quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Decálogo para o Natal



Se tens tristeza, alegra-te! O Natal é alegria.
Se tens inimigos, reconcilia-te! O Natal é paz.
Se tens amigos, busca-os! O Natal é encontro.
Se tens pobres ao teu lado, ajuda-os! O Natal é dádiva.
Se tens soberba, sepulta-a! O Natal é humildade.
Se tens pecados, converte-te! O Natal é vida nova.
Se tens trevas, acende a tua lâmpada! O Natal é luz.
Se vives na mentira, reflete! O Natal é verdade.
Se tens ódio, esquece-o! O Natal é amor.
Se tens fé, partilha-a! O Natal é Deus connosco.


Nota: Editei este texto de  autor desconhecido no Natal de 2004, .
Quem souber quem é o autor, agradeço informação.

Portugueses com 65 anos podem viver em média mais 20 anos


«Os portugueses com 65 anos podem esperar viver, em média, mais 19,31 anos, segundo dados hoje revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).
Já à nascença, segundo dados das Tábuas de Mortalidade 2013-2015 divulgadas em setembro, a esperança média de vida dos portugueses é de 80,41 anos.»

Li aqui 

Nota: Por essas contas, desses 20 anos de esperança de vida, eu já vivi 13. Portante, ainda por cá ficarei, se Deus quiser, mais uns anitos. E entretanto, a ciência, os cuidados médicos e as novas descobertas na área da saúde hão de dar-nos ainda mais uns anos. Deus queira, que a vida é bela. 

terça-feira, 29 de novembro de 2016

É Natal sempre...



«É Natal sempre que deixares Deus amar os outros através de ti... sim, é Natal sempre que sorrires ao teu irmão e lhe ofereceres a tua mão.»


Teresa de Calcutá

Li no Citador

Navio-Escola Sagres com o Comité Olímpico de Portugal

Navio-Escola Sagres no Porto de Aveiro
Como homem com ligações afetivas e efetivas ao mar, vibro sempre que ouço falar do Navio-Escola Sagres, um símbolo permanente das nossas ancestrais opções marítimas. A Sagres, com toda a sua imponência, que atinge o máximo quando, de velas desfraldadas, toca em todos os cantos do mundo, enchendo-nos de orgulho. Nela está a marca indelével de múltiplas gerações que viveram do mar e para o mar.
Folgo em saber que o Comité Olímpico de Portugal (COP) e o Navio-Escola Sagres assumiram a intenção de repetir a parceria do Rio 2016 na próxima edição dos Jogos Olímpicos, em 2020, na cidade de Tóquio. Nessa altura, para além dos nossos atletas, treinadores dirigentes e assessores, a Sagres será motivo para todos nos sentirmos felizes. 

Ler mais aqui

Os Canais de Aveiro na sua História

Canal da Ria (imagem da ADERAV)

«A Câmara Municipal de Aveiro, em parceria com a ADERAV - Associação para o Estudo e Defesa do Património Natural e Cultural da Região de Aveiro, promove amanhã, 30 de novembro, a décima edição das Jornadas de História Local e Património Documental. O evento terá lugar no edifício da antiga Capitania.
Com o tema “Os Canais de Aveiro na sua História” pretende-se perceber de que modo eles condicionaram o desenvolvimento da cidade e como é que esta se foi apropriando dessas linhas de água que a atravessam e são a sua “imagem de marca”. Ao mesmo tempo far-se-á o exercício de perspetivar o futuro dessa ligação umbilical.»

Fonte: CMA

Ver programa aqui

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Um Natal contínuo


«Uma boa consciência é um Natal contínuo»

Benjamim Franklin


A ideia muito simples de que o Natal é quando o homem quiser está bem patente nesta frase de Benjamim Franklin. Um Natal contínuo, sempre, é regra essencial para criarmos e alimentarmos em nós o espírito natalício, fonte de uma sã consciência e de ternura, do amor perene, da disponibilidade total, da abertura franca aos outros, em especial aos mais carentes de pão e de afeto. Preparemos, então, o Natal. Ele vai chegar oficialmente no dia 25 de dezembro, mas se quisermos ele já está, para perdurar, nos nossos corações.

Fernando Martins

domingo, 27 de novembro de 2016

Uma nova revolução cultural

Crónica de Frei Bento Domingues 



1. O Ano litúrgico terminou com a carta apostólica Misericordia et Misera [1], do Papa Francisco, que marca o encerramento do Ano Jubilar da Misericórdia, mas não da misericórdia. Aproveitou para afirmar: “Quero reiterar, com todas as minhas forças, que o aborto é um grave pecado, porque põe fim a uma vida inocente, mas, com igual força, posso e devo afirmar que não existe nenhum pecado que a misericórdia de Deus não possa alcançar e destruir, quando encontra um coração arrependido que pede para se reconciliar com o Pai. (...) Para que não exista qualquer obstáculo entre o pedido de reconciliação e o perdão de Deus, concedo a partir de agora, a todos os sacerdotes, em virtude do seu ministério, a faculdade de absolver todas as pessoas que tenham incorrido no pecado do aborto.”
É normal que os grandes meios de comunicação tenham realçado esta coroa da misericórdia. Mas Bergoglio procura integrá-la numa perspectiva mais envolvente, destacando acontecimentos, mensagens e figuras que são a própria respiração dos Evangelhos. Se ficasse por aí, continuávamos a olhar para a beleza de há dois mil anos: uma galeria da misericórdia do passado. Se ficássemos, apenas, com as expressões devocionais e sacramentais do Ano Jubilar, não saíamos dos espaços e dos ritmos do culto católico. A misericórdia não se exerce apenas, nem sobretudo nas missas, em resposta à carinhosa exortação saudai-vos na paz de Cristo!

sábado, 26 de novembro de 2016

25 milhões de euros para o desassoreamento da Ria de Aveiro

«O Ministério do Ambiente anunciou, 
esta sexta-feira, que será lançado em 2017 
o concurso para o desassoreamento da Ria de Aveiro, 
num investimento de 25 milhões de euros.»

Ria de Aveiro (Foto do meu arquivo)
«O concurso da obra para o desassoreamento da Ria de Aveiro tem por objetivo a transposição de sedimentos para otimização do equilíbrio hidrodinâmico, incluindo a delimitação dos canais de navegação, e vai concretizar-se no segundo trimestre de 2017″, dá conta uma nota difundida, esta sexta-feira, pelo gabinete do ministro.»

