José Tolentino Mendonça vence Prémio Teixeira de Pascoaes

Júri atribuiu o prémio, no valor de 12.500 euros, 
a A Noite Abre Meus Olhos, 
volume que reúne a obra poética do autor

Tolentino Mendonça (Foto do meu arquivo)


«O Grande Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes, promovido pela Associação Portuguesa de Escritores (APE) com o patrocínio da Câmara Municipal de Amarante, foi atribuído ao livro A Noite Abre Meus Olhos (Assírio & Alvim, 2014), de José Tolentino Mendonça, uma reedição da poesia reunida do autor, ampliada com os seus títulos mais recentes: O Viajante Sem Sono(2009), Estação Central (2012) e A Papoila e o Monge (2013).
O júri, constituído por Isabel Cristina Mateus, José Carlos Seabra Pereira e José Manuel Mendes, decidiu por unanimidade atribuir este prémio, no valor de 12.500 euros, à obra de Tolentino Mendonça, elogiando a sua “coerência interna” e a “construção de linguagem fortemente visual que se sente respirar rente ao coração do mundo".»

Ler mais  no PÚBLICO

==========================
Da verdade do amor

Da verdade do amor se meditam
relatos de viagens confissões
e sempre excede a vida
esse segredo que tanto desdém
guarda de ser dito

pouco importa em quantas derrotas
te lançou
as dores os naufrágios escondidos
com eles aprendeste a navegação
dos oceanos gelados

não se deve explicar demasiado cedo
atrás das coisas
o seu brilho cresce
sem rumor

José Tolentino Mendonça

NOTA: Congratulo-me com a atribuição do Grande Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes a um dos maiores poetas do nosso tempo, José Tolentino Mendonça, cuja obra conheço desde há muito. Da justeza do prémio, o júri, que lho atribuiu por unanimidade, fala por si e torna indiscutível a decisão. Os meus parabéns ao poeta Tolentino Mendonça, mas também ao padre, cronista, ensaísta, biblista, docente universitário, vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa, diretor do Centro de Estudos de Religiões e Culturas e consultor do Pontifício Conselho para a Cultura, na Santa Sé.

Comentários