segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Viajando pela Rússia

Crónica de viagens de Maria Donzília Almeida

Escadaria do Palácio de Yusopov
Forte de S. Pedro e de S. Paulo
Palácio de Yusopov
Palácio de Yusopov - Salão
Teatro de Yusopov  Palácio se S. Peterburg.
A Rússia, um país que suscita as mais controversas emoções, foi o destino do grupo de viajantes da Vera Cruz, neste ano da Graça de 2016.
Visitar a Rússia é mergulhar nas páginas da sua história, que se abrem perante nós em cada pedra que pisamos, cada palácio que visitamos, cada catedral que admiramos.
É tão vasta a sua história, quanto a dimensão do país, que duplica a área do Brasil. Na sua imensa superfície, uma parte europeia, outra asiática, confina com países como a Coreia do Norte, a China, a Mongólia, o Cazaquistão, o Azerbaijão, a Geórgia, a Ucrânia, a Bielorrússia, a Letónia, a Finlândia e Noruega e ainda o Alasca.
Para compreender a Rússia de hoje, convém conhecer um pouco da sua história que se inicia com os eslavos do leste, um grupo étnico reconhecido na Europa entre os séculos III e VIII. Fundado e dirigido por uma classe nobre de guerreiros vikings e pelos seus descendentes, o Principado de Kiev, o primeiro estado eslavo, surgiu no século IX. Adotou o cristianismo ortodoxo do Império Bizantino em 988, dando início à síntese das culturas bizantina e eslava, acabando por definir a cultura russa.

domingo, 28 de agosto de 2016

Saborear enguias na terra do bacalhau — Li no FUGAS

Texto José Augusto Moreira
com fotos de Hugo Santos

Sala principal do restaurante A Cave, na Gafanha da Encarnação

Há que passar por Ílhavo para se entender a saga heróica da pesca do “fiel amigo” e para o saborear nas suas receitas mais tradicionais. Foi n’ A Cave, na Gafanha da Encarnação, que nos repimpámos com um abafado de bacalhau e umas enguias de caldeirada. Duas tachadas de truz!
Sendo o bacalhau uma paixão nacional, bem se pode dizer que Ílhavo há-de ter um cantinho especial no coração dos portugueses. Mas sobretudo no palato, já que foi a partir daí que se formou o grosso da frota bacalhoeira e continua a ser com base no seu porto bacalhoeiro que o país se alimenta do “fiel amigo”. Do verdadeiro, o gadus morhua. Aquele que vem das águas frias do Atlântico Norte, que amarelece com a cura, que lasca quando chega ao prato e é apaixonadamente apreciado.
Há que passar por Ílhavo para se entender a saga heróica da pesca à linha do bacalhau. Tem o Museu Marítimo, moderno e exemplar, onde a toda a história está muito bem documentada e exposta, e que inclui até, desde há três anos, um aquário de bacalhaus; Tem também, atracado no porto, o arrastão Santo André, para mostrar como era dura a vida daqueles que fizeram a história da “faina maior”; e tem até um festival dedicado ao bacalhau onde este é saboreado nas múltiplas tasquinhas segundo as receitas mais típicas e tradicionais, e que todos os anos atrai centenas de milhar de visitantes, tal como mais uma vez aconteceu no final da semana passada.
 
Ler tudo aqui
 
NOTA: Fico sempre satisfeito quando leio na comunicação social referências à nossa terra. E se essas referências são de aplauso, mais satisfeito fico. Quando posso, partilho o que vou sabendo.

Efeméride: Imagem do Senhor dos Passos

1896 — 28 de agosto
 
Imagem do Senhor dos Passos - Paróquia da Glória
 
«Pelas duas horas da madrugada, os mordomos da respectiva Irmandade do ramo da Vera-Cruz levaram violentamente para a igreja do Carmo a veneranda imagem do Senhor dos Passos que, tendo sido da matriz de S. Miguel, fora transferida em 1835 para a paroquial de Nossa Senhora da Gória (Litoral, 5-3-1955 e 19-3-1955) – J.»
 
 

sábado, 27 de agosto de 2016

32.º Festival de Folclore "Cidade de Ílhavo"



Vai realizar-se, no próximo dia 3 de setembro, no Jardim de Ílhavo, o 32.º Festival de Folclore "Cidade de Ílhavo", com realização do Rancho Regional da Casa do Povo daquela cidade. 
Participam, para além do rancho anfitrião, os Ranchos Folclórico e Etnográfico de Reguengo da Parada - Caldas da Rainha, Folclórico da Ribeira de Santarém - Santarém, Folclórico de São Félix da Marinha - Vila Nova de Gaia, Folclórico dos Moleanos - Alcobaça e Folclórico de Paranhos - Porto.
Esta é mais uma expressiva demonstração da etnografia, em especial, e do folclore, em particular, do nosso país, digna de ser apreciada pelos amantes das ancestrais artes e saberes do nosso povo.