Li no OBSERVADOR

NOTA: Tardou, mas chegou. Este é o comentário mais adequado nesta hora, já que tal  operação é falada e estudada há muitíssimo tempo. 
A Ria de Aveiro é uma beleza natural ainda inexplorada convenientemente. A sua riqueza económica também tem muitas portas que precisam de ser abertas a entidades e pessoas com saber, condições e capacidade de iniciativa à altura de um empreendimento de projeção nacional e até internacional. 
Agora, ficaremos à espera que os trabalhos se iniciem.

Últimas Conversas.Testamento de Bento XVI. 2

Crónica de Anselmo Borges 
no Diário de Notícias



A convite de João Paulo II, o cardeal Joseph Ratzinger aceitou em 1981 ser Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, com uma condição: continuar a publicar livros. "Porque sentia a obrigação interior de poder dizer algo à humanidade". Gostaria de ter dedicado a vida à "teologia científica". "Todos os escândalos chegam à Congregação". "Que na Igreja há porcaria é conhecido, mas o que o Prefeito da Congregação tem de digerir vai muito para lá". Fez questão em não misturar a sua teologia com os documentos da Congregação: não foi ele, por exemplo, que redigiu a Dominus Jesus, sobre a unicidade da Igreja católica. Confessa que "está feliz com as reformas do Concílio, quando são acolhidas com honestidade, na sua substância." Mas "cada vez mais pessoas perguntavam: a Igreja ainda tem uma doutrina comum? Ora, tenho a convicção de que também hoje devemos estar à altura para dizer o que é que a Igreja crê e ensina".
Confessa as suas debilidades: em 1991, teve uma hemorragia cerebral, seguindo-se imensas dificuldades, acabando por ficar cego do olho esquerdo. Vale-lhe a música, mas precisa de silêncio e de 7-8 horas de sono. Não é um "grande conversador" e é débil de voz, com uma saúde frágil.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Fotografia de Casimiro Madaíl na Biblioteca de Ílhavo


Aqui fica uma sugestão para o dia 30 de novembro, 18h30, na Biblioteca Municipal de Ílhavo. O meu amigo Casimiro merece o nosso apoio. Se eu não puder ir, por razões de saúde e da hora, não deixarei de passar por lá num outro dia.

ADVENTO 2016 — Vigiai e estai preparados

Reflexão de Georgino  Rocha



Jesus quer despertar a consciência dos discípulos para o sentido do que vai acontecendo e que, de algum modo, indicia por onde Deus “anda”. E a Igreja coloca no início do Ano Litúrgico o desejo do seu Mestre e Senhor para exortar à vigilância atenta e confiante, ao discernimento pessoal e comunitário. Com este espírito, a celebração do 1º domingo do Advento “abre as portas” ao novo horizonte que tem como pólo maior as festas do Natal e como realização plena a Páscoa da ressurreição de Jesus, o morto que agora vive para sempre. 
Mateus, o evangelista de serviço, vai fazendo desfilar figuras emblemáticas desta atitude, destacando João Baptista que prepara os caminhos do Senhor, e Maria, a noiva de José e mãe de Jesus. E deixa-nos o convite e a exortação: Vigiai e estai preparados. O Senhor virá.

24 de novembro — Um dia diferente




Como todos os meus amigos sabem, ontem, 24 de novembro, celebrei, com a alegria de estar vivo, 78 anos de vida plena. Plena, com a mulher que amo e com filhos e netos que são o nosso enlevo. Não houve festa conjunta porque se tornou difícil reunir toda a gente. Mas a festa, a festa de vida, marcou indelevelmente a união de todos. Não faltou o carinho generoso e a ternura com que me envolveram, o sorriso que os contactos proporcionaram e a certeza de que um dia destes estaremos todos à roda da mesa e dos tachos, que o gosto está sempre apurado.
Graças às novas tecnologias, que no dia do meu nascimento eram, garantidamente, impensáveis, houve risadas, votos de parabéns, de saúde, de longa vida e esperança no futuro, tanto dos meus filhos e netos como dos meus amigos. A Lita, essa faz parte do meu ser, desde o dia em que nos tornámos num só pelo sacramento do matrimónio. Por isso, o que me era dirigido saltava de imediato para o seu coração.
E os meus amigos? Os muitos amigos que fui descobrindo ao longo da minha existência? Os cúmplices de brincadeiras, de partilha de saberes, de alegrias comuns, de desafios estimulantes? Esses inundaram as redes sociais a que estou ligado. Não consegui responder a todos? É claro que seria impossível. Aqui fica, porém, o meu agradecimento a todos. E até lhes perdoo os excessos de elogios com que me brindaram. Aos amigos perdoa-se tudo.

Fernando Martins

domingo, 20 de novembro de 2016

Cabazes / berços

Crónica de Maria Donzília Almeida



No tempo em que as terras das Gafanhas eram amanhadas, vivia-se numa sociedade quase matriarcal. Com efeito, com os maridos embarcados para a pesca do bacalhau, a mulher ficava encarregada de quase todas as tarefas: domésticas e agrícolas. Até, quando nasciam os filhos, havia apenas uma “curiosa” que dava uma ajudinha aos bebés, para entrarem neste mundo cruel.
Quando as jovens mães iam para “a terra” trabalhar, eram obrigadas a levar consigo os seus rebentos. Na altura, não havia as babysitters, os infantários, as creches. Nem tampouco as amas particulares, já que todas as mulheres tinham a mesma ocupação. A esse tempo, não havia diferenciação profissional, nem sindicatos para defender (?) os direitos dos trabalhadores! Nada iria reduzir para 8 horas de trabalho, a jorna diária, àqueles que trabalhavam de sol a sol. No Inverno, o astro-rei, compadecia-se destas mulheres heroínas, retirando-se um pouco mais cedo.

Não havendo, na altura, estruturas sociais de apoio às jovens mães e à criança, deparava-se-lhes um problema: onde deixar os bebés? Usando dum pragmatismo, tão peculiar nestas mulheres do campo, a solução brotava tão límpida como água que jorra da fonte. Os cabazes, cestas grandes comprados às ciganas, utilizados para os mais diversos fins, passavam a ter uma utilidade acrescida. Uma alcofinha redonda, de verga, revestida dos mais finos lençóis de cambraia (!?) nascia da imaginação destas corajosas mães. Enquanto trabalhavam, na freima, do campo, os seus rebentos, na extrema da terra, à sombra do milho alto, eram embalados pela sinfonia dos passarinhos. Que felizes eram essas crianças! O seu soninho angelical não era perturbado pelo ruído, às vezes ensurdecedor, das nossas cidades e vilas. Ali, só se ouviam acordes musicais, no chilreio das avezinhas. Quem não dorme ao som da música? Poder-se-á dizer, com toda a propriedade, que bebés e às vezes adultos, numa sesta roubada ao horário de trabalho,…dormiam o sono dos justos! 

