natal falamos com o padre-poeta que gosta de construir pontes entre crentes e não-crentes, entre fé e pensamento.
Há um Natal de antigamente e um Natal dos dias de hoje?  As formas como vivemos o Natal não são indiferentes à História, até porque o cristianismo é uma religiã…

Notas do meu diário: Hoje volto à liça

Imagem
22 de dezembro


1. Já não ando por aqui, com textos próprios, desde 14 de dezembro. Alguns incómodos de saúde, felizmente não muito graves, impedem-me de seguir o meu ritmo normal. Hoje, porém, dei uma sapatada nesse incómodo e volto à liça habitual, que parar é morrer.
2. A época natalícia é, porventura, a que mais me toca. Sempre senti isso desde menino, desde quando a minha saudosa mãe me falava do nascimento do Menino Jesus, com o olhar repassado de ternura pelo Deus-Menino que haveria espalhar bondade, alegria, paz e fraternidade. De teologia, a minha mãe nada saberia. Muito menos seria capaz de me explicar por que razão quis Deus fazer-se homem há mais de dois mil anos. Mas sabia que era sua e nossa obrigação acolhê-Lo neste mundo maravilhoso, quiçá um vale de lágrimas para muitíssima gente. E depois, anunciava que no dia 25 de dezembro, começos do inverno, teríamos a grande noite, na qual não faltavam os presentes que o Menino se encarregaria de distribuir por todas as crianças …

De mãe a discípula

Imagem
Crónica de Frei Bento Domingues no PÚBLICO

«A igreja não tem nenhuma fórmula para salvar o mundo.  É uma convocatória para o trabalho.  Não é pouco.»
1. Pertencem a Paulo os primeiros escritos do Novo Testamento. Não são de carácter narrativo. São tentativas de interpretação de uma experiência que mudou completamente a sua vida, que o fez nascer de novo. A iluminação que derrubou as suas certezas não o fez ver apenas que nem Jesus nem os seus discípulos eram traidores da autêntica fé de Israel. Esta tinha sido atraiçoada ao deixar-se prender pela Lei, pelos seus preceitos e regulamentos, tornando-se uma questão nacionalista. Jesus não cabia em Israel e não era só um judeu fora de série. Era um começo novo da humanidade. S. Lucas imaginou a sua genealogia como filho de Adão, como filho de Deus[1] e S. Mateus dirá, citando Isaías, que ele é Deus connosco[2]. É o evangelho de um filho da humanidade para toda a humanidade. Quem frequentar as engenhosas narrativas, magníficos romances do nasc…

Anunciação. Josefa de Óbidos

Imagem

Papa Francisco celebra o seu 80.º aniversário

Imagem
O Papa Francisco celebra hoje o seu 80.º aniversário, mantendo a agenda de encontros e demais trabalhos. Celebra o seu aniversário sem interromper o seu múnus papal, dando-nos o exemplo preclaro de entrega absoluta à missão que aceitou já na velhice. Sublinho isto porque vejo e sinto que na idade dele muitos de nós ousam sonhar com o fazer nada, fugindo da vida ativa por preguiça mental ou física, mas também por comodismo inglório. O Papa não é desses. O Papa revolucionou a Igreja, garantindo que, a partir dele, haverá, espero eu, uma outra Igreja, capaz de estar no mundo, de dialogar com todos, independentemente das suas convicções religiosas, políticas, sociais ou artísticas. 
Não estávamos habituados a esta forma de ver o Papa a misturar-se com o povo, a comprar óculos numa loja como um cidadão normal. A telefonar a pessoas e instituições, a visitar inesperadamente os desprotegidos da sorte, a olhar para os sem-abrigo com preocupação, a dar entrevistas com a maior tranquilidade …

A revolução de Francisco: "Sou amado, logo, existo"