Para o Padre José Lourenço

Uma reflexão de Pedro José Lopes Correia

os cuidados que precisamos sempre:
para o Pe José Lourenço (93 anos de vida e 69 de padre)

Padres Pedro José e José Lourenço
“Não acredito que cada um tenha o seu lugar. 
Acredito que cada um é um lugar para os outros”, 

Daniel Faria in O Livro de Joaquim.

O estar deitado numa cama e não poder mover-se por si próprio. As forças no fim. As dores omnipresentes no rosto. A Ternura da mão acolhida na segurança do afecto, da relação e da história alargada. Não sabemos a hora do fim. Queremos acreditar no Amor-que-se-faz-presença-até-ao-Fim. A competência extrema e eficiente de quem cuida e humaniza o «nosso» fim. A nossa história de Amor nesta terra é feita de um Nó infinito de relações amadas e partilhadas. Nada será perdido.

Não ser capaz de estar Indiferente a todo o sofrimento que cai sobre nós: sismo, doença grave, desemprego, relações atraiçoadas… A lista não tem fim. Fim tem a vida limitada e fechada no Egoísmo. Vida contínua é a que comunga da presença de Deus e das pessoas sem preconceitos. A Alegria do serviço doado: seja a limpar o chão molhado; a gerir a aplicação criteriosa dos medicamentos descobertos pela Ciência; a trazer a luz do bem recebido e feito.

(...)

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

AMIGO, VEM MAIS PARA CIMA

Reflexão de Georgino Rocha
 
 
Este apelo convite surge na parábola do banquete narrada por Jesus na conversa à mesa com um fariseu que o havia convidado a tomar uma refeição em sua casa. Constitui uma espécie de resposta às atitudes dos comensais que buscam os primeiros lugares, sinal ritual da importância social e religiosa de cada um. Serve de contraponto e realça valores fundamentais a quem pretende ser discípulo e fazer parte da comunidade dos que o seguem. Define claramente as pautas da “corrida do cristão” na sociedade actual, da escala de valores a promover e das atitudes a vivenciar.
Estar à mesa e comer juntos tem um grande significado familiar, social e religioso: encontro amigo e fraterno, conversa e partilha de notícias e saberes, reforço de laços de proximidade, afirmação de estima mútua e de próxima ou igual categoria. Assim o entendiam todos os participantes. Por isso se observam mutuamente.  Certamente com segundas intenções. Jesus não foge à regra, como o demonstram as parábolas, hoje, narradas.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Um poema de Orlando Figueiredo: MAR

Publicado 
em 25 de agosto de 2006 
no meu blogue




MAR 

Aqui está o mar
inteiro e firme
olhos abertos e azuis
voz rouca e veemente

Cresce em mim como espuma
o desejo de amar o mar


In “Guardador de Sonhos”

NOTA: Os anos passam a uma velocidade estonteante, ficando para trás, cansados da caminhada, vivências,  experiências, encontros e desencontros, leituras e escritos. Fui ver o que escrevi no dia 25 de agosto de há 10 anos e encontrei este poema do meu familiar, amigo e poeta Orlando Figueiredo. Aqui fica ele em jeito de homenagem e na esperança de voltar à leitura da sua poesia. 

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Porto de Pesca Costeira: A vontade de comer

Porto de Pesca Costeira
Ao longe vi apenas o Porto de Pesca Costeira com tempo enevoado. Sombra de barcos de pesca e ponte ao longe emolduravam o quadro. E disparei sem mais para registar a minha passagem por aquelas bandas. Porém, no computador tudo se mostrou diferente, mais nítido e mais desafiante. Sinais de vontade de saborear algum peixito caído de qualquer barco geraram esta moldura de gaivotas atentas às manobras de quem por ali trabalhava. E será, garantidamente, coisa habitual.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Andanças pela Figueira da Foz em agosto

Bairro no meio do arvoredo
Vela em terra à espera de barco

Perdeu o Norte ou está a descansar?
Câmara Municipal da Figueira da Foz construída em 1897

A Lita numa das suas praias preferidas (Buarcos)
Sempre a perscrutar outros horizontes
Para viver com mar à vista
Pedras que dão sempre jeito
Navegar muito ao largo para não perturbar quem está a banhos

Todas as posições são válidas para ficar no retrato
Mais uma vez a tentar ver nem sei o quê

