GUINÉ — Uma investigação de Armando Tavares da Silva

“A Presença Portuguesa na Guiné 
— História Política e Militar 
— 1878-1926”






“A Presença Portuguesa na Guiné — História Política e Militar — 1878-1926” é um livro de Armando Tavares da Silva, que contou com apoios da Comissão Portuguesa de História Militar, Fundação Lusíada e Direcção de História e Cultura Militar. A edição é da responsabilidade de Caminhos Romanos e do próprio autor. Trata-se de uma obra de 970 páginas, acrescidas de muitos mapas elucidativos, com indispensáveis índices e anexos preciosos e esclarecedores. Edição de muito nível, com ilustrações e gravuras a condizer, página a página com notas de rodapé, o que traduz o empenho e o trabalho que o autor dedicou a este tema que interessa a todos os apaixonados pela nossa história, especialmente, neste caso concreto, pela Guiné, que foi colónia portuguesa.
Quem pega num livro com este peso percebe facilmente que não é um livro vulgar. De peso pelo elevado número de páginas, mas também pelo volume perfeitamente extraordinário dos elementos que o autor nos oferece, com bastantes anos de pesquisas, concatenando imensos acontecimentos que a grande maioria dos portugueses ignora em absoluto.
Confesso que ao debruçar-me sobre a obra fiquei impressionado com o que tinha e ainda tenho para ler, não como quem lê um romance, já que, capítulo a capítulo, num total de trinta e dois, há, inevitavelmente, muito que refletir, que estabelecer ligações, que apreciar fotografias, mapas e demais ilustrações, minuciosamente legendadas e com indicação das origens. 
Armando Tavares da Silva, Professor Catedrático aposentado da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, neto de oficial da Armada e de administrador colonial, encontrou decerto nestes seus antepassados motivações para abraçar, com paixão e entusiasmo, apesar da serenidade da sua voz e postura, este enormíssimo desafio. Aposentado desde 2002, não se quedou comodamente a ver passar o tempo. Desde essa altura, tem-se dedicado à investigação história, sendo sócio da Sociedade de Geografia de Lisboa, do Instituto Português de Heráldica e da Sociedade Histórica da Independência de Portugal. 
Em Agradecimentos, o autor manifesta o seu reconhecimento ao Arquivo Histórico Ultramarino e ao Instituto Geográfico do Exército, referindo o apoio recebido de diversas entidades oficiais e demais pessoas que, de uma forma ou outra, contribuíram para a edição desta obra que eu considero monumental, pela riqueza de pormenores e rigor histórico, tanto quanto me é dado ajuizar.
Em Palavras Prévias, Armando Tavares da Silva afirma que «São ainda desconhecidos no nosso País muitos aspectos do que foi a presença de Portugal nas terras da Guiné», realçando a «escassez de estudos sobre essa presença, dando a conhecer a acção governativa portuguesa e a história militar que lhe está associada». 
Adianta que «O presente trabalho tem por fim mostrar de forma objectiva, rigorosa e imparcial, um conjunto de acontecimentos ilustrando o que foi a governação da Guiné pelos portugueses, no decorrer do importante período em que foi sentida maior pressão para a ocupação efectiva do território, em que decorreram as negociações com a França para a sua delimitação e em que se concentraram, na quase totalidade, as chamadas operações de “pacificação”».
Ao garantir que não é objectivo desta obra «fazer a história da Guiné na multiplicidade de aspectos de que se reveste», Armando Tavares da Silva frisa o contributo da administração portuguesa, em especial nas áreas da justiça, educação, fomento e acção missionária e religiosa, «essenciais para o seu progresso». 
No Prefácio, assinado pelo Presidente da Academia de Marinha, Nuno Vieira Matias, lê-se: «A riqueza da extensa investigação dá-nos conta de muitos conflitos verificados, quer entre as etnias locais, quer entre estas e os portugueses, mas também refere inúmeros episódios de bom relacionamento que tivemos com os nativos. Daí se extrapola que a dificuldade de convívio tem sido uma constante, que chega até aos nossos dias.»
Nuno Vieira Matias adianta ainda que «estamos perante um livro que constitui, na verdade, uma notável obra de investigação histórica, produzida com grande rigor científico e que exemplifica bem o gigantesco esforço que um povo pouco numeroso, saído do extremo oeste da Europa, desenvolveu, pioneiramente, pelo mundo fora».
Fernando Martins

Comentários