Imagem
Crónica de Anselmo Borges no Diário de Notícias



1. Na perspectiva grega, o decisivo é conhecer a essência, por exemplo, o que é Deus? Na perspectiva hebraica, no que a Deus se refere, a perspectiva é outra: o que é que acontece quando Deus está presente? Foi assim que João Baptista, na prisão, mandou discípulos perguntar a Jesus se era ele o Messias. Jesus não deu nenhuma resposta teórica. Deviam eles próprios descobrir a verdade a partir do que viam que estava a acontecer: "Ide contar a João o que estais a ver e a ouvir: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos ficam limpos, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e aos pobres é anunciada a boa notícia." O Messias verdadeiro é aquele que está presente em nome de Deus a aliviar os tremendos sofrimentos das pessoas, a abrir horizontes de esperança para todos, sobretudo para os pobres e abandonados. Jesus está aí, libertando da opressão e da indignidade, anunciando e realizando um mundo novo de alegria e dignidade para todos.…

Estou sem tempo — um soneto para aliviar

Imagem
Conta e Tempo

Deus pede estrita conta de meu tempo.
E eu vou do meu tempo, dar-lhe conta.
Mas, como dar, sem tempo, tanta conta
Eu, que gastei, sem conta, tanto tempo?

Para dar minha conta feita a tempo,
O tempo me foi dado, e não fiz conta,
Não quis, sobrando tempo, fazer conta,
Hoje, quero acertar conta, e não há tempo.

Oh, vós, que tendes tempo sem ter conta,
Não gasteis vosso tempo em passatempo.
Cuidai, enquanto é tempo, em vossa conta!

Pois, aqueles que, sem conta, gastam tempo,
Quando o tempo chegar, de prestar conta
Chorarão, como eu, o não ter tempo...


Frei António das Chagas,  em Antologia Poética

Não temas, Jesus é o Deus connosco

Imagem
Reflexão de Georgino Rocha


O Filho de Maria de Nazaré tem dois nomes por sugestão do anjo que Mateus regista no seu Evangelho (Mt 1, 18-24): Jesus, o Salvador; e Emanuel, Deus connosco. Designam a mesma pessoa realçando a sua entrada na história humana e a sua função messiânica. De facto, só Jesus salva como já se indicia a partir do seu nascimento. E José, o justo, surge como o homem providencial a quem é confiado o encargo de lhe dar o nome, inserindo-o na linhagem de David e assumindo a paternidade segundo a lei judaica. Protagoniza assim um dos momentos mais marcantes da vida de Jesus, que fica a ser conhecido por filho de José, o artesão de Nazaré. Os nomes indicados deixam em aberto a possibilidade de outros surgirem ao longo da história, não para anular o seu alcance, mas para os configurar em situações especiais. Será o caso de uma relação existencial específica ou de outra circunstância peculiar. Assim, o nome de Jesus pode ser o misericordioso, o paciente, o manso e humilde,…

Mensagem de Natal do Bispo de Aveiro

Imagem
No “sim” de Maria, o Verbo fez-se carne e habitou entre nós. Ele é verdadeiramente o Emanuel, o Deus connosco. «Sabei que Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos», diz-nos Ele (cf. Mt 28,20). Em ocasiões de crise do povo de Israel (Is 7,14), Ele já tinha sido anunciado como o Deus que nunca abandona o seu povo, apesar das suas infidelidades.
Jesus, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, veio anunciar o Reino de Deus. Toda a sua vida e toda a sua obra são a realização deste novo tempo, a que todos estamos chamados a construir. É Jesus, o menino do presépio, o homem da cruz e o Cristo ressuscitado, quem entrega livremente a sua vida; e o sangue derramado sela a nova Aliança com o novo e verdadeiro Israel – a sua Igreja. Eis que fica, para sempre, no meio de nós e ao nosso dispor.

Não é lixo, não senhor!

Imagem
Não... não é lixo. Pode parecer que é, mas não é. ,E simplesmente o reflexo do sol que caiu sobre a laguna aveirense. Ao fundo, num tom acinzentado como que a ameaçar chuva, vê-se a ponte que nos liga às nossas praias da Barra e Costa Nova, Mas o Sol lá descobriu uma nesga para nos saudar com magia. Quando quer, o astro rei fica sempre a ganhar.