Decisões da República

1911 - 23 de agosto

Convento das Carmelitas renovado
«Um decreto assinado pelos ministros Afonso Costa e José Relvas determinou o seguinte:
1.º – São cedidos à Câmara Municipal do Concelho de Aveiro os edifícios e suas dependências dos extintos conventos de Jesus e das Carmelitas nessa cidade, a fim de neles instalar repartições públicas, escolas, tribunais e quartéis de polícia;
2.ºA parte do convento de Jesus, contígua ao claustro e à igreja, a qual já foi declarada monumento nacional, será destinada à instalação de um museu regional de arte antiga e moderna, na medida do que for sendo necessário e sob a administração da Câmara Municipal».
A Edilidade viu-se incapaz de levar por diante a iniciativa do museu, pelo que, em 7 de Junho de 1912, o Estado chamou a si a sua instalação e conservação (Diário do Governo, n.º 198, 25-8-1911, pg. 3608. Em Arquivo, XLI, pgs. 241 e ss., há diversas inexactidões em datas; também há inexactidões em Museu de Aveiro – Roteiro, pg. 4, da autoria de António Manuel Gonçalves) – J.»
"Calendário Histórico de Aveiro"
de António Christo e João Gonçalves Gaspar

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Ainda os Açores — Leituras (1)

“Mulher de Porto Pim — Uma ode aos Açores” 
de Antonio Tabucchi



Quando fui aos Açores, mais concretamente à ilha de S. Miguel, levei no saco da bagagem um livro de Raul Brandão — “As Ilhas Desconhecias” —, escrito em 1926 (há precisamente 90 anos), a partir de uma viagem que o escritor e jornalista havia feito em 1924. Levei também outra literatura avulsa de caráter propagandístico, mas interessante.
Hoje, porém, inicio referências a outros livros que tanto podem ser lidos antes da partida para os Açores como no regresso. Começo com “Mulher de Porto Pim — Uma ode aos Açores” de Antonio Tabucchi, professor e escritor italiano que se radicou em Portugal por tanto gostar do nosso país. Morreu em 25 de março de 2012.
A edição que tenho em mãos e que já li tem a chancela da editora Dom Quixote e foi publicada este ano. Apresenta o Prólogo com data de 23 de setembro de 1982. São apenas 126 páginas, capa dura, tradução de Maria Emília Marques Mano, pois o original foi escrito em italiano, em Vecchiano. 
Curiosamente, depois de ler o livro, de formato pequeno, li no Expresso uma referência crítica de Pedro Mexia, que lhe deu a classificação de quatro estrelas, num máximo de cinco. Tanto basta para aquilatarmos da qualidade e do interesse desta obra de Antonio Tabucchi.
No trabalho deste autor há naufrágios, destroços, passagens e lonjuras, mas há baleias e baleeiros, onde cabe a história da Mulher de Porto Pim. Permitam-me que destaque uma biografia, algo ficcionada, de Antero de Quental, a qual nos mostra António Feliciano de Castilho, a quem o pai do poeta açoriano confiou a instrução de seu filho. Mestre de Antero, na infância, e mais tarde adversários e polemistas na chamada Questão Coimbrã. 

Um retalho 

«Quando o menino chegou à idade de aprender, o pai chamou para sua casa o poeta António Feliciano de Castilho [Residiu algum tempo em S. Miuguel] e confiou-lhe a sua instrução. Castilho era considerado então grande poeta, talvez por causa das suas traduções de Ovídeo e de Goethe, e talvez também pela sua infeliz cegueira que, por vezes, dava aos seus versos um tom pomposo muito apreciado pelos românticos. Na realidade era um erudito irascível e austero que privilegiava a retórica e a gramática. Com ele o pequeno Antero aprendeu latim, alemão e métrica. E com estes estudos chegou à adolescência.»

E no Post Scriptum — Uma baleia vê os homens

«Não gostam da água e têm medo dela, e não se percebe por que razão a frequentam. Também se deslocam em bandos, mas não levam fêmeas e adivinha-se que elas se encontram algures, mas sempre invisíveis. Às vezes cantam, mas só para si, e esse canto não é um chamamento, mas uma forma de lamento pungente. Cansam-se depressa, e quando a noite cai estendem-se sobre as pequenas ilhas que os transportam e talvez adormeçam ou olhem para a lua. Passam deslizando em silêncio e percebe-se que são tristes.»


Fernando Martins

Alexandre O'Neill morreu há 30 anos

  
“A poesia é a vida? Pois claro!
Conforme a vida que se tem o verso vem
— e se a vida é vidinha, já não há poesia
que resista. O mais é literatura,
libertinura, pegas no paleio;
o mais é isto: o tolo dum poeta
a beber dia a dia a bica preta,
convencido de si, do seu recheio…
A poesia é a vida? Pois claro!
Embora custe caro, muito caro
e a morte se meta de permeio.”
 
