Vive com Jesus a sua paixão gloriosa

Reflexão de Georgino Rocha

«O amor de doação total
brilhará para sempre»

O domingo de Ramos constitui o pórtico da Semana Santa. Apresenta e celebra a Paixão gloriosa de Jesus. Faz ver as duas faces desta realidade histórica: a chegada à cidade de Jerusalém e o processo de condenação organizado por judeus e por romanos. Os rostos são muitos, embora os nomeados sejam apenas os que detém funções especiais: Lucas, o narrador do acontecido, recorre à sua fina sensibilidade e grande capacidade de observação e dá uma dignidade sóbria aos intervenientes e regista o alto sentido de cada passo daquele processo. Nele vão desfilando, um após outro, rostos em que o leitor se pode rever, por vezes, com grande precisão e clareza. Como num espelho. Nele se refletem os que, ao longo da história, sofrem o penoso calvário a que são são forçados: perseguidos, espoliados, indesejados, descartados.

Jesus mantém sempre uma postura digna e eloquente. A Judas que o beija, admoesta suavemente, denunciado a intenção do seu gesto; aos discípulos que pretendiam defendê-lo com violência armada aquando da prisão, ordena-lhes que guardem as espadas e aponta-lhes o proceder pacífico de Deus Pai; a Pedro que o nega três vezes sucessivas, olha-o com tanta ternura que o faz chorar lágrimas de arrependimento; ao soldado que o acusa e esbofeteia pelo que disse à autoridade, devolve a pergunta que busca a verdade; a Herodes envia uma mensagem desbloqueadora de manhas e interesses; a Pilatos, confirma a afirmação do que diz a respeito da realeza ( não de poder, mas de serviço).

Cruzam-se outros olhares no caminho do Calvário: o cirineu que instado a ajudar Jesus pega na cruz com determinação solidária; as mulheres de Jerusalém que condoídas pela figura do condenado choram em público lágrimas de compaixão a que Jesus corresponde dando um novo sentido; o bom ladrão que reconhece a malvadez das acusações contra Jesus e proclama a sua inocência, recebe a feliz promessa de vir a estarem juntos na vida futura; o centurião que ao ver a novidade do que ocorria faz uma expressiva profissão de fé; José de Arimateia e Nicodemos, homens justos e bons, acolhem os restos mortais e dão-lhe sepultura condigna; as mulheres que o acompanhavam têm a dita de testemunhar o enternecedor testamento final de Jesus: “Mulher, eis aí o teu filho”, afirma dirigindo-se a Maria e a João, o discípulo amado; e prossegue: “ Eis aí a tua Mãe”.

E a cruz ignominiosa erguida no Calvário transforma-se em cruz gloriosa em que o amor de doação total brilhará para sempre. E nela se podem rever todos os que pretendem amar ao modo de Deus vivido tão intensamente por Jesus.

Por isso, como diz o Papa Francisco: “Se nós queremos conhecer «a história de amor» que Deus tem connosco é necessário olhar o Crucifixo, sobre o qual está um Deus que se “esvaziou da divindade”, se “sujou” de pecado para salvar os homens”. Bela direcção do olhar contemplativo que pretende penetrar neste jeito novo de amar.

Comentários