Dia aberto no Museu de Ílhavo

Moliceiro e saleiro
Bacalhau
Recanto 
No Museu Marítimo de Ílhavo, que hoje visitei, encontrei um ambiente tranquilo que permitiu observar a vida serena dos bacalhaus, os nossos bacalhaus. Havia famílias inteiras por ali com as suas crianças buliçosas que, minuto a minuto, se quedavam a mirar os bacalhaus que vinham beijar as vidraças. 
Dia de entrada franca, havia sempre quem chegasse e partisse num vaivém contínuo. Não seria multidão, mas não faltavam visitantes. A entrada franca é assim. As pessoas vão quando lhes apetece, apreciam o que está exposto e deixam as crianças cirandar à vontade. Criam-se hábitos de sair de casa com objetivos, entra-se num espaço cultural, tem-se acesso a conhecimentos, convive-se com que veio ao mesmo, sai-se do ramerrão do quotidiano. E para os esclarecimentos, lá estavam os empregados solícitos e atentos.
Toda a gente, em geral, e os pais com filhos menores (ou maiores), em particular, só têm que aproveitar estas ofertas da autarquia ilhavense.

Comentários