(Alexandre O’Neill, in Feira Cabisbaixa, 1965)
 
Nota: Foto e texto do Observador

sábado, 20 de agosto de 2016

Forte da Barra em obras de conservação e pintura








Por ter estado uns dias ausente e, decerto, por andar também um pouco distraído, fiquei surpreendido quando deparei com obras de conservação e pintura das fachadas dos edifícios adjacentes ao Forte da Barra de Aveiro, também conhecido por Forte Novo ou Castelo da Gafanha. Depois de tanto se ter reclamado alguma dignidade para aquela estrutura de defesa militar, considerada Imóvel de Interesse Público pelo Decreto - Lei n.º 735/74 de 21 de Dezembro, fiquei deveras satisfeito por vislumbrar ao fundo do túnel solução para aquele espaço. As obras são da responsabilidade da APA (Administração do Porto de Aveiro) e incluem ainda a pintura da capela dedicada a Nossa Senhora dos Navegantes, venerada pelos homens do mar e seus familiares.
O Forte da Barra é um imóvel do século XVII, embora haja quem o considere anterior. Trata-se de «uma obra do tipo abaluartado, restando, atualmente, uma pequena cortina de dois meios baluartes. Quando se tornou desnecessária a defesa do Rio Vouga foram edificadas diversas construções», diz Nogueira Gonçalves no seu Inventário Artístico de Portugal.
O Guia de Portugal da Fundação Calouste Gulbenkian acrescenta que a «torre de sinalização que aqui se ergue foi construída em 1840, sob a direção do Eng. Oliveira Antunes». Por sua vez, o Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses do General João de Almeida diz que «este forte teria sido construído durante a Guerra da Restauração e reconstruído nos anos de 1801 a 1802, em obediência ao plano de defesa do reino, elaborado nos fins do século XVIII». Acrescenta que, «em fins do século passado, perdida a sua eficiência militar, foi construída, contígua à fortaleza, da banda do sul, uma bateria rasa, de tiro de sinal para avisar a defesa da entrada da barra».
A descrição do Forte da Barra de Aveiro sugere‑nos uma referência a um outro forte, o Forte Velho, que existiu na Vagueira estando bem assinalado em diversas cartas, possivelmente construído com finalidades semelhantes pela mesma altura e há muito destruído. Estará em estudo a hipótese de abrir o Castelo da Gafanha à investigação histórica para, tanto quanto possível, se definir a razão da sua construção e sequentes alterações, no quadro da defesa militar, mas não só.
O Presidente da APA, Braga da Cruz, disse ao Diário de Aveiro que está «atento ao que possa surgir» para aproveitamento do Forte da Barra, desde que «tenha viabilidade económica». E a Câmara Municipal de Ílhavo sugere a sua utilização num investimento ligado à hotelaria, restauração ou de lazer.

Fernando Martins

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Os nossos sonhos…

Praia do Barril
Não falta, no seio da família, e não só, quem pressinta os nossos gostos, as nossas alegrias e até os nossos sonhos. E a partir desses pressentimentos, quando se age em conformidade, somos levados a reviver alegrias e vivências que, de alguma forma, nos dão imenso prazer.
O Algarve está muito no meu espírito, razão por que, quando calha a talho de foice, sou levado a sonhar voltar lá para umas férias reconfortantes, que me libertem de compromissos e rotinas. Enquanto estive na Figueira da Foz, a minha filha Aidinha e família rumaram às soalheiras praias e paisagens algarvias, de onde regressaram hoje. Acordado da sesta, a nossa Aidinha atirou-me: 
 
— Papá, queres ir à praia do Barril? 
— A das âncoras, onde passei algumas férias tão agradáveis? — Atirei eu. 
— Então prepara-te. 
— Agora mesmo? 
— Exato! — Garantiu-me ela.

Pegou num lenço comprido, vendou-me os olhos e começou a tirar-me as meias. De repente, senti os meus pés mergulhados em areia quentinha… depois água tépida deu-me uma sensação de alívio, qual exercício terapêutico. Tudo tão reconfortante…
Pôs-me uma concha nas mãos e afiançou-me que estava na Praia do Barril. (A concha foi uma prenda, que muito me agradou.)
A alegria à volta desta brincadeira a que aderi com gosto brotou espontaneamente. E a minha memória conduziu-me, como tantas vezes, até àquela praia do Algarve, de temperaturas e ambientes tão acolhedores.