Painéis cerâmicos de VIC na igreja matriz

Imagem
As igrejas são, muitas vezes, repositórios de artes que nos enchem a alma, enquadrando de forma especial as diversas cerimónias litúrgicas, enriquecendo-as sobremaneira. E a nossa igreja matriz não foge à regra. Neste número do Timoneiro debruçamo-nos apenas sobre a capela do Santíssimo Sacramento e o pórtico dos Santos Óleos, ambos com painéis cerâmicos de um artista aveirense, Vasco Branco, que esteve ligado à Gafanha da Nazaré, tendo sido fundador, proprietário e diretor técnico da Farmácia Branco, na Cale da Vila. Vasco Branco, que se notabilizou pela sua polivalência artística, em especial como escritor (contista, novelista e romancista), pintor, ceramista e cineasta, assumiu VIC como nome artístico. O nosso povo, decerto, ao olhar para os dois painéis, fixando os olhares em VIC, talvez nem saiba que se trata do Dr. Vasco Branco, que frequentemente ocupava o seu lugar de técnico responsável na farmácia que ostentava o seu apelido. O nosso conterrâneo Armando Cravo informou-nos há…

Bombeiros Voluntários de Ílhavo esperam por nós

Imagem
Lançamento de uma litografia de António Neves 17 de dezembro, 15 horas

No próximo sábado, 17 de dezembro, pelas 15h, no Salão Nobre Dr. João Resende, os Bombeiros Voluntários de Ílhavo vão fazer a apresentação de uma Litografia da autoria do artista António Neves, que estará presente para as autografar.
Será possivelmente uma boa prenda de Natal e, desta forma, quem a comprar estará a ajudar os nossos Bombeiros.

Natal 2016: Somos portadores da alegria

Imagem
Crónica de Maria Donzília Almeida


Com a entrada de dezembro, começa a sentir-se o ar impregnado do cheirinho a Natal. Os primeiros sinais bem visíveis e apelativos começam nos mass media, com particular incidência na caixinha mágica que entra em casa e nos seduz. Aí, a publicidade de tão insistente começa a impor-se de forma subliminar, chegando a ser agressiva. Os perfumes, por exemplo, que têm um alvo específico, ocupando largo tempo de antena, metem-se pelos olhos dentro a quem quer impressionar pelo olfato.  Sendo o 67.º Natal que eu vivencio, se Deus quiser e me der saúde, como dizia a minha mãe, é com algum distanciamento que assisto a este materialismo.  Recordo, com saudade, os natais da minha infância, que tinham a magia e a candura da idade da inocência. Com os parcos recursos das famílias, a mesa de Natal era pobrezinha, mas à volta dela reunia-se a família, que na altura ainda era uma instituição de peso.  Pai e mãe presidiam à celebração e os filhos, sem as pretensões das…

No Farol, a noite estava a chegar

Imagem
Foi à tardinha. A noite vinha a caminho. Apressada. E o nosso Farol, o mais alto de Portugal, estava atento. O foco rotativo dava sinais de que estava próxima a dança intermitente da sua luz anunciadora de que é preciso cuidado, A costa pode ser fatal para quem navega sem radar afinado. Há muitas histórias de tristes destinos. Todo o cuidado é pouco. E então imaginei-me lá no cimo, olhando à volta, mas tanto degrau para subir já não me permite tais  devaneios. Pode ser que um dia o elevador me leve ao cocuruto do Farol da Barra de Aveiro. Há tantos anos que não vivo essa experiência!

