Frederico Lourenço traduziu o Novo Testamento do grego

A minientrevista publicada na revista Sábado 


Frederico Lourenço

O professor na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra traduziu o Novo Testamento a partir do grego. Até 2020 debruçar-se-á também sobre o Antigo Testamento para completar os cinco volumes da Bíblia, a editar pela Quetzal.

“Um desafio intelectual”

Porque começou com o Novo Testamento? 

O meu projecto inicial era traduzir apenas o Novo Testamento. Mas comecei a interessar-me pela versão grega do Antigo Testamento.

Quais são as principais diferenças relativamente a outras traduções?

No Novo Testamento é a procura de maior exactidão no processo de passar as palavras gregas para português. No Antigo Testamento é o facto de a versão grega (que é a mais longa e completa) nunca ter sido traduzida para português. A latina e a hebraica foram; mas a grega não.

Quais são as escolhas mais difíceis?

A maior dificuldade para todos os tradutores do Novo Testamento são as epístolas de São Paulo, porque estão escritas numa linguagem densa e bastante complexa. Achei um texto muito difícil, mas extraordinário, pelo desafio intelectual que coloca.

A sua tradução tem duas versões do Pai-Nosso (Mateus e Lucas). O que lhe têm dito sobre estas diferenças? 

As diferenças já estão no mais antigo manuscrito completo do Novo Testamento, que é do século IV.

S.C.

Publicado na revista Sábado
Foto do google

Comentários