Fernando Martins

ATREVE-TE A ENTRAR PELA PORTA ESTREITA

Reflexão de Georgino Rocha

A vida humana tem futuro? O que fazemos agora esgota-se no momento em que acontece ou prolonga-se para além do tempo? O que sobrevive de mim, após a morte, tem algo a ver comigo que procuro realizar-me em cada momento? O que me aguarda definitivamente tem algo a ver com as opções que faço em cada dia e a vida que levo?
Estas e outras preocupações – talvez não tão elaboradas – atormentam os acompanhantes de Jesus no seu “percurso” para Jerusalém. Um anónimo ergue a voz do meio da multidão e condensa-as na pergunta: “Senhor, são poucos os que se salvam?” - pergunta que fica sem resposta directa.
Jesus aproveita a oportunidade e faz um dos mais belos ensinamentos do seu magistério. Ignora o número pretendido e centra a sua atenção nas pessoas, exortando-as a praticarem uma qualidade de vida expressa em acções coerentes; condiciona o desfecho da existência terrena à luta, ao combate, ao “esforço” feito por cada uma como prova de acolhimento ao dono da casa e sintonia com a sua vontade; garante que haverá surpresas que encantarão uns e desiludirão outros; exorta com insistência a entrar pela “porta estreita” a fim de poder sentar-se à mesa da felicidade; responde no plural, sinal de que a salvação se realiza em solidariedade fraterna, embora seja pessoal; designa esta realidade englobante por reino de Deus, indicando claramente o futuro emergente na história que se desvendará plenamente na eternidade.

Por casa, de novo

Almoço no quintal

Apesar de tudo, só nos sentimos verdadeiramente bem na nossa casa, onde habitualmente partilhamos o sabor da alegria, do amor, da convivência e da tranquilidade. Conhecemos os cantos à casa, os recantos do quintal, o cheiro das flores e dos frutos, os sorrisos da amizade dos vizinhos, a saudação de gente amiga que passa pela rua, o brilho do sol que envolve o nosso amanhecer, o luar que aumenta o dia, a brisa do mar que nos enche a alma e os contornos da serra que ao longe nos desafiam.
Uma saudação amiga para todos os que estão de férias ou descansam em casa das azáfamas do ano de trabalhos e canseiras.

Fernando Martins

sábado, 13 de agosto de 2016

São Jacinto tão perto e sempre tão longe


A Gafanha da Nazaré já esteve ligada a São Jacinto. Aliás, o primeiro cruzeiro de toda a Gafanha, «de que há memória histórica», diz o Padre Resende, «deveria ter existido em 1584, “perto da ermida de Nossa Senhora das Areias” em São Jacinto». Acrescenta aquele estudioso que «consideramos São Jacinto, por muitos motivos, pertencente à região da Gafanha. Era-o realmente antes da abertura da barra em 1808». 
Quando posso, olho normalmente com alguma nostalgia para São Jacinto sem saber porquê. Esta foto, que hoje partilho, faz parte desse imaginário. Contemplo o casario à distância e sou levado a pensar que, apesar de parecer tão perto, a freguesia de São Jacinto fica sempre tão longe de nós.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Fogos Florestais — A catástrofe ano a ano repetida


Ausente do ciberespaço não significa ausente do mundo. Estou no mundo, prioritariamente, de corpo inteiro, ora rindo com a felicidade própria e alheia, ora chorando com os dramas dos que sofrem. Os fogos florestais, que ano após ano se sucedem, trazendo a destruição e morte da natureza e pessoas, comovem-me particularmente. E também, obviamente, me revoltam.
Comovo-me porque há perdas irreparáveis, porque há gente sofredora que, de um dia para o outro, vê evolar com o fogo e com o fumo sonhos e projetos de vidas inteiras, comovo-me com as lágrimas de velhos que ficam mais pobres, agora sem os seus lares por modestos que sejam.
Revolto-me porque, ano a ano, se prometem estudos, reformas, planeamento da geografia florestal, sistemas de vigilância, meios técnicos de prevenção e ataque aos fogos, mas nada se vê. Revolto-me porque se criam grupos de trabalho compostos pelos mais competentes técnicos das diversas áreas envolvidas no assunto dos cíclicos fogos florestais, sem que nada se publique para todos sabermos o que será ou deverá fazer de concreto. Revolto-me porque se apresentam relatórios ambientais, se definem metas a atingir, se garante que agora é que é chegada a hora de dominar o ladrão-fogo, mas tudo continua nos gabinetes.
Que o problema é político e não falta de meios, dizem uns. Que a culpa é dos proprietários, os grandes donos da floresta portuguesa, sem meios para suportarem a limpeza dos seus terrenos… mas adianta-se tudo será resolvido, acrescentam outros. Agora sim! ... proclama-se jubilosamente!
Em outubro, mais ou menos, os fogos estarão dominados. Os estudos ainda demorarão mais uns meses ou anos. Depois, ficam guardados a apanhar pó numa qualquer gaveta. Numa não! Em várias, que são muitos os projetos e estudos. E em julho e agosto de 2017 os fogos cá estarão de novo. E os órgãos de comunicação social (Jornais, Rádios, Tv) seguirão os guiões anteriores, com diretos, mesas redondas, entrevistas, pareceres, fotografias, vídeos, filmes, protestos de alguns políticos e o silêncio do povo pacífico, que olha pasmado, perguntando — Mas onde é que eu já vi e ouvi isto?

