“Os últimos marinheiros” — Um livro de Filipa Melo


Fotografia de Miguel Sobral Cardoso 
“Há três espécies de seres:
os vivos, os mortos 
e os que andam no mar.” 

Anacársis, 
filósofo cita

Acabei de ler um livrinho de Filipa Melo, com edição da Fundação Francisco Manuel dos Santos. Faz parte da coleção “Retratos da Fundação” e tem apenas 70 páginas, que se leem num fôlego. Trata-se de trabalho muito bem escrito, edição de bolso, que toca fundo na sensibilidade de quem carrega, como eu, no seu ADN, o mar e a pesca do bacalhau, mas também navios, mastros e velas, ondas, botes, redes, ausências, naufrágios, caldeiradas, partidas dolorosas e regressos felizes. 
Diz a autora na Introdução que, «Em Portugal, os homens do mar estão em vias de extinção ou quase», sendo eu sou testemunha disso. Vai já longe o tempo em que o Porto de Pesca de Aveiro era um viveiro de navios para todos os mares e para todas as pescas, com gentes da costa de Norte a Sul do país. A história é por demais conhecida e Filipa de Melo é clara e oportuna quando diz: «Inclinados perante a Europa, virámos as costas ao mar.» E acrescenta: «A atualidade do nosso imaginário mítico marítimo dissolve-se no desprezo coletivo pelo mar. Estendidos nas praias, vemos passar navios, ao longe, cada vez mais longe. O mar não existe nem sequer como conceito do poder da nação.»
A autora frisa, ainda na Introdução: «O que o leitor tem nas mãos é uma tentativa de retrato de alguns portugueses cuja principal fonte de sustento ainda é a navegação no mar».
E vamos ao livro que levou a autora a embarcar no navio de pesca de arrasto Neptuno, da praça da Figueira da Foz, em março de 2015. Jornalista experimentada e corajosa, usufruiu do prazer de sentir ao vivo o trabalho duro dos homens do mar. E da reportagem com que nos brindou ofereceu-nos, para nossa enlevo, ramalhetes poéticos que emprestaram cor e vida ao que ouviu e sentiu. 
Descobrimos apelidos que nos soam como familiares, a paixão e a fatalidade atraídas pelas ondas, o saber de experiência feito, a coragem e o respeito pela bravura do mar. Matias, Caçador, o nosso Santo André, o Museu Marítimo de Ílhavo, os canais da ria, a devoção dos marinheiros e oficiais na hora de arriar — “Seja louvado e adorado nosso Senhor Jesus Cristo”. E o bacalhau, sempre o fiel amigo presente, a pesca à linha, os veleiros, os navios a motor, os dóris (botes), o fim da pesca à linha em 1974 e a entrada dos arrastões. Mais nomes de gente nossa: O Mário Alberto Caçoilo, o Alberto Oliveira e Silva, o Arménio Pata entre outros.
Hora de um bom naco de poesia, de José Quitério, que eu sempre li, com inaudito prazer, nas páginas do EXPRESSO, dedicado ao bacalhau:

«Esquecendo a tortura que a todos infligiste na infância — ai, o malfadado óleo do teu fígado! — deram-te o aconchego das batatas, beliscaram-te com o grão, meteram-te entre fofos cobertores de farinha, coroaram-te com hortaliças, cebolas e ovos, como um rei. Segmentaram-te em bolinhos e até te pediram que fosses sonhos. Cozeram-te, grelharam-te, assaram-te, guisaram-te fritaram-te, albardaram-te, rechearam-te, arrozaram-te, exigiram-te consolos de consoadas, e só não te negaram três vezes porque, desalienado e simples como és, recusaste a dimensão divina.»

Acrescenta Filipa Melo: «No final, esqueceram-se da tortura de quem te pescou, durante tanto tempo, à custa de tanto sacrifício. Há quem diga que é preciso ir para o mar, para aprender a rezar. E tenha razão.»
A autora embarcou num dos navios da Portline, o porta-contentores Port Douro, e teve o privilégio de entrevistar Cristina Alves, «uma das duas primeiras mulheres a formarem-se em Pilotagem marítima, que lhe garantiu: «Ao fim das primeiras viagens, descobri que era mesmo o mar o que eu queria.» Fico-me por aqui, não sem antes recomendar: A nossa gente, que sente como poucos que o mar que sustenta também mata quando enlouquece, precisa de reavivar memórias. E este livrinho dá-nos um retrato muito fiel dos bravos homens do mar, que alguém um dia tratou por  lobos do mar. Aliás, a primeira citação deste trabalho de Filipa Melo reza como verdade expressiva: “Há três espécies de seres: os vivos, os mortos e os que andam no mar.” Anacársis.

Fernando Martins

Comentários