Foi assim, embalada desta maneira, que a autora destas linhas ganhou amor à natureza e à vida bucólica!

03.10.08

José Tolentino Mendonça vence Prémio Teixeira de Pascoaes

Júri atribuiu o prémio, no valor de 12.500 euros, 
a A Noite Abre Meus Olhos, 
volume que reúne a obra poética do autor

Tolentino Mendonça (Foto do meu arquivo)


«O Grande Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes, promovido pela Associação Portuguesa de Escritores (APE) com o patrocínio da Câmara Municipal de Amarante, foi atribuído ao livro A Noite Abre Meus Olhos (Assírio & Alvim, 2014), de José Tolentino Mendonça, uma reedição da poesia reunida do autor, ampliada com os seus títulos mais recentes: O Viajante Sem Sono(2009), Estação Central (2012) e A Papoila e o Monge (2013).
O júri, constituído por Isabel Cristina Mateus, José Carlos Seabra Pereira e José Manuel Mendes, decidiu por unanimidade atribuir este prémio, no valor de 12.500 euros, à obra de Tolentino Mendonça, elogiando a sua “coerência interna” e a “construção de linguagem fortemente visual que se sente respirar rente ao coração do mundo".»

Ler mais  no PÚBLICO

==========================
Da verdade do amor

Da verdade do amor se meditam
relatos de viagens confissões
e sempre excede a vida
esse segredo que tanto desdém
guarda de ser dito

pouco importa em quantas derrotas
te lançou
as dores os naufrágios escondidos
com eles aprendeste a navegação
dos oceanos gelados

não se deve explicar demasiado cedo
atrás das coisas
o seu brilho cresce
sem rumor

José Tolentino Mendonça

NOTA: Congratulo-me com a atribuição do Grande Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes a um dos maiores poetas do nosso tempo, José Tolentino Mendonça, cuja obra conheço desde há muito. Da justeza do prémio, o júri, que lho atribuiu por unanimidade, fala por si e torna indiscutível a decisão. Os meus parabéns ao poeta Tolentino Mendonça, mas também ao padre, cronista, ensaísta, biblista, docente universitário, vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa, diretor do Centro de Estudos de Religiões e Culturas e consultor do Pontifício Conselho para a Cultura, na Santa Sé.

Não invocar o nome de Deus em vão

Crónica de Frei Bento Domingues 

Deus é inexprimível

1. Apesar do Papa Francisco e das suas intervenções carregadas de humanidade divina, o fundamentalismo religioso, mesmo no seio da Igreja católica, não desarma. Panfletos como o da folha dominical de uma paróquia da Califórnia - votar no Partido Democrata é pecado mortal; declarações como a do padre italiano à emissora católica Rádio Maria- os sismos, em Itália, são um castigo divino pelas uniões civis dos homossexuais, ou as expressas à revista Família Cristã pela responsável da Associação de Psicólogos Católicos - um filho homossexual é como ter um filho toxicodependente, são afirmações que não pecam por muito inteligentes. Infelizmente há outras mais tóxicas. Cresce um mal-estar muito vasto não só em relação ao tom e ao conteúdo fundamentalista das homilias dominicais, como acerca das desastradas atitudes no acolhimento aos pedidos de baptismo e de casamento. Em certos casos, em vez de constituírem uma oportunidade de evangelização, resultam em afastamento e azedume contra a Igreja.
Talvez mais perigoso ainda, sob todos os pontos de vista, é o populismo político que tomou proporções alarmantes com a eleição do pobre Trump. Geralmente, há sempre queixas por os eleitos não cumprirem as promessas eleitorais. Neste caso, até os republicanos gostariam que ele não as cumprisse todas. O homem é um susto e a aliança com o Putin faz aquecer a guerra fria. A Europa, que teve momentos de lucidez, já não tem certezas de nada. Tudo pode acontecer.
Com perspectivas diferentes, existe uma curiosa coincidência de desassossego entre os textos de encerramento do ano litúrgico e os textos políticos do PÚBLICO[1] desta segunda-feira, em que escrevo.

Concurso de fotografia da Sony

Primeiro lugar: " Ponte da válvula Torre " por  da Irlanda
Ver mais aqui

Com votos de bom domingo... apesar da chuva.

sábado, 19 de novembro de 2016

Últimas Conversas. Testamento de Bento XVI. 1

Crónica de Anselmo Borges 



Falei com ele uma vez, era ainda o cardeal Josef Ratzinger. A impressão que me ficou foi a de alguém muito afável, tímido e com um objectivo fundamental: conciliar a fé e a razão. Ao ler agora Letzte Gespräche (Últimas Conversas), e são mesmo as últimas, pois não pensa publicar mais nada e quer destruir notas dispersas, confirmei essa primeira impressão. Estas conversas do Papa emérito com Peter Seewald constituem uma espécie de balanço de uma vida e de um pontificado, sendo esta a primeira vez que um papa o faz. Impressiona a sua dignidade na humildade, reconhecendo os seus limites e fragilidades, procurando ser fiel à verdade, inevitavelmente na perspectiva dele, e sabendo que a última palavra pertence a Deus, de quem espera um juízo misericordioso e para o qual se prepara com serena confiança. Diz: "Crer não é senão, na noite do mundo, tocar a mão de Deus e assim - no silêncio - ouvir a Palavra, ver o Amor." Qual é "o verdadeiro problema deste nosso momento da história? Deus desaparece do horizonte dos homens e, com a extinção da luz que vem de Deus", a humanidade é apanhada pela falta de orientação, "cujos efeitos se manifestam cada vez mais".