Estátua de José Estêvão

1889 - 12 de agosto
 
 
«Estando presente a veneranda viúva D. Rita de Moura Miranda Magalhães, foi solenemente inaugurada a estátua do tribuno aveirense José Estêvão Coelho de Magalhães, havendo por esse motivo três dias de festas – 11, 12 e 13 – entre elas um luzido cortejo cívico, no dia 12, em que figuraram diversos carros alegóricos. Foi lavrado um auto da inauguração do monumento, que se guarda no arquivo do Liceu (Marques Gomes, Monumentos – Retratos – Paysagens, cols. 81'-83'; Arquivo, V, pgs. 134-135) – A.»
 
"Calendário Histórico de Aveiro",
de António Christo e João Gonçalves Gaspar

Ílhavo é uma cidade fantasma e na Gafanha da Nazaré está tudo a falir

Em entrevista ao jornalista Miguel Souto, da Lusa,
o capitão Valdemar Aveiro diz que
«Ílhavo vive a “agonia” da pesca do bacalhau»



Valdemar Aveiro (foto do meu arquivo)
Valdemar Aveiro diz, nessa entrevista, que «A cidade de Ílhavo monopolizava a pesca do bacalhau. As classes dirigentes, tanto na oficialidade, capitães e imediatos, como nas mestranças, era tudo de Ílhavo, incluindo contramestres, cozinheiros e motoristas».
Refere que «A Gafanha da Nazaré, mais terra de pescadores e hoje igualmente cidade, assistiu no século XX ao crescimento de secas, armazéns, oficinas e estaleiros, primeiro, depois de câmaras frigoríficas e unidades industriais de transformação de pescado.»
Da sua cidade natal, Valdemar lembra que «Ílhavo era uma terra essencialmente marítima focada na pesca do bacalhau. Era uma cidade muito alegre e cheia de vida e hoje não tem nada. Começaram com o abate dos navios e hoje é uma cidade fantasma e na Gafanha está tudo a falir».
Ler reportagem de Miguel Souto aqui

NOTA: A destruição  da frota bacalhoeira foi, realmente, um crime. Um crime que os nossos governantes aceitaram ou foram obrigados a aceitar. Não houve firmeza nas negociações nem respeito pelas nossas tradições históricas no âmbito da pescas. Portugal foi na onda das promessas e dos dinheiros fáceis e o resultado está à vista. Mas admito que os nossos povos souberam dar a volta ao crime que lhes impuseram, voltando-se para outras atividades. Também me custa aceitar que Ílhavo não tenha nada  e que na Gafanha esteja tudo a falir.

O meu neto Dinis


 Afastado voluntariamente do ciberespaço para prestar mais atenção ao meu neto Dinis, o mais novo dos três netos que tenho, volto hoje ao convívio dos muitos amigos destas andanças pela aldeia global. O meu neto merece realmente muita atenção, sobretudo quando nos interpela por isto e por aquilo. As respostas, adequadas à sua idade, nem sempre são fáceis, exigindo de cada um de nós, tantas vezes, um raciocínio pronto e claro. Outras tantas vezes as nossas explicações provocam uma catadupa de perguntas do Dinis.
Não é fácil educar, em especial no presente, tal é a quantidade de desafios lançados à gente mais nova, veiculados pelos diversos órgãos de comunicação social, numa mescla de publicidade e informação: Livros, CD, Vídeos, Revistas, Jogos, Cadernos para ilustrar, Puzzles, Filmes, Legos, Computadores, PlayStation, Dominós e mais uma panóplia de formas de entretenimento que o Dinis conhece pelo seu nome próprio e que eu, seu avô, até ficava baralhado. O mesmo se diga da avó.
Para nosso descanso, a sesta era o único momento para descontrairmos. Hoje, que partiu para férias, o silêncio da nossa casa até se tornou frustrante, de tão habituados estarmos à sua inquietude, exigência e genica. Que Deus o conserve assim, com muita saúde.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Elegia para a Europa

Da crónica de António Barreto no DN



«Esta Europa, sonho, projecto, história ou esperança, desaparece. Financiado por poderosos, protegido por Estados maléficos e apoiado por organizações legais, o terrorismo islâmico está a destruir a Europa que conhecemos. Pior do que a destruição, está a fomentar o medo como modo de vida. Está a estimular todos os reflexos de defesa, de segurança, de abuso da lei e de reacção agressiva que desfiguram a Europa. O fanatismo islamita está a ressuscitar deliberadamente o racismo e a xenofobia que os europeus se esforçam há tantos anos por liquidar.»

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Jogos Olímpicos: Papa escreveu à equipa dos refugiados

Francisco deseja que representação inédita 
seja sinal de fraternidade universal


O Papa enviou uma carta aos membros da Equipa Olímpica de Refugiados que participam nos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, o que acontece pela primeira vez na história da competição.
Francisco saudou cada um dos dez membros da equipa, citando os seus nomes, e desejou-lhes sucesso para as provas em que vão estar envolvidos.
A seguir, expressou seu desejo de que eles tenham sucesso nas Olimpíadas.
“Que a coragem e a força que trazem dentro de vós possam transmitir, através dos Jogos Olímpicos, o vosso grito de fraternidade e de paz”, desejou, numa mensagem divulgada pela Rádio Vaticano.