A restaurada Diocese de Aveiro faz hoje 78 anos

Imagem
 Os Bispos da Restaurada Diocese de Aveiro





A Diocese de Aveiro foi criada pelo papa Clemente XIV a 12-04-1774, a pedido do monarca D. José I, abrangendo uma área destacada do território da Diocese de Coimbra; em 24-03-1775 deu-se execução ao documento pontifício. A catedral foi instalada na igreja da Misericórdia e, mais tarde, em 1830, na igreja que fora do extinto Recolhimento de S. Bernardino. Posteriormente, foi extinta pelo papa Leão XIII em 30-09-1881, executada em 04-09-1882.  Pela bula Omnium Ecclesiarum, de 24-08-1938, o papa Pio XI restaurou-a, dando-lhe novos limites, com oitenta e duas freguesias de dez concelhos, desmembrados das Dioceses de Coimbra (Águeda, Anadia, Aveiro, Ílhavo, Oliveira do Bairro e Vagos), do Porto (Albergaria-a-Velha, Estarreja e Murtosa) e de Viseu (Sever do Vouga); foi então elevada a catedral a secular igreja do extinto Convento de S. Domingos e matriz da Paróquia de Nossa Senhora da Glória. A sentença executória da restauração deu-se em 11-12-193…

Semeadores de mudança: poetas sociais (2)

Imagem
Crónica de Frei Bento Domingues   no PÚBLICO

1. A partir dos finais dos anos 60 do século passado, os militantes dos movimentos cristãos eram bombardeados com repetidas afirmações marxistas: a fé é a alienação da vida humana, a Igreja é o secular instrumento da alienação e os padres são os intelectuais orgânicos desse processo alienador. A liturgia e a mística eram consideradas formas de fuga do mundo. Nesta perspectiva, a mística era rejeitada como expoente máximo do medo à realidade material, da fuga das responsabilidades sociais, da alienação na sua forma extrema. Era também recusada por ser uma mística de olhos fechados perante a história, sem ligação com as tarefas humanas[1]. Muitas atitudes e práticas religiosas, do passado e do presente, merecem bem esta crítica, mas diante do texto do domingo passado, e que desejo continuar hoje, essa crítica faz-nos sorrir. Não foram poucos os marxistas da época que se emburguesaram. Muitas pessoas da Igreja — e muitas que não se reconhecem em…

No Advento e Natal havia sempre os encontros da família

Imagem
Em tempo de férias  as famílias se ampliam 
Nasci na cidade de Frederico Westphalen, no interior do Rio Grande do Sul, Brasil. Vale dizer que no Brasil, nesta altura do ano, estamos no início do verão, é tempo de férias grandes. Quem está mais longe vem passar as festas de final de ano com a família. E por estar numa comunidade pequena, onde todos se conhecem, as famílias se ampliam. Para o tempo de Advento e Natal, tínhamos sempre os chamados “encontros de família”, que eram encontros propostos pela Diocese com temas específicos e que visavam reunir as famílias. Para nós, crianças, eram motivo de alegria, porque podíamos nos encontrar e brincar mais um pouco, contar o que íamos ganhar no Natal e muito mais. O presente ao Menino Jesus era sempre consoante aquilo que a mãe achava que no momento era preciso: roupas, calçados ou um brinquedo. A surpresa era sempre os doces que acompanhavam o presente, que, sem a gente compreender, ao regressar da missa lá estavam sobre a cama ou junto da …

Prémio Pessoa para Frederico Lourenço

Imagem
«Pode dizer-se que o coro de reações ouvidas após se ter conhecimento da atribuição do Pessoa a Frederico Lourenço foi grande e afinado. Desde logo o presidente da República: "Fico muito alegre, muito feliz, como cidadão, como académico e como Presidente da República. Trata-se de uma personalidade ímpar na nossa cultura, trata-se de uma obra também ímpar. As pessoas das mais diversas sensibilidades, religiões, culturas, consideram que é uma obra marcante, e Frederico Lourenço é de facto uma personalidade marcante na universidade portuguesa, na cultura portuguesa".»
NOTA: Quem sou eu para ajuizar do prémio Pessoa atribuído a Frederico Lourenço, o tradutor da Bíblia do Grego original para o Português contemporâneo? Como leitor do primeiro volume daquela tradução, os "Quatro Evangelhos", apenas sublinho que fiquei muito satisfeito. E agora, aconselho a leitura do texto do DN aqui