Nasceu de uma família modesta, profundamente enraizada na fé da Igreja Católica. O pai era polícia, mas crítico e capaz de pensar pela sua própria cabeça, a mãe era muito cordial. Teve uma infância feliz, com muito afecto. "Para nós era claro que uma pessoa religiosa devia ser antinazi." Foi um miúdo vivaço e algo irrequieto e até "rebelde". O nazismo e a guerra complicaram tudo. Com o tempo, tornou-se "mais reflexivo e menos alegre". Manifestou desde sempre interesse pelas questões religiosas.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Ladrão reconhece Jesus como Senhor

Reflexão de Georgino Rocha



A narração da morte de Jesus está recheada de elementos convergentes no diálogo do bom ladrão, nos sentimentos que expressa e na garantia que recebe. Alguns desses elementos, como bem descreve Lucas, o médico evangelista, dizem respeito a atitude do povo, dos chefes, dos soldados e do malfeitor injurioso. O povo observa, sente e cala. É quase sempre assim, infelizmente.
As autoridades zombam e provocam. Os soldados troçam e, fingindo piedade, têm gestos de compaixão. O malfeitor exasperado lança insultos e faz interpelações. Todos em coro, cada um com o seu tom, invocam a mesma razão: descer da cruz, ser o rei dos judeus, o messias salvador. E, então sim, acreditamos na sua palavra, reconhecemos a sua realeza, constatamos que é o eleito de Deus.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

GUINÉ — Uma investigação de Armando Tavares da Silva

“A Presença Portuguesa na Guiné 
— História Política e Militar 
— 1878-1926”






“A Presença Portuguesa na Guiné — História Política e Militar — 1878-1926” é um livro de Armando Tavares da Silva, que contou com apoios da Comissão Portuguesa de História Militar, Fundação Lusíada e Direcção de História e Cultura Militar. A edição é da responsabilidade de Caminhos Romanos e do próprio autor. Trata-se de uma obra de 970 páginas, acrescidas de muitos mapas elucidativos, com indispensáveis índices e anexos preciosos e esclarecedores. Edição de muito nível, com ilustrações e gravuras a condizer, página a página com notas de rodapé, o que traduz o empenho e o trabalho que o autor dedicou a este tema que interessa a todos os apaixonados pela nossa história, especialmente, neste caso concreto, pela Guiné, que foi colónia portuguesa.
Quem pega num livro com este peso percebe facilmente que não é um livro vulgar. De peso pelo elevado número de páginas, mas também pelo volume perfeitamente extraordinário dos elementos que o autor nos oferece, com bastantes anos de pesquisas, concatenando imensos acontecimentos que a grande maioria dos portugueses ignora em absoluto.
Confesso que ao debruçar-me sobre a obra fiquei impressionado com o que tinha e ainda tenho para ler, não como quem lê um romance, já que, capítulo a capítulo, num total de trinta e dois, há, inevitavelmente, muito que refletir, que estabelecer ligações, que apreciar fotografias, mapas e demais ilustrações, minuciosamente legendadas e com indicação das origens. 
Armando Tavares da Silva, Professor Catedrático aposentado da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, neto de oficial da Armada e de administrador colonial, encontrou decerto nestes seus antepassados motivações para abraçar, com paixão e entusiasmo, apesar da serenidade da sua voz e postura, este enormíssimo desafio. Aposentado desde 2002, não se quedou comodamente a ver passar o tempo. Desde essa altura, tem-se dedicado à investigação história, sendo sócio da Sociedade de Geografia de Lisboa, do Instituto Português de Heráldica e da Sociedade Histórica da Independência de Portugal. 
Em Agradecimentos, o autor manifesta o seu reconhecimento ao Arquivo Histórico Ultramarino e ao Instituto Geográfico do Exército, referindo o apoio recebido de diversas entidades oficiais e demais pessoas que, de uma forma ou outra, contribuíram para a edição desta obra que eu considero monumental, pela riqueza de pormenores e rigor histórico, tanto quanto me é dado ajuizar.
Em Palavras Prévias, Armando Tavares da Silva afirma que «São ainda desconhecidos no nosso País muitos aspectos do que foi a presença de Portugal nas terras da Guiné», realçando a «escassez de estudos sobre essa presença, dando a conhecer a acção governativa portuguesa e a história militar que lhe está associada». 
Adianta que «O presente trabalho tem por fim mostrar de forma objectiva, rigorosa e imparcial, um conjunto de acontecimentos ilustrando o que foi a governação da Guiné pelos portugueses, no decorrer do importante período em que foi sentida maior pressão para a ocupação efectiva do território, em que decorreram as negociações com a França para a sua delimitação e em que se concentraram, na quase totalidade, as chamadas operações de “pacificação”».
Ao garantir que não é objectivo desta obra «fazer a história da Guiné na multiplicidade de aspectos de que se reveste», Armando Tavares da Silva frisa o contributo da administração portuguesa, em especial nas áreas da justiça, educação, fomento e acção missionária e religiosa, «essenciais para o seu progresso». 
No Prefácio, assinado pelo Presidente da Academia de Marinha, Nuno Vieira Matias, lê-se: «A riqueza da extensa investigação dá-nos conta de muitos conflitos verificados, quer entre as etnias locais, quer entre estas e os portugueses, mas também refere inúmeros episódios de bom relacionamento que tivemos com os nativos. Daí se extrapola que a dificuldade de convívio tem sido uma constante, que chega até aos nossos dias.»
Nuno Vieira Matias adianta ainda que «estamos perante um livro que constitui, na verdade, uma notável obra de investigação histórica, produzida com grande rigor científico e que exemplifica bem o gigantesco esforço que um povo pouco numeroso, saído do extremo oeste da Europa, desenvolveu, pioneiramente, pelo mundo fora».
Fernando Martins

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Mais quadras de António Aleixo


P´ra que tentaste subir
tão alto, mulher vaidosa?
quem sobe assim vai cair
na lama mais vergonhosa...

Meu amor, vê se te ajeitas
a usar meias modernas,
dessas meias que são feitas
da pele das próprias pernas.

De te ver fiquei repeso,
em vez de ganhar, perdi;
quis prender-te, fiquei preso,
e não sei se te prendi.

Que feliz destino o meu 
Desde a hora em que te vi; 
Julgo até que estou no céu 
Quando estou ao pé de ti.

Vemos gente bem vestida,
no aspeto desassombrada;
são tudo ilusões da vida,
tudo é miséria dourada.

Para não fazeres ofensas 
E teres dias felizes, 
não digas tudo o que pensas, 
mas pensa tudo o que dizes.

Sem que o discurso eu pedisse,
Ele falou; e eu escutei,
Gostei do que ele não disse;
Do que disse não gostei.

Sou um dos membros malditos
dessa falsa sociedade
que, baseada nos mitos,
pode roubar à vontade.

Esses por quem não te interessas
produzem quanto consomes:
vivem das tuas promessas
ganhando o pão que tu comes.

