segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Um poema de David Mourão-Ferreira

presépios - Pesquisa Google:

Ladainha dos Póstumos Natais

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que se veja à mesa o meu lugar vazio

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que hão-de me lembrar de modo menos nítido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que só uma voz me evoque a sós consigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que não viva já ninguém meu conhecido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem vivo esteja um verso deste livro

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que terei de novo o Nada a sós comigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem o Natal terá qualquer sentido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que o Nada retome a cor do Infinito

David Mourão-Ferreira,

em  'Cancioneiro de Natal'

Sem comentários:

destaque

E que tal não ver má televisão?

Manuel Cardoso, no Sapo,  atirou-me hoje com uma questão pertinente:  E que tal não ver má televisão? Há muito que tento desc...