O islão e as luzes. 2

Imagem
Crónica de Anselmo Borges  no DN

Continuo com o Manifesto  a Favor de Um Islão das Luzes,
de Malek Chebel.  As outras propostas urgentes:
8. "Sancionar de modo mais severo os autores de crimes de honra." Mas não basta a sanção. É preciso ir mais fundo, libertando os valores de vontade pessoal e escolha amorosa feminina. "Enquanto a mulher não tiver a possibilidade de formular escolhas amorosas independentes, não poderá ser tomada a sério."
9. "Modernizar a lei civil e o código pessoal." Impõe-se um direito positivo mais conforme com o espírito do tempo, não identificado com a sharia, a lei religiosa. Sem se ser radical, "examinar o conjunto do potencial do direito islâmico, determinar a parte ainda viva, isto é, capaz de evoluir, depois adaptá-lo às novas condições de existência dos muçulmanos, afastando o que se tornou caduco. Este estudo deverá denunciar os aspectos mais retrógrados da sharia: cortar a mão ao ladrão e a língua ao mentiroso, colocar de q…

Natal — Tudo se fazia para manter a tradição familiar

Imagem
Do Natal da minha infância 



Do Natal da minha infância, na década de 1950, retenho o espaço físico, a alegria e os cheiros. Tudo era mágico! O Natal era passado e vivido a três: eu, a minha mãe e o meu pai (a minha irmã nasceu 14 anos mais tarde). Vivíamos em Lisboa e a restante família estava em Leiria. Na altura, ir a Leiria significava cerca de 5 horas de camioneta para cada lado e o horário de trabalho na véspera de Natal era igual ao dos restantes dias.  Ao chegar do trabalho, no dia 24, a minha mãe, ainda que com a ajuda do meu pai que sempre colaborou nas lides domésticas (um homem muito vanguardista para a época), começava os preparativos para as iguarias natalícias: cozer a abóbora para as filhós que precisavam de tempo para levedar, fazer o arroz doce, preparar as rabanadas e a salada de fruta. Quando os doces estavam prontos e o cheiro dos fritos pairava por toda a casa, preparava-se o bacalhau com batatas e couve (comprava-se a que vinha de Trás-os-Montes por ser mais tenra…

É só para me lembrar do verão...

Imagem
Esta foto é só para me lembrar do verão, com tudo o que ele tem de bom. O frio, apesar de agasalhado e com algum aquecimento, tolhe-me. Até parece que fico proibido de trabalhar. Mas reajo... sim senhor. A Figueira da Foz, em especial no tempo de veraneio, sabe-me bem. Por isso a imagem que partilho. Lá está o bar com esplanada na foz do Mondego onde costumo vislumbrar outros horizontes. E no verão, se Deus quiser, voltarei.

Feliz de quem não se escandaliza comigo

Imagem
Reflexão de Georgino Rocha

Estranha afirmação de Jesus que faz parte da resposta dada aos enviados de João preocupados em saber se Ele era o Messias. Escandalizar-se com as suas atitudes e palavras, os seus gestos de cura e ensinamentos de libertação, atingia não apenas os dirigentes religiosos, mas o próprio João Baptista, o precursor. O escândalo seria fruto de algo surpreendente que contrastaria com tradições fundadas e expectativas criadas, com a mentalidade predominante alimentada em rituais de sinagoga e comentários de rua. De facto, segundo Mateus, o evangelista narrador, a surpresa é tão grande que provoca um diálogo clarificador e assertivo entre os enviados de João e o próprio Jesus. Mt 11, 2-11. “És tu Aquele que há-de vir ou devemos esperar outro? é pergunta síntese do que se ouvia falar a respeito do comportamento de Jesus e de que os discípulos de João se fazem porta-vozes, pergunta suscitada pelas dúvidas e incertezas, pergunta que admite a correcção de desvios e comport…

