“Tempos de Pesca em Tempos de Guerra”

O mais recente livro de Licínio Amador

Licínio Amador (foto de Etelvina Almeida)

Participei no sábado, 16 de abril, no anfiteatro do Museu Marítimo de Ílhavo, no lançamento do livro “Tempos de Pesca em Tempos de Guerra” de Licínio Amador. Anfiteatro repleto de gente amiga do autor, mas também interessada pela temática que deixou marcas tristemente profundas no espírito dos nossos conterrâneos. O afundamento do “Maria da Glória”, um lugre bacalhoeiro, inofensivo e neutral no conflito dramático da II Grande Guerra, não podia deixar de suscitar curiosidade. Mais de quatro anos de pesquisas resultaram num livro que merece uma referência especial no final da leitura que já iniciei.
Domingos Cardoso, que coordenou a cerimónia, o autor, Licínio Amador, o representante da Câmara Municipal, Marcos Ré, Tito Cerqueira, que apresentou o livro, e Tibério Paradela, que teatralizou uma cena, vindo do fundo do mar, preencheram os lugares da mesa. E o coro da Academia dos Saberes de Aveiro brindou a assistência com um belo momento musical.

Tibério Paradela (foto de Etelvina Almeida)
Tito Cerqueira enriqueceu sobremaneira a festa de um acontecimento triste para as gentes ilhavenses, falando com conhecimento certo e profundo da guerra submarina, mas não só, estendendo-se quanto possível pelos diversos quadrantes dos beligerantes, com datas, nomes, episódios, causas e consequência de uma das maiores catástrofes do século XX, oferecendo uma lição viva decerto para todos os presentes, ou não seja ele um especialista na matéria com o alto título de Almirante.
Logo a abrir a sua intervenção, questionou-se sobre o que terá levado o autor e amigo, Licínio Amador, um homem das «humanidades e sem ligação pessoal ao mar», a escrever sobre o afundamento do navio “Maria da Glória”? E disse mais: «Andou por bibliotecas e arquivos, consultou livros e jornais, navegou pela Internet, comprou livros relacionados com a temática, trocou impressões com amigos mais conhecedores, documentou-se, ficcionou o que era de ficcionar e coligiu dados; mas quanto mais avançava na sua investigação, mais o mar da pesquisa se encapelava e mais difícil se tornava a navegação; e foi aí que a sua fibra de ílhavo, qual lobo-do-mar, o fez vencer todas as dificuldades, conseguindo manter o rumo certo e em segurança, chegando hoje a bom porto.»

Aspeto geral da assistência (Foto de Etelvina Almeida)
Julgo que a cabal veracidade das questões apontadas por Tito Cerqueira passará inevitavelmente pela leitura do livro “Tempos de Pesca em Tempos de Guerra”, cuja edição do autor, composta por 500 exemplares, deverá esgotar muito rapidamente.

Fernando Martins

Comentários

etelvina almeida disse…
Viveram-se momentos intensos - adquiriu-se conhecimento e soltaram-se emoções. Parabéns ao Srº Licínio Amador pela obra apresentada.
José Pardala disse…
Tanta gente distinta a abençoar tão magnifica obra! E onde andaria o sr. Doutor Garrido??? O desprezo que a gerência o Museu demonstra por quem é de Ílhavo é uma coisa insultuosa e sem explicação.