Não me deem mais desgostos
porque sei raciocinar...
Só os burros estão dispostos
a sofrer sem protestar!

Esta mascarada enorme
com que o mundo nos aldraba,
dura enquanto o povo dorme,
quando ele acordar, acaba.


António Aleixo

NOTA: Se repararem, aqui ao lado esquerdo há o registo das mensagens mais vistas no meu blogue. Na lista figura, como curiosidade, a procura das quadras de António Aleixo. Por isso, aqui publico mais algumas.

Universidade de Aveiro, uma das mais dinâmicas do país


«A Universidade de Aveiro, onde no passado já orientei teses de mestrado, é hoje uma das mais dinâmicas do país e foi muito curioso constatar que as interrogações que atravessam o seu Conselho Geral refletem a maturidade da reflexão que nela tem vindo a ser empreendida.»

Ler mais aqui

domingo, 13 de novembro de 2016

Rosa amarela...


Uma rosa amarela do nosso jardim para enfeitar o fim de tarde, agora noite, quando a luz permitiu o clique do registo para este tempo. Para este tempo, digo eu, porque ainda é possível contemplar a beleza, apesar das nuvens negras que de vez em quando ameaçam a nossa tranquilidade. De morte e dramas não quero falar hoje, que a beleza da rosa ficaria toldada.
Boa semana para todos.

Uma provocação teológica

Crónica de Frei Bento Domingues 



1. Existe uma comissão nomeada pelo Papa Francisco para estudar a hipótese de as mulheres serem ordenadas diaconisas. Christiana Martins[i] publicou, a esse propósito, uma longa entrevista. Refere que “o Expresso contactou três membros da Comissão de Estudo sobre o Diaconado Feminino: Phyllis Zagano, leiga e teóloga da Universidade de Hofstra, nos EUA; a catalã Nuria Calduch-Benades, da Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma; e Mary Melone, a primeira reitora do Instituto Antoniano. Responderam dizendo estar obrigadas ao sigilo e remeteram qualquer comentário para o Arcebispo Luis Ladaria Ferrer, jesuíta, que preside à comissão e é o número dois da Congregação para a Doutrina da Fé”.
A composição da Comissão é saudavelmente paritária: seis homens, bispos e sacerdotes, e seis mulheres, religiosas e leigas. Logo à partida, temos quem actualmente conta e quem pouco vale.
Entretanto, o Papa Francisco, no regresso da sua viagem à Suécia, que tem à frente da própria Igreja uma mulher, foi interrogado por uma jornalista: “que pensa disto? É realista pensar em mulheres-padres também na Igreja Católica, nas próximas décadas? E se não, porquê? Os padres católicos têm medo da concorrência?”
Resposta do Papa Francisco “Quanto à ordenação de mulheres na Igreja Católica, a última palavra clara foi dada por São João Paulo II, e esta palavra permanece”.

sábado, 12 de novembro de 2016

Em Novembro, estórias de amor e morte

Crónica de Anselmo Borges 



Por influência dos celtas e questões de calendário - é Outono a caminho do Inverno, que evoca a noite -, mesmo nas nossas sociedades modernas é no mês de Novembro que os mortos são mais lembrados. Sim. Mesmo nas nossas sociedades que fizeram da morte um tabu - disso não se fala, é de mau gosto e mau tom. Vive-se como se a morte não existisse. É melhor esquecê-la. Mas há este alçapão: ela não se esquecerá de nós. Por isso, em todas as culturas e sociedades, há estórias, mitos, que tentam explicar o inexplicável, esse mistério da morte, a coisa mais natural - como diz a nossa palavra nada, do latim, res nata: tudo o que nasce morre -, mas que não devia ser, a ponto de, segundo os antropólogos, sabermos que na longa história da evolução há seres humanos quando encontramos rituais funerários.
Aí estão algumas dessas belas estórias míticas.

1. A primeira foi o filósofo Manuel Fraijó que ma relembrou. Um antigo mito melanésio conta que no princípio os humanos não morriam. Quando chegavam a uma certa idade, mudavam a pele e ficavam outra vez jovens. Mas, um dia, aconteceu o inesperado: uma mulher aproximou-se de um rio para o rito da mudança de pele; atirou à água a pele velha e regressou rejuvenescida e contente; aconteceu, porém, que o filho a não reconheceu: aquela não era a sua mãe. Desejosa de recuperar o amor do filho, voltou ao rio e voltou a pôr a pele velha, que tinha ficado enredada num arbusto. Desde então, os humanos já não mudam a pele, e morrem. Um belo mito que relaciona a origem da morte com a única força superior a ela: o amor, o amor de mãe.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Leonard Cohen — a minha homenagem



Ler aqui

Poesia de Bocage para estes tempos




O Leão e o Porco

O rei dos animais, o rugidor leão,
Com o porco engraçou, não sei por que razão.
Quis empregá-lo bem para tirar-lhe a sorna
(A quem torpe nasceu nenhum enfeite adorna):
Deu-lhe alta dignidade, e rendas competentes,
Poder de despachar os brutos pretendentes,
De reprimir os maus, fazer aos bons justiça,
E assim cuidou vencer-lhe a natural preguiça;
Mas em vão, porque o porco é bom só para assar,
E a sua ocupação dormir, comer, fossar.
Notando-lhe a ignorância, o desmazelo, a incúria,
Soltavam contra ele injúria sobre injúria
Os outros animais, dizendo-lhe com ira:
«Ora o que o berço dá, somente a cova o tira!»
E ele, apenas grunhindo a vilipêndios tais,
Ficava muito enxuto. Atenção nisto, ó pais!
Dos filhos para o génio olhai com madureza;
Não há poder algum que mude a natureza:
Um porco há-de ser porco, inda que o rei dos bichos
O faça cortesão pelos seus vãos caprichos.