“É Natal Português” na Gafanha da Encarnação

Imagem
“É Natal Português” é o título do espetáculo  que o grupo “Pedras Vivas”  irá realizar na Igreja Matriz  da Gafanha da Encarnação,  no próximo dia 17 de dezembro, pelas 21 horas.  Entrada livre. Este sarau cultural é constituído por encenação, concerto musical e coral, recitação de poemas alusivos à quadra natalícia, de modo a criar um evento recreativo e cultural apelativo, sem nunca esquecer a componente religiosa que tem sido uma constante nos diversos eventos realizados pelo grupo “Pedras Vivas” em colaboração com a paróquia da Gafanha da Encarnação. A maioria das encenações bíblicas são idênticas às realizadas no espetáculo natalício de 2015, às quais foram acrescentadas novas cenas, “com a novidade da introdução de declamação de textos poéticos”, como explicou Ana Caçoilo, uma das dirigentes do grupo informal “Pedras Vivas”. Os quadros bíblicos começam com os profetas que anunciam a vinda de Jesus, passando pela “Anunciação a Maria”, a “Visita a Isabel”, terminando com a “Adoração ao …

Festa da Imaculada Conceição, Rainha de Portugal

Imagem
8 de dezembro

O dogma proclamado por Pio IX, em 8 de dezembro de 1854, reconheceu que Maria, Mãe de Jesus, foi concebida sem pecado original e cheia de graça, desde o primeiro instante da sua existência. Aliás, este dogma mais não fez do que reconhecer o que durante séculos se  foi impondo à Igreja ao longo dos tempos, sobretudo através dos Franciscanos, a partir de 1263.
Portugal aderiu à referida corrente, manifestando uma grande devoção a esta prerrogativa de Maria, tendo declarado Nossa Senhora da Conceição padroeira do Reino, em 1646, por proposta de D. João IV. A partir dessa decisão, os reis de Portugal nunca mais usaram coroa, tanto  quanto me é dado saber.
A liturgia celebra este mistério com a categoria de solenidade, a 8 de Dezembro, com textos que datam de Pio IX e refletem o clima próprio do Tempo do Advento.
A piedade popular tem grande devoção por Nossa Senhora da Conceição. Na Gafanha da Nazaré chegou a haver uma festa no dia 8 de dezembro, mais dedicada aos bacalhoeir…

Na noite de Natal não havia bacalhau

Imagem
Nasci em 1942, em plena II Guerra Mundial, na aldeia da Raseira, freguesia de Liceia, que pertence ao concelho de Montemor-o-Velho. Na altura, a Raseira tinha 50 ou 60 habitantes. Agora tem 10 ou 20. Éramos cinco irmãos e estávamos numa zona pobre, que tinha de produzir da terra quase tudo o que consumia. O meu pai era carpinteiro e por vezes tínhamos alguns tostões para comprar algo mais. O mar ficava a 20 quilómetros, na Figueira da Foz, mas era como se fosse no fim do mundo. Não havia eletricidade nem gás. Água, era a da fonte para beber e do poço para regar. Embora Portugal não tivesse entrado na II Guerra Mundial, sofríamos os racionamentos. As pessoas tinham de ter um pinhal para ter lenha, uma terra de arroz, um olival, uma terra com nabos, couves e batatas... Em casa tinham alguns animais: galinhas para dar ovos – não se comia galinha – e o porco que se matava antes do Natal.

Festa da Imaculada Conceição

Imagem
Reflexão de Georgino Rocha


FAÇA-SE EM MIM SEGUNDO A TUA PALAVRA

A disponibilidade de Maria é total, e incondicional a sua entrega. Que educação lhe deram os pais e que resposta foi ela desenvolvendo ao longo dos anos. Certamente que Deus “andava” por ali a preparar o futuro: a encarnação do Seu Filho. Após uma saudação que a felicita pela graça alcançada e um diálogo que lhe desvenda a densidade do futuro próximo, o seu “sim” é pleno e definitivo, alegre e confiante. Lc 1, 26-38 O episódio tem lugar em Nazaré, aldeia da Galileia com uns cem habitantes. O protagonista é o anjo do Senhor que vem a casa de Joaquim e de Ana. A mensagem expressa-se no convite para ser mãe de Jesus, o Filho do Altíssimo. O ambiente deixa “respirar” simplicidade, e o silêncio faz pressentir a sublimidade do acontecimento. O interlocutor é uma jovem virgem em estado singular: já não “pertence” à família por estar “comprometida” com José, nem ao esposo e seus familiares por ainda não terem celebrado publicament…

