24 de novembro — Um dia diferente




Como todos os meus amigos sabem, ontem, 24 de novembro, celebrei, com a alegria de estar vivo, 78 anos de vida plena. Plena, com a mulher que amo e com filhos e netos que são o nosso enlevo. Não houve festa conjunta porque se tornou difícil reunir toda a gente. Mas a festa, a festa de vida, marcou indelevelmente a união de todos. Não faltou o carinho generoso e a ternura com que me envolveram, o sorriso que os contactos proporcionaram e a certeza de que um dia destes estaremos todos à roda da mesa e dos tachos, que o gosto está sempre apurado.
Graças às novas tecnologias, que no dia do meu nascimento eram, garantidamente, impensáveis, houve risadas, votos de parabéns, de saúde, de longa vida e esperança no futuro, tanto dos meus filhos e netos como dos meus amigos. A Lita, essa faz parte do meu ser, desde o dia em que nos tornámos num só pelo sacramento do matrimónio. Por isso, o que me era dirigido saltava de imediato para o seu coração.
E os meus amigos? Os muitos amigos que fui descobrindo ao longo da minha existência? Os cúmplices de brincadeiras, de partilha de saberes, de alegrias comuns, de desafios estimulantes? Esses inundaram as redes sociais a que estou ligado. Não consegui responder a todos? É claro que seria impossível. Aqui fica, porém, o meu agradecimento a todos. E até lhes perdoo os excessos de elogios com que me brindaram. Aos amigos perdoa-se tudo.

Fernando Martins

Comentários