Bocage, in 'Fábulas'

Nota: Por sugestão do caderno Economia do EXPRESSO

Dar testemunho em nome de Jesus

Reflexão de Georgino Rocha 

Jesus aproveita um comentário que ouve na esplanada do Templo, em Jerusalém, para abrir a “ponta do véu” sobre as realidades últimas, o sentido da história, o alcance das transformações em curso, os germes do mundo novo a surgir. E sobretudo sobre a atitude dos discípulos face a esses sinais dos tempos, que suscitam perplexidade e exigem atenção e discernimento. Recorre a uma linguagem profética típica de quem fala para iniciados a fim de lhes revelar verdades consoladoras e de os exortar a não perderem a oportunidade de marcar a diferença em relação a quem vive “distraído”.
Exemplo desta atitude é dado pelo Cardeal Parolin, após a eleição do novo presidente dos Estados Unidos da América, ao expressar o voto de que de que Deus o ilumine e o ampare no serviço à pátria e ao bem-estar e à paz no mundo. “Acredito que hoje exista a necessidade de todos trabalharem para mudar a situação mundial, que é uma situação de grave dilaceração, de grave conflito”.
E o secretário de Estado do Vaticano, já havia dito: “Creio que, antes de tudo, tomamos conhecimento com respeito da vontade expressa pelo povo estadunidense neste exercício de democracia que, soube, foi caracterizado também por uma grande afluência às urnas”. Exemplo que revela a sabedoria e a prudência, fruto de contínuo discernimento.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

A democracia é isto...

 Goste-se ou não, a vitória de Trump foi limpa. Tive muita dificuldade em compreender o seu triunfo, mas logo me lembrei de que o povo tem sempre razão. É ele quem mais ordena, diz a canção que todos sabemos cantar ou trautear. E a partir daí, teremos que respeitar a decisão de uma democracia madura. 
Estamos a pensar também no que virá aí a reboque das eleições nos Estados Unidos. As forças dos milhões e milhões dos descontentes, dos famintos, dos excluídos, dos sem voz e das vítimas das políticas ultraliberais hão de tentar esbofetear quem governa esquecendo-se das pessoas... 
Na nossa Europa já há sinais do que afirmo... E estou com muita curiosidade em saber o que acontecerá nas próximas eleições na França e na Alemanha, dois países que têm servido de barómetro na comunidade europeia. Digo isto porque o exemplo dos Estados Unidos vai refletir-se em todos os quadrantes. Com a vitória de Trump, o mundo ficará diferente. Estarei enganado? Oxalá.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

O prazer da pesca na ria


É notório que não falta quem goste de pescar na ria, mesmo no centro, para saborear a maresia que invade todos os poros. Tempo livre bem aproveitado. E se as águas estão calmas e o sol brilha, então aproveitam-se todas as hipóteses de pescar pelo prazer de pescar, contemplando a natureza com toda a sua pureza. 
Paciência bem à prova como desafio permanente. Pica não pica, mais isco sobre isco e de quando em vez lá vem um robalo, grande ou pequeno, tanto faz, Nem tempo há para conversas. É preciso aproveitar a maré.

O Encontro

Crónica de Maria Donzília Almeida


Ser órfão! 

Não ter na vida aquilo que todos têm! 
É como a ave sem ninho... 
É qual semente perdida que, 
ao voltar do seu eirado, 
o lavrador descuidado 
deixou tombar no caminho.

Guerra Junqueiro

Estava de saída, num restaurante local, onde paro de vez em quando para satisfazer as necessidades do corpo e ao mesmo tempo apreciar a gastronomia das Gafanhas. 
Como é comum, no meu percurso docente, eu ter lecionado a meia Gafanha, inteirava-me da situação escolar do filho dos donos, meu ex-aluno. Qualquer professor gosta de saber a evolução dos seus alunos, quando são lançados no vasto mundo. 
Aquele, um native speaker, ia bem no prosseguimento de estudos. Fora uma criança dócil, para quem o cumprimento de regras não constituiu qualquer dificuldade. 
Quando me dirigia para a porta, fui intercetada de forma desabrida, por um adolescente, que me pespegou dois beijos na cara e continuou a cirandar ali, à minha volta. 
Estava naquele momento a frequentar um curso com a componente prática, numa empresa local – informou ele, com despacho. 
A imagem que guardo do T. é a de uma criança que a vida atirou para o mundo, sem um berço para o acolher. Andara ao sabor da maré, que nem sempre fora a seu favor. Denotava um abandono profundo no que toca aos laços afetivos que lhe haveriam de estruturar a personalidade. Essa carência fez dele uma criança instável, irrequieta e com poucas perspetivas de futuro. Causava dó! Qualquer migalha de afeto, que lhe dessem, era para ele sustento. Migalhas é pão…diz o refrão popular.

Dia da Mudança — 12 de novembro

 Apresentação da nova fase 
da cultura no Município


Centro Cultural da Gafanha da Nazaré
«Falta menos de uma semana. Os centros culturais do concelho de Ílhavo vêm abaixo. No seu lugar, erguer-se-ão quatro novos espaços, diferentes entre si, todos unidos no mesmo espírito: o da mudança. Ílhavo, Vista Alegre, Gafanha da Nazaré e Costa Nova, palcos de uma nova abordagem à cultura que irá muito além das paredes dos edifícios que contemplamos.
O convite é para todos e as novidades são muitas, por isso temos o dia todo. No dia 12 de novembro, o programa arranca às 11 da manhã, prolonga-se por toda a tarde e só termina depois das badaladas que assinalarão o dia 13. Gratuito, com transportes, também gratuitos, assim como regulares, a ligar os quatro espaços culturais, em 37 quilómetros de surpresas e expetativas partilhadas.
Com cinco momentos distintos que passam pela arquitetura, pelo teatro e pela música, o programa começa por “Olhar por dentro” dos edifícios culturais, cujas construções vão desde a época industrial à contemporânea. Nas primeiras horas do dia da mudança, entre as 11 e as 14 horas, olham-se os pormenores, sabe-se o que distingue cada espaço e motivou o arquiteto que o pensou. Na viagem, olham-se algumas das casas que tornam ainda mais emblemáticas as paisagens do concelho.
Às 16 horas, o encontro é no Teatro da Vista Alegre, onde o Departamento de Comunicação e Arte (DeCA) da Universidade de Aveiro apresenta um concerto com alguns dos seus grupos de formação, espetáculo que marca a nova parceria entre o novo projeto cultural de Ílhavo e a Universidade de Aveiro.»

Fonte: CMI

NOTA: Quero convictamente apostar em projetos novos ou renovados, desde que, pelas suas programações, se dirijam às pessoas, nas suas diversidades culturais e sociais. Importa, paralelamente, sensibilizar os munícipes para que participem nas várias iniciativas que venham a ser implementadas pelas autarquias e não só. 

