O meu neto Dinis


 Afastado voluntariamente do ciberespaço para prestar mais atenção ao meu neto Dinis, o mais novo dos três netos que tenho, volto hoje ao convívio dos muitos amigos destas andanças pela aldeia global. O meu neto merece realmente muita atenção, sobretudo quando nos interpela por isto e por aquilo. As respostas, adequadas à sua idade, nem sempre são fáceis, exigindo de cada um de nós, tantas vezes, um raciocínio pronto e claro. Outras tantas vezes as nossas explicações provocam uma catadupa de perguntas do Dinis.
Não é fácil educar, em especial no presente, tal é a quantidade de desafios lançados à gente mais nova, veiculados pelos diversos órgãos de comunicação social, numa mescla de publicidade e informação: Livros, CD, Vídeos, Revistas, Jogos, Cadernos para ilustrar, Puzzles, Filmes, Legos, Computadores, PlayStation, Dominós e mais uma panóplia de formas de entretenimento que o Dinis conhece pelo seu nome próprio e que eu, seu avô, até ficava baralhado. O mesmo se diga da avó.
Para nosso descanso, a sesta era o único momento para descontrairmos. Hoje, que partiu para férias, o silêncio da nossa casa até se tornou frustrante, de tão habituados estarmos à sua inquietude, exigência e genica. Que Deus o conserve assim, com muita saúde.

Comentários