Homenagem ao Padre Artur Sardo

Homenagem ao Padre Artur Sardo
Na sexta-feira, 24 de junho, foi prestada justa homenagem ao Padre Artur Sardo no Centro Social Paroquial Nossa Senhora da Nazaré, com o descerramento da sua fotografia e de uma placa, onde se lê:

“Padre Artur Ferreira Sardo 
(1912-2000) 
Homenagem e gratidão do Centro Social 
Junho de 2016”

No momento próprio, o Padre César Fernandes, pároco da Gafanha da Nazaré e presidente da direção do Centro Social, referiu que «esta homenagem de gratidão para com o Padre Artur Sardo é de toda a justiça», pois veio dele a iniciativa de «oferecer o terreno para a construção do Lar, sendo à data da inauguração (maio de 1991) membro da mesma direção».
O Padre César fez questão de sublinhar que «estamos a reconhecer publicamente» o gesto do Padre Artur, enquanto desejou que se perpetue no futuro «a sua dedicação à instituição com a doação do terreno onde está implantado o Centro Social Paroquial».
O Padre Artur Ferreira Sardo, natural da Gafanha da Nazaré, onde viu a luz do dia em 21 de março de 1912, trabalhou durante a sua juventude na agricultura e noutros serviços. Na altura adequada, alistou-se no exército, enquanto estudou de noite na Escola Comercial de Aveiro. Em 15 de outubro de 1935 sentiu o chamamento de Deus e ingressou no Seminário Regional de Évora, porque a Diocese de Aveiro ainda não havia sido restaurada. 
Quando a Diocese de Aveiro foi restaurada, em 1938, optou por continuar em Évora, tendo sido ordenado presbítero no Carmelo de Fátima, no dia 30 de julho de 1944. 
Desempenhou inúmeras tarefas como sacerdote, sempre como padre de Évora, mas um dia foi em missão até Moçambique, passando depois pelo “Gil Eanes”, como capelão da frota bacalhoeira, dando a seguir um grande salto para a Austrália, onde andou «de cidade em cidade à procura da nossa gente», que ajuda de diversos modos, quer no âmbito religioso quer ao nível escolar, lecionando os ensinamentos básicos aos filhos dos nossos emigrantes.
O Padre Artur, porventura cansado de tanto andar em missão pelo mundo, ao saber que sua irmã se encontrava muito doente, regressou à sua e nossa terra, mantendo-se fiel à sua Diocese de Évora. Decidiu então oferecer a sua casa para o lar a construir na Gafanha da Nazaré. 

Fernando Martins

Nota: Dados biográficos colhidos no livro “Gafanha — N.ª S.ª da Nazaré” de Manuel Olívio da Rocha e Manuel Fernando da Rocha Martins.

Comentários