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Prémio Jornalismo Centenário das Aparições de Fátima



«O Santuário de Fátima institui um prémio de jornalismo, designado Prémio Jornalismo Centenário das Aparições de Fátima, com a finalidade de destacar trabalhos de jornalismo, do género “reportagem”, publicados em órgãos de comunicação social, em língua portuguesa, que tenham por objeto o fenómeno Fátima, nalgum dos seus aspetos: santuário, peregrinação, mensagem, espiritualidade, história, património, repercussões sociais, entre outros. Este prémio, aberto a todos os profissionais da comunicação social, decorre de 1 de abril de 2016 a 31 de julho de 2017.»

Fonte: Santuário de Fátima

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Igreja Católica celebra Semana dos Seminários

É necessário abrir o coração 
às sugestões interiores do Espírito

Seminário de Aveiro. Imagem exterior 

Seminário de Aveiro. Imagem interior

D. António Moiteiro

«A vocação sacerdotal não nasce somente de um chamamento, de um desejo ou de um impulso interior; ela é fruto do encontro do Deus misericordioso com o homem perdido e que é encontrado, com o homem morto e que revive. Como dom da iniciativa divina, a vocação sacerdotal só pode desabrochar em quem humildemente conhece aquilo que é e sabe que tudo deve à grandeza do amor de Deus.» Esta chave da vocação para a vida sacerdotal está expressa na mensagem da Comissão Episcopal das Vocações e Ministérios presidida pelo Bispo de Coimbra, D. Virgílio do Nascimento Antunes, para a Semana dos Seminários, que está a decorrer.
Para os católicos, a Semana dos Seminários deve ser um ponto de partida para uma reflexão pessoal e coletiva, no sentido de se compreender a importância e a necessidade destas casas nos momentos de discernimento, tendo por meta a caminhada rumo ao ministério sacerdotal. Garantidamente, hoje não vivemos tempos de seminários cheios, que os jovens, mal despontam para a vida, já se deparam com outras e diversas solicitações, interpelantes desafios e apelos hedonistas, por vezes muito longe dos ambientes familiares e do transcendente. 
O nosso bispo, D. António Moiteiro, lembra na sua mensagem que, para o cristão, «há apenas um caminho para encontrar o que agrada a Deus — o do discernimento — discernimento que depende da pessoa e da abertura da sua consciência ao Espírito». «É necessário abrir o coração às sugestões interiores do Espírito, que convida a ler em profundidade os desígnios da Providência», disse.
D. António frisa que «a grande mensagem de Deus é a misericórdia – a prova de como Deus ama», salientando que a misericórdia nos envolve a todos «como destinatários e como atores». 
Afirma mais adiante que «o fundamental da vocação do discípulo é ser pessoa humana e cristã, uma pessoa configurada com Cristo; revestida de “entranhas de misericórdia”. E acrescenta: «A configuração a Cristo não se pode alcançar por si mesmo ou fora da comunidade de fé, mas numa vida em comunhão, que comporta exigência, sacrifícios, generosidade, doação, dedicação e paciência.»
O Reitor do Seminário Diocesano de Aveiro, padre João Alves, esclarece, em texto publicado no Correio do Vouga, que «O Seminário tem a missão de auxiliar os párocos e as comunidades cristãs na promoção de uma cultura vocacional e da vocação especificamente presbiteral», garantindo que se procura desenvolver na «promoção e no acompanhamento vocacional dos jovens motivações e atitudes de vida e de fé que coloquem o jovem no seguimento de Cristo».

No domingo, 13 de novembro, pelas 15 horas, no Santuário de Schoenstatt, haverá um Fórum Vocacional, organizado pelo arciprestado de Ílhavo, mas aberto a toda a Diocese de Aveiro. Será um tempo de partilha e de testemunhos de algumas pessoas sobre as suas respostas vocacionais. O nosso bispo encerra esta semana na eucaristia das 17 horas, no Santuário.

Fernando Martins

domingo, 6 de novembro de 2016

A Invenção da Natureza

“A Invenção da Natureza 
— As aventuras de Alexander Von Humboldt, 
o herói esquecido da ciência”



“A Invenção da Natureza — As aventuras de Alexander Von Humboldt, o herói esquecido da ciência” é um trabalho de Andrea Wulf, autora de vários livros distinguidos pela crítica, li na badana desta sua obra. Entre outras tarefas, «foi escritora em residência da British Livrary em 2013 e bolseira do International Center for Jefferson Studies em Monticello». Com estas credenciais, a autora oferece-nos um livro sobre um herói esquecido que dedicou a sua vida à ciência nas múltiplas vertentes da época em que viveu (1769-1859).
Reconheço que, ao passar por uma qualquer livraria, jamais daria atenção a este volumoso livro de 545 páginas, olhando apenas para o nome do biografado, que desconhecia em absoluto. Contudo, tive a sorte de o receber como oferta pela renovação da minha assinatura anual da revista LER, que muito aprecio e coleciono. 
Pelo que li, Alexander Von Humboldt foi, realmente, uma personagem 
extraordinária para o seu e nosso tempo pelo que visitou, um pouco por todo o mundo, e pelo que estudou, divulgou e influenciou sobre a natureza, numa época muitíssimo longe das altas tecnologias e dos diversos meios de comunicação social.
Diz a autora: «Nunca antes alguém chegara tão alto e nunca ninguém respirara um ar tão rarefeito. Enquanto estava de pé no topo do mundo, olhando lá em baixo as cordilheiras enrugadas, Humboldt começou a ver o mundo de forma diferente. Viu a terra como um grande organismo vivo, em que tudo estava ligado, concebendo uma ousada nova visão da natureza, que continua a influenciar a forma como compreendemos o mundo atual.»
Sublinha Andrea Wulf que Alexander Von Humboldt era descrito pelos seus contemporâneos como «o homem mais famoso do mundo a seguir a Napoleão, mas também «feroz crítico do colonialismo», apoiando as «revoluções da América Latina». E embora admirasse os Estados Unidos, «devido aos seus conceitos de liberdade e igualdade», nunca deixou de criticar «o seu fracasso para abolir a escravatura». 
Na contracapa, citam-se algumas referências, de que destaco:

«Os ecologistas de hoje, afirma Andrea Wulf, devem tudo a Humboldt. Face ao desafio tremendo de compreender as consequências globais das alterações climáticas, a abordagem interdisciplinar deste cientista é hoje mais relevante do que nunca» (The Economist)

«A um certo nível, este livro é uma exuberante história de aventuras […] Mas é também uma fascinante história de ideias.» (Sarah Darwins, Financial Times)

«Uma biografia espantosa. […] Humboldt pode ter sido esquecido, mas as suas ideias nunca estiveram tão vivas. […] No nosso tempo as suas teorias são como profecias. Mais importante ainda, explicam o caminho a seguir. É impossível ler a Invenção da Natureza sem contrair a “febre de Humboldt”. Wulf torna-nos fãs deste homem. […] A investigação que presidiu a este livro não desagradaria ao próprio Humboldt.» (New York Review of Books)

Então, se puderem, leiam este livro. Está bem escrito, bem traduzido e com ilustrações a condizer.

