Couto de Esteves não me sai da memória

Casa bem restaurada 
Rua estreita e casario
Pelourinho e serra ao longe
Casas de pedra bem reconstruída
Largo da Igreja em dia de leilão
Interior da Igreja Matriz
Igreja Matriz
Santo Estêvão numa parede de casa particular
Couto de Esteves, no concelho de Sever do Vouga. Lê-se na Wikipédia que «em 1128 D. Teresa e D. Afonso Henriques, conjuntamente, assinaram o foral que tornou Couto de Esteves vila e sede de concelho, tornando-o couto do mosteiro de Lorvão e concedendo-lhe grande quantidade de privilégios. Era constituído pelas freguesias de Arões, Couto de Esteves, Junqueira, Rocas do Vouga e Ribeiradio. Em 1801 tinha 820 habitantes e era conhecido também como Castelo de Santo Estêvão. O concelho foi extinto em 1836. Resta ainda o vetusto pelourinho e o velho edifício que foi a Câmara. Antiquíssima é também a sua Igreja Matriz. Nos sécs. XVI-XVII foi erigido o solar da Casa da Fonte, no Couto de Baixo, que foi residência da ilustre família Sequeira e Quadros
Depois desta referência, porventura demasiado sucinta, permitam-me que confesse que gosto daquela bonita freguesia, um pouco longe dos meus habituais percursos. Gostar ou não gostar não terá grande forma de se justificar. Gosta-se porque sim...
Há décadas, andei por aquelas bandas ao serviço do Ministério da Educação. Mesmo com curtas estadas, apreciava a rusticidade da terra, o acolhimento que me foi prestado por amigos, a simpatia do povo, a beleza das paisagens, a pureza dos ares.
Voltei há uns dois ou três anos, se não me engano, e encontrei Couto de Esteves de ruas sinuosas, casario de pedra, Igreja Matriz asseada, marcas de um passado antiquíssimo, que remonta à fundação da nacionalidade e mesmo antes. E prometi voltar, mas o tempo foge de mim a passos apressados. 
Um dia destes encontrei na revista "Ilustração" uma foto de pastora que publiquei no ciberespaço. Foi registada por um tal Coutinho, apelido de gente importante daqueles lados. E voltei a recordar caminhos por ali calcorreados e imagens que me não saem da memória. Pode ser que um dia volte a Couto de Esteves.

Fernando Martins 

Comentários