O Natal não é ornamento

Imagem
"O Natal não é ornamento: é fermento
É um impulso divino que irrompe pelo interior da história
Uma expectativa de semente lançada
Um alvoroço que nos acorda
para a dicção surpreendente que Deus faz
da nossa humanidade

O Natal não é ornamento: é fermento
Dentro de nós recria, amplia, expande

O Natal não se confunde com o tráfico sonolento dos símbolos
nem se deixa aprisionar ao consumismo sonoro de ocasião
A simplicidade que nos propõe
não é o simplismo ágil das frases-feitas
Os gestos que melhor o desenham
não são os da coreografia previsível das convenções

O Natal não é ornamento: é movimento
Teremos sempre de caminhar para o encontrar!

Entre a noite e o dia
Entre a tarefa e o dom
Entre o nosso conhecimento e o nosso desejo
Entre a palavra e o silêncio que buscamos
Uma estrela nos guiará
O Natal não é ornamento"


José Tolentino Mendonça

Natal não pode ter fim

Imagem
Com a chegada de dezembro, o Zé Maria era outro. Mais alegre, mais comunicativo, mais solidário, mais delicado. Todo ele era disponibilidade para os outros, conhecidos e desconhecidos. Em casa, no trabalho, na rua, no café. E muitos estranhavam esta mudança brusca num homem humilde, sempre tão preocupado com o trabalho e com a família. Fui um deles.  — O que é que se passa, Zé Maria? Saiu-te o Totoloto? Foste promovido na empresa? Andas tão diferente… — Nada disso — respondeu-me, com um sorriso aberto e franco. — O Natal mexe comigo. Basta ouvir as melodias natalícias, ver os enfeites das ruas, apreciar os presépios das montras ou… simplesmente recordar-me da festa da família que a quadra nos lembra.  O Zé Maria fazia parte do grupo sem fim dos “católicos não praticantes”. E disse-mo um dia em que conversámos, como velhos amigos da infância. Ainda lhe retorqui que isso de “católicos não praticantes” me custava aceitar. E até acrescentei que seria interessante ver um mecânico não prat…

Semeadores de mudança: poetas sociais (1)

Imagem
Crónica de Frei Bento Domingues  no PÚBLICO 


1. Falar e escrever para calar os outros era uma tradição papal que João XXIII interrompeu. O exemplo não vingou, mas o Papa Francisco tem gosto em acolher, ouvir e partilhar a palavra seja com quem for, seja onde for. Não aceita que a Doutrina Social da Igreja continue a ser apenas a voz dos Papas. No passado dia 5 de Novembro, Bergoglio acolheu, em Roma, o 3º Encontro dos Movimentos Populares. No anterior, realizado na Bolívia, ficou claro que sem transformar as estruturas não é possível vida digna para as populações. A luta continua e entusiasma o argentino: “Vós, movimentos populares, sois semeadores de mudança, promotores de um processo para o qual convergem milhões de pequenas e grandes acções interligadas, de modo criativo, como numa poesia. Foi por isso que vos quis chamar poetas sociais”. O ritmo dessa poesia é marcado pelos passos da caminhada rumo a uma alternativa humana face à globalização da indiferença: 1. pôr a economia ao se…

Presépio Simples

Imagem
Presépio Simples
Acabo de reunir-me. Sou uma gruta de silêncio e sombra.
Co’a vida, musgo suave, pedra real e quimera, um anjo grave (longos dedos, voo de ave!) faz um berço e uma espera…
Nos horizontes brumosos resvalam os séculos vagarosos…
Cai na neve e no silêncio a flor do Tempo. Dobram os ramos cimeiros árvores, céus à terra vil. Chegam os reis e os cordeiros (o palácio é um redil!) e nasce Deus!
(Écloga impossível) João Maia 
In "Anunciação e Natal na Poesia Portuguesa", Antologia de António Salvado