Ler mais aqui 

E assim vai algum jornalismo

A tão apregoada honestidade de algum jornalismo cai imensas vezes para níveis baixíssimos. Ou, de outro modo, deixa-se levar na onda de influências perniciosas que ofendem a verdade escandalosamente. Fui alertado por um blogue que sigo para apreciar um esclarecimento e pedido de desculpas do JN que me deixou perplexo. Para nos sentirmos informados em quem devemos confiar?

sábado, 6 de agosto de 2016

O Salva-vidas que foi e o Salva-vidas que é






O Salva-vidas que foi e o Salva-vidas que é. Cada um cumpriu a sua missão à medida das suas capacidades e da generosidade dos seus profissionais. Não conheço, com dados estatísticos, o trabalho de socorros a náufragos desde a primeira hora da sua existência entre nós, mas gostaria de conhecer. Tenho a certeza de que, numa barra difícil, com o mar enraivecido muitas vezes, a história destas embarcações deve registar muitas estórias dignas de serem conhecidas.

A vela do moliceiro



Eu percebi que o moliceiro navega com motor. A vela serve apenas para enfeitar. Contudo, fico com a sensação de que a vela não foi feita à medida do mastro deste moliceiro. Ou estará tudo certo?

O grande Brasil

Crónica de Miguel Esteves Cardoso
no Público de hoje

Nestes jogos olímpicos já estou a torcer pelo Brasil e para que tudo corra bem. Li algures que só os atletas de todo o mundo podem salvar estes jogos, como se os brasileiros nada tivessem feito para isso.
Visto de fora e do alto o Brasil e os brasileiros fizeram um esforço enorme e conseguiram organizar o maior de todos os espectáculos, contra uma oposição feroz e constante. Só por isso estão de parabéns.
Acho graça ler comentadores de países pequenos, a grande maioria dos quais nunca foi ao Brasil, a lamentar que está tudo atrasado, que todos estão corrompidos e a avisar que vai tudo correr mal.
Não sabem que o Brasil é um país enorme, habituado a fazer as coisas em grande escala. Não sabem que o Brasil é um país espectacular, onde o espectáculo se sente em casa. Não sabem que o Brasil sabe fazer uma festa como ninguém.
É normal, para o Brasil, que os jogos olímpicos corram bem. Não é uma vitória milagrosa contra todos os obstáculos. Organizar um grande espectáculo e ser um grande anfitrião é normal para o Brasil. O Brasil é espectacular. Os brasileiros são os melhores do mundo a dar show – melhores ainda do que os EUA, porque carregam mais na emoção e porque cada brasileiro sabe estar na festa. Não é só uma questão de artistas e espectadores. Está tudo misturado e é por isso que é mágico, seja futebol, música, dança ou jogo olímpico.
Os comentadores burros e preconceituosos bem podem esperar pelos desastres que não vão acontecer. O Brasil sabe fazer tudo.
 

