Forte da Barra em obras de conservação e pintura








Por ter estado uns dias ausente e, decerto, por andar também um pouco distraído, fiquei surpreendido quando deparei com obras de conservação e pintura das fachadas dos edifícios adjacentes ao Forte da Barra de Aveiro, também conhecido por Forte Novo ou Castelo da Gafanha. Depois de tanto se ter reclamado alguma dignidade para aquela estrutura de defesa militar, considerada Imóvel de Interesse Público pelo Decreto - Lei n.º 735/74 de 21 de Dezembro, fiquei deveras satisfeito por vislumbrar ao fundo do túnel solução para aquele espaço. As obras são da responsabilidade da APA (Administração do Porto de Aveiro) e incluem ainda a pintura da capela dedicada a Nossa Senhora dos Navegantes, venerada pelos homens do mar e seus familiares.
O Forte da Barra é um imóvel do século XVII, embora haja quem o considere anterior. Trata-se de «uma obra do tipo abaluartado, restando, atualmente, uma pequena cortina de dois meios baluartes. Quando se tornou desnecessária a defesa do Rio Vouga foram edificadas diversas construções», diz Nogueira Gonçalves no seu Inventário Artístico de Portugal.
O Guia de Portugal da Fundação Calouste Gulbenkian acrescenta que a «torre de sinalização que aqui se ergue foi construída em 1840, sob a direção do Eng. Oliveira Antunes». Por sua vez, o Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses do General João de Almeida diz que «este forte teria sido construído durante a Guerra da Restauração e reconstruído nos anos de 1801 a 1802, em obediência ao plano de defesa do reino, elaborado nos fins do século XVIII». Acrescenta que, «em fins do século passado, perdida a sua eficiência militar, foi construída, contígua à fortaleza, da banda do sul, uma bateria rasa, de tiro de sinal para avisar a defesa da entrada da barra».
A descrição do Forte da Barra de Aveiro sugere‑nos uma referência a um outro forte, o Forte Velho, que existiu na Vagueira estando bem assinalado em diversas cartas, possivelmente construído com finalidades semelhantes pela mesma altura e há muito destruído. Estará em estudo a hipótese de abrir o Castelo da Gafanha à investigação histórica para, tanto quanto possível, se definir a razão da sua construção e sequentes alterações, no quadro da defesa militar, mas não só.
O Presidente da APA, Braga da Cruz, disse ao Diário de Aveiro que está «atento ao que possa surgir» para aproveitamento do Forte da Barra, desde que «tenha viabilidade económica». E a Câmara Municipal de Ílhavo sugere a sua utilização num investimento ligado à hotelaria, restauração ou de lazer.

Fernando Martins

Comentários