Fernando Martins 

A Igreja e a Política: que Igreja e que política? (3)

Crónica de Frei Bento Domingues 



1. Insisto neste longo e interrogativo título. Tanto no passado como na actualidade, o uso destas palavras está carregado de sentidos contraditórios. Existem muitas Igrejas. Quando se fala da Igreja Católica, muitos teimam, esquecendo o Vaticano II, em referir-se, apenas, à hierarquia eclesiástica: Papa, Cúria Romana, Cardeais, Bispos e Padres, deixando de fora a quase totalidade da Igreja. Aconteceu, entretanto, algo de muito estranho: chegou um Papa a mostrar que isso está completamente errado.
Como a Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, (A Alegria do Evangelho, 2013), do Papa Francisco, é muito incómoda, procura-se fazer de conta que é um desabafo irrelevante, sem consequências. Mas ele quis deixar escrito que se trata de um documento programático e de consequências importantes,dirigido a cada cristão.
Não se trata de uma vontade de poder, de auto-afirmação, de quem quer, pode e manda, apoiado na infalibilidade pontifícia. É precisamente essa mentalidade que ele procura desterrar. A Igreja é o NÓS de todos os cristãos e é precisamente isto que Bergoglio lembra, em todas as circunstâncias, a todas as pessoas e grupos, combatendo, sem tréguas, o clericalismo sempre renascente.

sábado, 5 de novembro de 2016

“Continuo a perguntar-me se a reforma faz bem à saúde”


«"Não basta acrescentar anos à vida. É preciso que esses anos sejam vividos bem", enfatiza Maria João Valente Rosa, que dirige a Pordata, base de dados da Fundação Francisco Manuel dos Santos. A demógrafa e professora universitária defende que deveria ser possível continuar a trabalhar após a reforma»

No PÚBLICO de hoje

Os reformados/aposentados têm mesmo de se questionar sobre a forma como estão a viver depois de deixarem definitivamente as suas ocupações profissionais. Mas será que a qualidade de vida lhes garante uma velhice tranquila, alegre e feliz? Ou, como sugere o texto escrito por Alexandra Campos, a reforma não faz bem à saúde?
A esta e a outras perguntas responde Maria João Valente Rosa. Mas também adianta que o ideal seria continuar a trabalhar após a reforma. E eu acrescento: na mesma profissão ou noutras.

Sofrimento, medicina e o transcendente. Homenagem a João Lobo Antunes

Crónica de Anselmo Borges 

João Lobo Antunes


Para um dos colóquios Igreja em Diálogo, sobre "Religião e (In)felicidade", também convidei o professor João Lobo Antunes, para falar precisamente sobre "Sofrimento, medicina e o transcendente". Mandou-me o texto da conferência, que ainda não publiquei. O que aí fica é um brevíssima síntese, que é, julgo, a melhor homenagem que posso prestar ao amigo, médico de fama mundial, professor ilustre, homem da cultura, mestre da escrita, humanista, cristão.
"O papel da espiritualidade no contexto do sofrimento e da doença é tema que entre nós habitualmente se mantém circunscrito ao domínio de uma visão confessional da medicina ou da saúde em geral. Devo dizer que este é tópico que me tem ocupado regularmente ao longo dos anos, estimulado, quem sabe, por uma angústia metafísica que periodicamente emerge."

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

E se encontrassem o corpo de Jesus?

Equipa de cientistas anda a escavar no Santo Sepulcro. 
A descoberta de um corpo podia "abalar a fé de milhões"


Interpelações aos vivos do Deus da Vida

Reflexão de Georgino Rocha


Jesus aproveita a oportunidade que a pergunta insidiosa dos saduceus proporciona para mostrar quem é Deus e afirma sem rodeios que é o Deus dos vivos e da vida. Procura assim “configurar” o rosto de Deus Pai, fonte de vida e de felicidade, aliado incondicional de cada ser humano que trata com seu filho querido. Mesmo quanto este vive situações indignas e degradantes, vítima de si mesmo ou de condições sociais e religiosas, consciente da dignidade perdida e desejoso de a ver reabilitada ou resignado na sua passividade induzida.
A pergunta dos saduceus, elite aristocrática de Jerusalém, pretende “entalar” Jesus sobre uma questão delicada: a ressurreição dos que morrem, a relação entre eles, a compreensão da vida futura. Assunto em que eles não acreditam, mas que lhes dá jeito pelas questões que envolvem. E recorrem a um suposto caso de vida em que uma família tem sete filhos que, sucessivamente, vêm a casar com uma mulher que vai ficando viúva à medida que cada um deles morre. Finalmente morre também ela. “A quem pertence no futuro, uma vez que foi esposa dos sete?
Jesus eleva a questão ao seu verdadeiro nível e diz-lhes com apoio na tradição bíblica em que eles também acreditam que Deus é Deus dos vivos, que para Ele todos vivem, que a todos oferece a ressurreição feliz. Fica desmontada a armadilha e esclarecida a verdade a respeito de Deus, do ser humano, da vocação da humanidade: acolher a vida como dom de Deus e missão nossa. A ressurreição não é um regresso, nem um prolongamento da vida presente. É novidade completa garantida por Deus e acontecida em Jesus de Nazaré, que ressuscita após a sua morte de cruz.

Concerto de encerramento do Ano Santo da Misericórdia

SÉ DE AVEIRO
12 NOVEMBRO 2016 | 21H30



No próximo dia 12 de novembro, pelas 21h30, decorrerá na Sé de Aveiro um concerto sob a direção de António Mário Costa com João Santos ao órgão, a soprano Helena Santos e com os Coros da Catedral de Aveiro e de Santa Joana.
Esta ação, integrada no encerramento do Ano Santo da Misericórdia, é organizada pela Comissão Diocesana da Cultura em parceria com a anfitriã Paróquia de Nossa Senhora da Glória.

Nota: Informação da Diocese de Aveiro

destaque

As tentações e o Diabo

Anselmo Borges  no Diário de Notícias 1 - Também por influência do Papa Francisco, está-se a rever, em várias línguas, a tradução d...