Notas do meu Diário — Feira de Março

A animação é mais à noite
Para quem gosta das alturas
Para quem gosta de chegar às nuvens
Que grande verdade. A nossa região é assim
As inevitáveis farturas da Família Armando
Passei hoje pela Feira de Março. Foi a correr por impulso de consciência. O tempo foi passando e o encerramento está prestes a acontecer. Apesar de um pouco incapacitado, com dores nas dobradiças do esqueleto, arrisquei. Contudo, tive azar. Agora, a Feira de Março, com cerca de meio milénio de vida, adotou os horários do comércio citadino. De modo que os pavilhões, grandes e pequenos, mais dedicados ao comércio e indústria de maior porte e instituições, estavam encerrados. Apenas disponíveis as bugigangas, comes e bebes e as tradicionais farturas. 
Comidas as farturas, apenas duas para cada um, eu e minha mulher, regadas com água fresquinha e leve, uma voltinha que as pernas não dão para muito, umas fotos para treinar (estou sempre nessa fase), as aquisições da Lita para renovar algumas peças do trem da cozinha, e regresso a casa. Hoje contei com o apoio da bengala. Ao que chega um homem. Mas não me arrependi de ter ido.

Comentários