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

A nossa gente — Júlio Pinheiro



Neste mês de agosto, em que se realiza a edição 2016 do Ílhavo Sea Festival, a rubrica “a nossa gente” é dedicada a Júlio Pinheiro, Chefe dos Pilotos da Barra de Aveiro.
Júlio Pinheiro nasceu a 3 de novembro de 1958, na Freguesia de S. Salvador, Município de Ílhavo. Concluído o ensino primário na antiga Escola Primária Ferreira Gordo, em Ílhavo, prosseguiu os seus estudos no Ciclo de Ílhavo e mais tarde, no Liceu José Estêvão, em Aveiro.
Oriundo de uma família ligada ao Mar, o seu sonho sempre foi ingressar na Escola Náutica em Lisboa, o que aconteceu em 1977.
Três anos depois, este ilhavense embarcava em navios de pesca do bacalhau por mares da Terra Nova, Gronelândia, Noruega, entre outros. Seis anos depois, regressou à Escola Náutica para frequentar o Complementar que lhe deu equivalência à licenciatura. Voltou ao mar por mais quatro anos, até que, em 1991, concorreu para Piloto da Barra do Porto de Lisboa, onde entrou em fevereiro desse ano. Nesse mesmo ano, concorreu para Piloto da Barra do Porto de Leixões, dando assim, em agosto, o primeiro “salto” para se aproximar de casa. Em 1996 concorreu novamente e foi transferido do Porto de Leixões, onde permaneceu cinco anos, para o Porto de Aveiro.
Chefe dos Pilotos da Barra de Aveiro desde 2007, Júlio Pinheiro afirma que este é um porto muito difícil, com fundos muito dinâmicos, fortes correntes de água e exposto a todo o tipo de ondulação. É gratificante para si, assistir a um aumento sustentado da tipologia de navios que atualmente demandam o porto, o que tem grande reflexo no crescimento e no desenvolvimento da Região.
Antigamente “a menina dos seus olhos” era um porto bacalhoeiro, mas segundo Júlio Pinheiro “estamos noutra era”. “Este inverno de 2016 foi o primeiro em que o porto manteve a navegação a navios com um comprimento até 175 metros e calados até 9,50 metros, tendo agora como objetivo os 180 metros de comprimento e os 10,5 metros de calado. Já foram manobrados, até esta data, vários navios com 170 metros de comprimento e calados de 10 metros, o que é meio caminho andado para atingir o objetivo.
“Cerca de 40% da carga movimentada a nível mundial é contentorizada, sendo que, neste momento, o Porto de Aveiro, manobra navios com uma capacidade de manobra muito mais reduzida e com cargas muito mais perigosas do que os navios que transportam contentores”. Para Júlio Pinheiro, seria uma mais-valia para toda a Região de Aveiro, a implementação de linhas regulares de contentores que contemplassem este porto.
Depois da Regata dos Grandes Veleiros, em 2008, e da primeira edição do Ílhavo Sea Festival, em 2012, Júlio Pinheiro juntamente com o Comandante Martins da Cruz voltam a coordenar, com o Departamento de Pilotagem, a entrada e saída dos navios, em que o fator mais preponderante são as correntes de água, uma vez que alguns dos veleiros têm uma capacidade de manobra muito reduzida e vão chegar numa data de marés muito vivas, o que irá dificultar e restringir a navegação para perto das estofas (águas mais paradas). Mas está tudo devidamente preparado e acautelado para bem receber os mais belos veleiros, de 5 a 8 de agosto, dependendo apenas de S. Pedro a boa visibilidade, para que todos possamos apreciá-los à entrada e à saída do Porto de Aveiro.

Nota: Não tenho o prazer de conhecer Júlio Pinheiro, Chefe dos Pilotos da Barra de Aveiro, o homenageado deste mês referido na agenda “Viver em…” da CMI. O seu currículo é elucidativo e as suas qualidades humanas justificaram garantidamente a sua inclusão na rubrica “A nossa gente”.
Penso que as autarquias devem exercer um papel pedagógico na sociedade, apresentando aos nossos concidadãos aqueles que, pelos seus méritos, servem indiscutivelmente de exemplo a todos os que lutam por um mundo mais solidário. Daí o meu gosto em ler e divulgar a referida agenda.
Os meus parabéns a Júlio Pinheiro, com votos, neste mês de agosto, de excelentes férias.

Crueldade dos campos de concentração semelhante à de hoje

Papa recorda Jornada Mundial da Juventude
e diz que «crueldade» dos campos de concentração 
assemelha-se à do mundo de hoje


 «Naquele grande silêncio rezei por todas as vítimas da violência e da guerra. E lá, naquele lugar, compreendi mais do que nunca o valor da memória, não só como recordação de acontecimentos passados, mas como advertência e responsabilidade para o hoje e o amanhã, para que a semente do ódio e da violência não se enraíze nos sulcos da história», afirmou Francisco. A Polónia, prosseguiu, «recorda hoje a toda a Europa que não pode haver futuro para o continente sem os seus valores fundadores, os quais, por sua volta, têm no centro a visão cristã do homem».
 
Li aqui

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Visita aos avós — 26 de julho

Crónica de Maria Donzília Almeida


Lar do Comércio
Há muito tempo estava programada uma visita aos avós, os únicos sobreviventes que ainda teimam em viver, desafiando a voracidade do tempo. 
Por afazeres vários foi-se protelando a viagem dia após dia, até que numa manhã de calor estival, quase no início da semana, se tomou a decisão – ia ser naquele dia. 
As distâncias, substancialmente encurtadas pelo crescimento da rede rodoviária tão facilitadora, nem sequer são justificação para o esquecimento e abandono dos nossos entes queridos. 
Foi num quente dia de verão que visitámos a Dª Maria e o Sr. Manuel, agora na sua nova residência, em Catassol, na cidade da Maia. Recordo os velhos tempos em que lecionei aos maiatos, que durante sete anos preencheram a minha atividade profissional. Ocorre-me sempre à memória, o soneto de Camões, que reza : “Sete anos de pastor Jacob servia/Labão pai de Raquel, serrana bela;/Mas não servia ao pai, servia a ela/E a ela só por prémio pretendia…” Eu…só ambicionava o sucesso educativo dos meus alunos, não enganava ninguém! 

destaque

GUERRA JUNQUEIRO — REGRESSO AO LAR

Guerra Junqueiro Regresso ao Lar Ai, há quantos anos que eu parti chorando deste meu saudoso, carinhoso lar!... Foi há vin...